A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
Ligações Químicas I

Pré-visualização | Página 1 de 2

LIGAÇÕES QUÍMICAS 
Profª. Cláudia Cunha
ELÉTRONS DE VALÊNCIA 
Profª. Cláudia Cunha
Os elétrons de um átomo podem ser divididos em dois 
grupos:
1) Elétrons da camada mais interna;
2) Elétrons de valência – são aqueles da camada mais 
externa de um átomo; eles determinam as 
propriedades químicas do átomo, porque as reações 
químicas resultam da perda, ganho ou rearranjo desses 
elétrons.
ELÉTRONS DE VALÊNCIA 
Profª. Cláudia Cunha
Elemento Grupo 
Periódico 
Elétrons 
Internos 
Elétrons de 
Valência 
Configuração 
Total 
Na (Z=11) 1 1s2 2s2 2p6 = [Ne] 3s1 [Ne] 3s1 
Si (Z=14) 14 1s2 2s2 2p6 = [Ne] 3s2 3p2 [Ne] 3s2 3p2 
As (Z=33) 15 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 
3d10 = [Ar] 3d10 
4s2 4p3 [Ar] 3d10 4s2 
4p3 
 
SIMBOLOS DE LEWIS 
G. N. Lewis (1875-1946) representou os elétrons na 
camada de valência de um átomo por pontos, 
colocados um de cada vez em torno do símbolo.
Profª. Cláudia Cunha
SIMBOLOS DE LEWIS 
O arranjo dos elétrons de valência 
em torno de um átomo em quatro 
grupos sugere que a camada de 
valência de um elemento principal 
do grupo pode acomodar um 
máximo de quatro pares de 
elétrons.
Profª. Cláudia Cunha
Como esse arranjo representa um total de oito elétrons, 
o chamamos de octeto de elétrons.
FORMAÇÃO DE LIGAÇÕES QUÍMICAS 
Quando uma reação química ocorre entre dois átomos, 
seus elétrons de valência reorganizam-se de modo que 
uma força atrativa – ligação química – ocorra entre 
átomos.
Há dois tipos gerais de ligação:
- Iônica
- Covalente
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO IÔNICA 
É formada quando um ou mais elétrons são 
transferidos de um átomo para outro, criando íons 
positivos e negativos.
Ou seja, quando uma ligação iônica se forma, um 
átomo perde elétrons e outro os recebe até que ambos 
atinjam a configuração de um gás nobre.
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO IÔNICA 
Quando o sódio e o cloro reagem, um elétron é
transferido de um átomo de sódio para um átomo de 
cloro para formar Na+ e Cl–.
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO IÔNICA 
Exemplo: Descreva a configuração dos elétrons de 
valência e a formação de compostos iônicos para 
NaCl.
O Na muda de 1s2 2s2 2p6 3s1 para Na+ com a 
configuração 1s2 2s2 2p6, equivalente a configuração do 
[Ne].
O Cl muda de [Ne] 3s2 3p5 para Cl–, com a 
configuração [Ne] 3s2 3p5, equivalente a configuração 
do [Ar]. 
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO DE COMPOSTOS IÔNICOS
Se a energia de ionização experimental do sódio é 494 
kJ.mol-1, logo para a reação abaixo teremos:
Na(g) Na+(g) + e-(g) E= + 494 kJ.mol-1
A afinidade eletrônica dos átomos do cloro é 349 
kJ.mol-1, logo:
Cl(g) + e-(g) Cl-(g) E= - 349 kJ.mol-1
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO DE COMPOSTOS IÔNICOS
Quanto maiores forem as cargas dos íons, maior será a 
atração, de modo que a energia, para a formação do 
par de íons, tem um valor negativo maior.
A atração entre os íons Ca2+ e O2-, por exemplo, será
quatro vezes maior [(2+)x(2-)] do que a atração entre os 
íons Na+ e os íons Cl-, e a energia será mais negativa 
por um fator de aproximadamente 4.
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO DE COMPOSTOS IÔNICOS
À medida que a distância entre os íons aumenta, a 
força de atração entre os íons declina e a energia fica 
menos negativa.
Os elementos metálicos podem perder seus elétrons de 
valência para formar cátions.
Os elementos não-metálicos acomodam os elétrons em 
suas camadas de valência e tornam-se ânions.
Profª. Cláudia Cunha
ENERGIA RETICULAR
A energia reticular é uma medida da força da ligação 
iônica em compostos sólidos.
Ou seja, é a energia de formação de 1 mol de um 
composto iônico cristalino sólido quando íons na fase 
gasosa combinam-se.
Na+(g) + Cl-(g) NaCl(s) Eretículo= - 786 kJ.mol-1
Profª. Cláudia Cunha
CALCULANDO A ENERGIA RETICULAR
Na+(g) + Cl-(g) NaCl(s)
Etapa 1a: Entalpia de formação de Cl(g) = +121,68 kJ/mol
Etapa 1b: H para Cl(g) + e- Cl-(g) = -349 kJ/mol
Etapa 2a: Entalpia de formação de Na(g) = +107,3 kJ/mol
Etapa 2b: H para Na(g)  Na+(g) + e- = +496 kJ/mol
Sabendo que o calor padrão de formação de NaCl(s) é
igual a -411,12 kJ/mol, a entalpia retícular é:
Hretículo = -787 kJ/mol 
Profª. Cláudia Cunha
CICLOS DE BORN-HABER
Profª. Cláudia Cunha
Os níveis de energia foram nomeados em homenagem 
a Max Born (1882-1970) e Fritz Haber (1868-1934). 
CICLOS DE BORN-HABER
Profª. Cláudia Cunha
Composto Hretículo (kJ/mol) 
LiF -1.037 
LiCl -852 
LiBr -815 
LiI -761 
NaF -926 
NaCl -786 
NaBr -752 
NaI -702 
KF -821 
KCl -717 
KBr -689 
KI -649 
 
