A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
73 pág.
LegislaçãoRH-SC

Pré-visualização | Página 14 de 17

de Investimento e com o Orçamento do Estado.
CAPÍTULO VI
Das Disposições Finais e Transitórias
Art. 37 - A implantação da cobrança pelo uso da água será gradativa, atendido o que segue:
I - desenvolvimento de programa de comunicação social sobre a necessidade econômica, social, cultural e ambiental da utilização racional e proteção da água, com ênfase para a educação ambiental;
II - implantação de um sistema de informações hidrometeorológicas e de cadastro dos usuários de água;
III - implantação do sistema integrado de outorga do uso da água, devidamente compatibilizado com sistemas correlacionados de licenciamento ambiental.
Parágrafo único - O sistema integrado de outorga do uso da água previsto no inciso III abrangerá os usos existentes, os quais deverão adequar-se ao disposto nesta Lei, mediante a expedição das respectivas outorgas.
Art. 38 - O Comitê de Gerenciamento da Bacia do Rio Cubatão, criado pelo Decreto n. 3.943, de 22 de setembro de 1993, deverá adaptar-se a esta Lei no prazo de 90 (noventa) dias a contar da data da publicação da mesma.
Art. 39 - Para atendimento das atribuições previstas no Art. 4., Seção única, do Capítulo II da presente Lei, o Governo do Estado deverá proporcionar à Fundação do Meio Ambiente, FATMA, condições técnicas e financeiras suficientes para o desenvolvimento das atividades vinculadas à gestão dos recursos hídricos no Estado de Santa Catarina.
Art. 40 - Esta Lei entra em vigor na data sua publicação.
Art. 41 - Revogam-se as disposições em contrário.
�
LEI No 10.644, DE 07 DE JANEIRO DE 1998
Dá nova redação ao art. 2º da Lei nº 6.739, de 16 de dezembro de 1985, alterado pela Lei nº 8.360, de 26 de setembro de 1991, e nº 10.007, de 18 de dezembro de 1995, que cria o Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CERH.
GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, 
Faço saber a todos os habitantes deste Estado que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º - O art. 2º da Lei nº 6.739, de 16 de dezembro de 1985, alterado pela Lei nº 8.360, de 26 de setembro de 1991, e nº 10.007, de 18 de dezembro de 1995, passa a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 2º - O Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CERH será constituido:
I - pelo titular, ou representante por ele designado, dos seguintes órgãos e entidades:
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente;
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Integração ao MERCOSUL;
Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e Agricultura;
Secretaria de Estado dos Transportes e Obras;
Secretaria de Estado da Saúde;
Secretaria de Estado da Fazenda;
Centrais Elétricas de Santa Catarina S/A - CELESC
Companhia de Águas e Saneamento - CASAN
Fundação de Meio Ambiente - FATMA
II - por 09 (nove) membros nomeados pelo Governador do Estado”.
Art. 2º - Fica o Poder Executivo autorizado a promover alterações no Conselho Estadual de Recursos Hídricos-CERH decorrentes de modificações na estrutura organizacional básica da administração pública estadual.
Art. 3º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 4º - Fica revogada a Lei º 10.007, de 18 de dezembro de 1995, e demais disposições em contrário.
Florianópolis, 07 de janeiro de 1998
RESOLUÇÕES DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS - CERH
RESOLUÇÃO Nº 002, DE 23 DE JUNHO DE 1997
O Conselho Estadual de Recursos Hídricos-CERH, aprova a criação dos Comitês de Gerenciamento das Bacias Hidrográficas dos rios Tubarão, Araranguá, Itapocu, Cubatão do Norte e Rio do Peixe. 
O Conselho Estadual de Recursos Hídricos-CERH, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no Art. 3º, Inciso X, da Lei n.º 6.739, de 16.12.85,
Delibera,
Art. 1º - Fica aprovado a criação dos Comitês de Gerenciamento das Bacias Hidrográficas dos rios Tubarão, Araranguá, Itapocu, Cubatão do Norte e do Peixe, em conformidade com a Lei Estadual n.º 9.748, de 30 de novembro de 1994.
