A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
164 pág.
Apostila Banco de Dados 2008-1

Pré-visualização | Página 2 de 10

com detalhes que influenciam no 
desempenho do banco de dados, mas não interferem em sua 
funcionalidade
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 20
Capítulo 2: Abordagem 
entidade - 
relacionamento
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 21
Abordagem entidade- 
relacionamento
z Técnica para construir modelos conceituais de bases de dados
z Técnica de modelagem de dados mais difundida e utilizada
z Criada em 1976 por Peter Chen
z Padrão de fato para modelagem conceitual
z Não é única:
z NIAM/ORM (técnica européia da década de 70)
z UML (Técnica para modelos Orientados a Objetos)
z Técnicas de modelagem orientada a objetos (UML) baseiam-se 
nos conceitos da abordagem ER
z Modelo de dados é representado através de um
z modelo entidade-relacionamento (modelo ER)
z Modelo ER é representado graficamente
z diagrama entidade-relacionamento (DER)
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 22
Entidade
z Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais 
deseja-se manter informações no banco de dados
z Exemplos:
z Sistema de informações industrial:
z Produtos
z Tipos de produtos
z Vendas
z Compras
z Sistemas de contas correntes:
z Clientes
z Conta correntes
z Cheques
z Agências
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 23
Entidade
z Representada através de um retângulo
z Retângulo contem o nome da entidade
z Entidade = conjunto de objetos
z Para se referir a um objeto em particular fala-se em instância
ou ocorrência da entidade
z Entidade isoladamente não informa nada, é necessário saber 
quais as informações que devem ser mantidas para cada 
objeto, ou seja, atribuir propriedades às entidades
z Propriedades são especificadas na forma de: relacionamentos, 
atributos e generalizações/especializações
Pessoa Departamento
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 24
Relacionamento
z Conjunto de associações entre entidades sobre as quais 
deseja-se manter informações na base de dados
z Relacionamento é um conjunto de associações entre instâncias 
de entidades
z Uma instância (ocorrência) é uma associação específica entre 
determinadas instâncias de entidade
z Exemplo (relacionamento LOTAÇÃO)
z ocorrência = par específico formado por uma ocorrência de 
PESSOA e uma ocorrência de DEPARTAMENTO
25
Relacionamento
z Auto-relacionamento:
z Relacionamento de casamento
z Uma ocorrência de pessoa exerce o papel de marido
z Uma ocorrência de pessoa exerce o papel de esposa
z Relacionamento entre entidades diferentes não é necessário 
indicar os papéis das entidades
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 26
Cardinalidade de relacionamentos
z Propriedade importante de um relacionamento
z Quantas ocorrências de uma entidade podem estar associadas a 
uma determinada ocorrência de entidade através do 
relacionamento
z Chamada de cardinalidade de uma entidade em um 
relacionamento
z Cardinalidade máxima:
27
Cardinalidade de relacionamentos
z Relacionamento de 1:1 z Relacionamento de 1:n
z Relacionamento de n:n
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 28
Cardinalidade de relacionamentos
z Cardinalidade mínima:
z Número mínimo de ocorrências de entidade que são associadas a 
uma ocorrência de uma entidade através de um relacionamento
z Para fins de projeto de BD, consideram-se apenas duas 
cardinalidades mínimas
z cardinalidade mínima 0
z cardinalidade mínima 1
z Denominação alternativa:
z cardinalidade mínima 1 = “associação obrigatória”
z cardinalidade mínima 0 = “associação opcional”
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 29
Exemplos de entidades e 
relacionamentos
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 30
Atributo
z Dado ou informação que é associado a cada ocorrência de 
uma entidade ou de um relacionamento
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 31
Atributo
z Cada entidade deve possuir um identificador
z Identificador = conjunto propriedades de uma entidade (atributos e 
relacionamentos) cujos valores servem para distinguir uma 
ocorrência da entidade das demais ocorrências da mesma 
entidade
Profª. Rossana Junqueira 32
Generalização e Especialização
z Este conceito permite atribuir propriedades particulares a um 
subconjunto das ocorrências (especializadas) de uma entidade 
genérica.
z Associada ao conceito
de generalização/
Especialização está
 
a idéia
de herança de propriedades.
z Herdar propriedades significa
que cada ocorrência da entidade
especializada possui:
z Além de suas próprias propriedades
z Também as propriedades da ocorrência da entidade genérica 
correspondente
Banco de Dados
Generalização e Especialização
z Especialização total ou parcial
Banco de Dados 34
Entidade associativa
z É necessário saber que medicamentos 
foram prescritos em cada consulta.
z Uma entidade associativa
nada mais é
 
que a redefinição
de um relacionamento, que
passa a ser tratado como se
fosse também uma entidade.
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 35
Entidade associativa
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 36
Capítulo 3: Construindo 
modelos entidade- 
relacionamento
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 37
Propriedades de modelos ER
z É um modelo formal, preciso, não ambíguo.
z Isto significa que diferentes leitores de um mesmo modelo ER 
devem sempre entender exatamente o mesmo.
z DER pode ser usado como entrada a uma ferramenta CASE.
z Fundamental: todos os envolvidos devem estar treinados na sua 
perfeita compreensão.
z Risco: sub-utilização
z Modelos ER têm poder de expressão limitado
z Modelo ER apresenta apenas algumas propriedades de um banco 
de dados
z Foi concebido para o projeto da estrutura de um BD relacional
z Pouco poderoso para expressar restrições de integridade (regras 
de negócio)
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 38
Equivalência entre modelos
z Dois modelos diferentes podem se equivalentes
z Modelos equivalentes:
z expressam o mesmo
z modelam a mesma realidade
z Para fins de projeto de banco de dados, dois modelos ER são 
equivalentes, quando ambos geram o mesmo esquema de 
banco de dados
z Para analisar se dois modelos são equivalentes, é necessário 
considerar um conjunto de regras de tradução de modelos ER 
para modelos lógicos de banco de dados
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 39
Exemplo de equivalência entre 
modelos
z CONSULTA como relacionamento n:n
z CONSULTA como entidade
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 40
Exemplo de equivalência entre 
modelos
z A determinação de que construção da abordagem ER 
(entidade, relacionamento, atributo,...) será usada para 
modelar um objeto de uma realidade
z não pode ser feita através da observação do objeto isoladamente
z é necessário conhecer o contexto (modelo dentro do qual o objeto 
aparece)
z Decisão por uma construção para a modelagem de um objeto 
está sujeita a alteração durante a modelagem
z Não despender um tempo excessivo em longas discussões 
sobre como modelar um objeto
z O próprio desenvolvimento do modelo e o aprendizado sobre a 
realidade irão refinando e aperfeiçoando o modelo
z Existem critérios alguns critérios para escolha de construções 
de modelagem
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 41
Atributo versus entidade 
relacionada
z Alguns critérios para esta decisão são:
z Objeto está vinculado a outros objetos
deve ser modelado como entidade
z Caso contrário pode ser modelado como
atributo
z Conjunto de valores de um determinado objeto é fixo, pode ser 
modelado como atributo
z Existem transações no sistema que alteram o conjunto de valores 
do objeto, não deve ser modelado como atributo
Banco de Dados Profª. Rossana Junqueira 42
Atributo versus 
generalização/especialização
z Questão:
z Modelar um determinado objeto (por exemplo, a categoria 
funcional de cada empregado de uma empresa) como atributo ou 
como especialização?
z Especialização deve ser usada quando as classes especializadas 
de entidades possuem propriedades particulares 
43
Verificação do modelo
z Uma vez construído, um modelo ER dever ser validado e 
verificado.
z A verificação é o controle