A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Processo do Trabalho I

Pré-visualização | Página 2 de 8

do jus postulandi, já que atualmente a JT abrange conceitos da justiça cível, graças a EC 45/04.
LIMITE SUBJETIVO: Os trabalhadores autônomos e trabalhadores eventuais NÃO PODEM SE UTILIZAR DO JUS POSTULANTI, e devem, OBRIGATORIAMENTE, está acompanhado de advogados.
Há um limite subjetivo que encontra-se em Lei.
Pode se admitir para trabalhadores avulsos, já que se equiparou os direitos.
LIMITE OBJETIVO: Estabelecido pelo TST na Sumula 425 do TST, que se acha legislador: Justiça do trabalho – alcance – limitação. O Jus postulandi das partes estabelecidas no art. 791 da CLT, limita-se às Varas do Trabalho e aos Tribunais Regionais do Trabalho, não alcançando a ação rescisórias, a ação cautelar, o mandado de segurança e os recursos de competência do Tribunal Superior do Trabalho.
Execução de ofício (CLT 878) e instauração ex officio de instância em dissídio coletivo (CLT 856): 
O próprio juiz pode, após a decisão transitada em julgado, e após certificado a existência do direito, tomar 3 atitudes:
1ª) Enviar para um calculista, e abre prazo para as partes se manifestarem sobre os cálculos;
2ª) Não abrir prazo;
3ª) Intimar o autor para apresentar os seus cálculos/intimar o réu para apresentar os seus cálculos. 
Supletividade:
A CLT não tem todas as regras que irão disciplinar o Direito do Trabalho, logo, nesse caso vamos nos socorrer do CPC, e da lei 6830/80 – Lei de Execução Fiscal.
Art. 769 da CLT: Nos casos OMISSOS, o direito processual comum sera fonte subsidiaria do direito processual do trabalho, exceto naquilo (...)
TÉCNICAS DE PROCEDIMENTO
ORALIDADE: Única exigência de postulação por escrito – inquérito judicial para apuração de falta grande cometida por dirigente sindical (CLT 853).
CONCENTRAÇÃO DOS ATOS:
Audiência U.na: Ocorre em uma única audiência a conciliação, a instrução, o julgamento, para dar celeridade ao processo.
Suspensão do Feito:
Irrecorribilidade:
Aula do dia 12/08/2013:
A Justiça do trabalho passou a integrar o poder judiciário a partir da CF 1945. Formada pelo sistema paritário, que deveria ser composto por: um juiz togado, um juiz representante da classe dos empregadores e um juiz representante da classe dos trabalhadores). Por isso chamado de "PARITÁRIO", por ser um sistema igualitário. A justiça do trabalho era vinculada ao poder executivo.
Em 1946 a Justiça do Trabalho passa a ser considerada como integrante do Poder Judiciário.
A CF de 88 em seus artigos 111 a 116 e na CLT artigos 643 a 735 passou-se, então, a regular a Justiça do Trabalho.
A EC 24/99 extinguiu a representação classista: A Justiça do Trabalho deixa de ser colegiada, passando a ser o que se tem pela Justiça do Trabalho de hoje; e as Juntas de Conciliação passaram a ser efetivamente Varas do Trabalho.
A EC 45/2004 a competência da JT se ampliou do ponto de vista subjetivo, dos sujeitos envolvidos na competência da justiça do trabalho, e do ponto de vista objetivo, ou seja, das matérias envolvidas ou oriundas da justiça do trabalho.
O que ampliou a justiça do trabalho foi a complexidade das causas da justiça do trabalho.
ORGÃOS INTEGRANTES APÓS A EC 24/99:
PRIMEIRO GRAU – VARAS DO TRABALHO:
- Juízes do trabalho – 1ª instância – Varas do Trabalho
- Tribunais Regionais do trabalho – 2º grau – TRT’s
- Tribunal Superior do Trabalho – 3ª instância – TST
As Varas do Trabalho compõem-se de um Juiz Titular e um Juiz substituto.
Jurisdição local;
SEGUNDO GRAU – TRT:
Tocantins, Roraima, Acre e Pará: NÃO TEM TRT.
São Paulo tem dois TRT’s: Um em SP capital e outro em Campinas.
Sede do TRT 5 é na capital do Estado da Bahia: Salvador, em Nazaré.
A competência do TRT é pra julgar:
 - Recurso Ordinário, que é como se fosse a Apelação do Direito Civil.