Art. 2º - Caberá ao Grupo de Trabalho, a ser criado em cada bacia, e em estrita observância aos ditames da referida Lei, dar sequência as providência legais cabíveis para a instituição dos comitês e apresentá-los para aprovação do CERH.
Art. 3º - Esta deliberação entrará em vigor na data de sua publicação.
�
RESOLUÇÃO Nº 003, DE 23 DE JUNHO DE 1997
O Conselho Estadual de Recursos Hídricos-CERH, aprova as Normas Gerais para composição, organização, competência e funcionamento dos Comitês de Bacias Hidrográficas, de acordo com o disposto nos artigos 20 e 25 da Lei n0 9.748, de 30 de novembro de 1994, com a seguinte redação:
 O Conselho Estadual de Recursos Hídricos CERH, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 30, inciso X, da Lei n0 6.739, de 16.12.85.
Delibera:
Art. 10 - Os Comitês de Bacias Hidrográficas são órgãos colegiados, de caráter consultivo e deliberativo de nível regional, com atuação em unidades hidrográficas, em conformidade com o disposto no art. 20, da Lei Estadual no 9.748, de 30 de novembro de 1994.
Art. 20 - Os Comitês de Bacias Hidrográficas, em sua composição assegurarão em conformidade com o disposto nos artigos 21 e 22, da Lei Estadual no 9.748, de 30 de novembro de 1994, as seguintes participações:
I - 40% (quarenta por cento) de votos para representantes dos usuários da água, cujo peso de representação deve refletir, tanto quanto possível, sua importância econômica na região e o seu impacto sobre os corpos de água;
lI - 40% (quarenta por cento) de votos para representantes da população da bacia, através dos poderes executivo e legislativo municipais, de parlamentares da bacia e de organizações e entidades da sociedade civil;
III - 20% (vinte por cento) de votos para representantes dos diversos órgãos da administração federal e estadual atuantes na bacia e que estejam relacionados com os recursos hídricos.
Parágrafo único - Entende-se como usuários da água indivíduos, grupos, entidades públicas e privadas e coletividades que, em nome próprio ou no de terceiros, utilizam os recursos hídricos para:
a) - insumo em processo produtivo ou para consumo final;
b) - receptor de resíduos;
c) - meio de suporte de atividades de produção ou consumo.
Art. 30 - A participação referida no artigo anterior implica no direito a voz e voto, com sistemática a ser definida nos regimentos internos de cada Comitê de Bacia, de acordo com as peculiaridades de cada bacia hidrográfica, cabendo observar as seguintes diretrizes:
I - os representantes dos poderes executivo e legislativo municipais, serão escolhidos pelos respectivos poderes;
lI - os representantes dos diversos órgãos da administração federal e estadual, serão indicados por órgãos ou entidades da administração centralizada e descentralizada, cujas atividades se relacionem com o gerenciamento ou uso dos recursos hídricos com atuação na bacia hidrográfica correspondente;
III - os representantes dos usuários da água e da sociedade civil, serão indicados por entidades sediadas na bacia hidrográfica, considerando o número de votos a que se refere o art. 20 da presente deliberação e levando em consideração a representação de:
a) - universidades, institutos de ensino superior e entidades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico;
b) - usuários das águas agrícolas, industriais e outros, representados por entidades associativas;
c)	- associações especializadas em recursos hídricos, entidades de classe, comunidades indígenas, associações comunitárias e outras associações não governamentais.
IV - todos os integrantes do Comitê de Bacia deverão ter plenos poderes de representação dos órgãos ou entidades de origem;
V - o Comitê de Bacia será presidido por um de seus membros eleito por seus pares, para um mandato de 2 (dois) anos, permitida a recondução;
VI - os regimentos internos de cada Comitê de Bacia