LIGAÇÃO DE COMPOSTOS
Observa-se que:
- Moléculas e íons constituídos apenas de átomos de 
não metais, os átomos estão unidos por ligação 
covalente.
- Já a presença de um metal em sua fórmula é sinal de 
que o composto é provavelmente iônico.
Profª. Cláudia Cunha
CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA DOS 
ÍONS
Quando um átomo de 
um metal do bloco s 
forma um cátion, ele 
perde um ou mais 
elétrons até atingir a 
estrutura do gás nobre 
de seu caroço.
Profª. Cláudia Cunha
CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA DOS 
ÍONS
Na = [Ne] 3s1 Na+ = [He] 2s2 2p6
Os íons Na+ não podem perder mais elétrons em 
uma reação química, porque as energias de 
ionização dos elétrons do caroço são altas demais.
Li = [He] 2s1 Li+ = 1s2
Be = [He] 2s2 Be2+ = 1s2
Al = [Ne] 3s2 3p1 Na3+ = [He] 2s2 2p6
Profª. Cláudia Cunha
CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA DOS 
ÍONS
Os átomos dos metais perdem seus elétrons s e p e 
expõem um caroço de gás nobre rodeado por uma 
subcamada completa adicional de elétrons d.
Ga = [Ar] 4s2 3d10 4p1 Ga3+ = [Ar] 3d10
Os elétrons d estão firmemente unidos ao núcleo e, na 
maioria dos casos, não podem ser perdidos.
Os elétrons s são perdidos em primeiro lugar, 
seguindo-se um número variável de elétrons.
Profª. Cláudia Cunha
CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA DOS 
ÍONS
Os não-metais raramente perdem elétrons em 
reações químicas porque suas energias de 
ionização são muito altas.
Profª. Cláudia Cunha
Entretanto eles podem 
adquirir elétrons 
suficientes para 
completar sua camada 
de valência e formar o 
octeto correspondente 
ao gás nobre posterior.
CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA DOS 
ÍONS
Profª. Cláudia Cunha
A transferência de elétrons resulta na formação 
de um octeto de elétrons na camada de valência 
de cada átomo: os metais adquirem um octeto 
pela perda de elétrons, e os não metais pelo 
ganho de elétrons.
LIGAÇÃO COVALENTE 
Envolve o compartilhamento de elétrons de 
valência entre átomos.
Quando uma ligação covalente se forma, os átomos 
compartilham elétrons até atingir a configuração de um 
gás nobre (regra do octeto).
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO COVALENTE 
Exemplos:
Nitrogênio – possui 5 elétrons de valência e utiliza 
mais 3 para completar seu octeto.
Cloro – possui 7 elétrons de valência e utiliza mais 1 
para completar seu octeto. 
Argônio – possui 8 elétrons de valência, ou seja possui 
seu octeto completo, e por isso, não compartilha 
elétrons.
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÃO COVALENTE 
Os elementos não metálicos compartilham elétrons 
para formar ligações covalentes entre si.
Onde, o par de elétrons compartilhados é representado 
por linhas e os pares isolados, também chamados de 
elétrons não ligantes, por pares de pontos.
Profª. Cláudia Cunha
LIGAÇÕES COVALENTES
Profª. Cláudia Cunha
REGRA DO OCTETO
Exemplo: Determine o arranjo de átomos do 
formaldeído (CH2O).
1º) O átomo central geralmente é aquele com afinidade 
eletrônica menos negativa.
Carbono
2º) Determine o número total de valência na molécula, 
somando os elétrons de valência de cada átomo.
12 elétrons ou 6 pares de elétrons
Profª.