- Agravo de Instrumento;
- Ações Originárias (funcionando como 1ª instância): Dissidio coletivo, Mandado de Segurança, Ação Rescisória e Ação Cautelar. Nesses casos a competência é do TRT que é competente originariamente para julgar essas causas.
O TRT é composto de 7 juízes, que na realidade são Desembargadores, logo teremos 35 Desembargadores, porque são 5 Turmas.
Art. 115, CF: Os Tribunais Regionais do Trabalho compõem-se de, no mínimo, sete juízes, recrutados, quando possível, na respectiva região e nomeados pelo Presidente da Republica com mais de 30 e menos de 65 anos, sendo:
Um quinto dentre advogados com mais de 10 anos de efetiva atividade profissional e membros do Ministério Público do Trabalho com mais de 10 anos de efetivo exercício, observado o disposto no art. 94.
Os demais, mediante promoção de juízes do trabalho por antiguidade e merecimento alternadamente.
ÓRGÃOS DO TRT DA 5ª REGIÃO:
- Tribunal Pleno;
- Órgão especial;
- Seção Especializada em dissídio coletivo – SDC;
- Seção Especializada em Dissídios individuais – SEDI (SEDI – I E SEDI – II);
TERCEIRO GRAU – TST:
- Função: Uniformizar a interpretação da Lei Trabalhista;
- Jurisdição Nacional; 
- Composição 27 Ministros: Art. 111 – A, CF;
- O TST compor-se-á de 27 Ministros, escolhidos dentre brasileiros com mais de 35 e menos de 65 anos, nomeados pelo Presidente da República após aprovação pela maioria absoluta do Senado Federal, sendo:
I- 1/5 dentre advogados com mais de 10 anos de efetiva atividade profissional e membros do Ministério Público do Trabalho com mais de 10 anos de efetivo exercício, observado o disposto no art. 94;
II – Os demais dentre juízes dos Tribunais Regionais do Trabalho, oriundos da magistratura da carreira, indicados pelo próprio Tribunal Superior;
Órgãos do TST:
- Tribunal Pleno – TP;
- Seção Administrativa – SC;
- Seção Especializada em dissídios coletivos – SDC;
- Seção Especializada em dissídios individuais – SDI;
- Turmas;
 OBSERVAÇÃO: O STJ não tem competência nenhuma para julgar causa NENHUMA da Justiça do Trabalho.
Entretanto, o STF se compõem sim como um órgão competente da Justiça do Trabalho em uma matéria de competência trabalhista.
MINISTÉRIO PUBLICO DO TRABALHO:
Não faz parte do poder judiciário, nem legislativo e nem executivo.
Atua na justiça do trabalho, tem competência especifica, e consegue tratar de questões especificas na seara trabalhista.
O MPT é uma instituição permanente, autônoma, independente e essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe precipuamente a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais homogêneos.
Art. 128 da CF:
O Ministério Publico da União:
Ministério Publico Federal
Ministério Publico do Trabalho
Ministério Publico Militar
Ministério Publico do DF e Territórios
Os Ministérios Públicos dos Estados:
Junto ao MP temos o Conselho Nacional do MP (art. 130 – A, CF) – forma de controle externo, composto de 14 membros nomeados pelo Presidente da República, depois da aprovação do Senado.
O MPT é ramo do Ministério Publico da União.
Art. 85, LC 75/93. São órgãos do MP do Trabalho:
I – o Procurador – Geral do Trabalho;
II – o Colegiado de Procuradores do Trabalho;
III – o Conselho Superior do Ministério Público do Trabalho;
IV – a Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público do Trabalho;
V – a Corregedoria do Ministério Público do Trabalho;
VI – os Subprocuradores – Gerais do Trabalho;
VII – os Procuradores Regionais do Trabalho;
VIII – os Procuradores do Trabalho;
O Ministério Público do Trabalho pode atuar como parte ou custus legis.
Aula do dia 19/08/13: Fórum de Teses: Não teve aula!
Aula do dia 26/08/13:
ATOS, TERMOS E PRAZOS PROCESSUAIS
Disciplina legal: Atos, termos e prazos processuais: arts. 170 a 172 CLT e aplicação supletiva do CPC em alguns dispositivos.
Atos processuais, como por exemplo, audiencia, intimação, notificação e etc, pode ocorrer na forma oral, ja que vimos que no processo do trabalho vigora a Oralidade (defesa, razões finais podem ser orais, a propria inicial pode ser oral), ou na forma escrita.
Ou seja, quanto a forma os ATOS PROCESSUAIS podem ser tanto na forma oral e na forma escrita.
Entretanto, temos algumas