01 - Introdução a Pavimentação
35 pág.

01 - Introdução a Pavimentação

Pré-visualização2 páginas
Introdução à Pavimentação 
Pavimento 
\uf06c Estrutura composta por um sistema de camadas de 
espessuras finitas 
\uf06c Destinado a distribuir os esforços verticais recebidos do 
tráfego ao terreno de fundação (subleito) 
\uf06c Deve resistir aos esforços horizontais que atuam na sua 
superfície 
 
Pavimento 
\uf06c Suas qualidades não deverão ser alteradas sob qualquer 
condição climática 
\uf06c Deve oferecer aos usuários melhoria nas condições de 
rolamento com conforto e segurança 
\uf06c A concepção da sua estrutura deverá ser contemplar a 
máxima qualidade e o menor custo 
 
Elementos que constituem o pavimento 
\uf06c Subleito: É o terreno de fundação do pavimento (solo natural ou 
aterro). 
\uf06c Regularização de subleito: Camada posta sobre o subleito 
destinada a uma conformação transversal e longitudinal (não é uma 
camada do pavimento) 
\uf06c Reforço do subleito: Camada de espessura constante, posta por 
razões técnicas e econômicas e colocada acima da regularização do 
subleito. Possui características geotécnicas inferiores ao material que 
será usada na camada superior, porém melhores que as do subleito. 
\uf06c Sub-base: camada complementar à base, usada quando por questões 
técnicas e econômicas, não seja aconselhável construir a base 
diretamente sobre a camada de regularização ou reforço do subleito. 
\uf06c Base: camada destinada a resistir e distribuir os esforços verticais 
oriundos do tráfego e sobre a qual se constrói o revestimento 
\uf06c Revestimento: é a camada, tanto o quanto possível impermeável, 
que recebe diretamente a ação do rolamento dos veículos, devendo 
proporcionar o rolamento com segurança, conforto e resistir ao 
desgaste. 
 
 
Elementos que constituem o pavimento 
Elementos que constituem o pavimento 
Classificação dos Pavimentos 
\uf06c As operações de manutenção e restauração dos pavimentos são 
definidas pelo tipo de revestimento utilizado. 
\uf06c Assim os pavimentos podem ser divididos em dois grupos: 
 
\u2013 Pavimentos Rígidos 
 
\u2013 Pavimentos Flexíveis 
Pavimentos Semi-rígidos 
 
\uf06c Um outro grupo de pavimento também conhecido como semi-rígido, 
semi flexível ou composto é constituído por diversas camadas, pelo 
menos duas delas com propriedades elásticas muito diferentes, ou seja, 
materiais rígidos e flexíveis são postos em contato e solicitados 
simultaneamente, resultando num elevado grau de complexidade no que 
se refere ao cálculo de tensões e deformações. 
 
\uf06c Ex. Uma base de solo cimento revestida por uma camada asfáltica. 
Classificação dos Pavimentos 
\uf06c Diferenças Básicas 
 
\uf06c Materiais 
\uf06c Métodos construtivos 
\uf06c Camadas (quantidade e espessuras) 
\uf06c Distribuição de carga no subleito 
Distribuição da Tensões 
 Pavimento Rígido (Placa) Pavimento Flexível 
\uf06c Grande área de distribuição de 
carga 
\uf06c Pequena pressão na fundação do 
pavimento 
\uf06c Pequena área de distribuição de 
carga 
\uf06c Grande pressão na fundação do 
pavimento 
Pavimentos Rígidos (Placa) 
\uf06c São constituídos por 
uma placa de concreto 
que absorve toda a 
solicitação, 
transmitindo-a ao 
subleito de forma 
suficientemente 
amortecida (devido a 
um espalhamento das 
tensões verticais) 
Pavimentos Flexíveis 
\uf06c São os revestidos com materiais 
betuminosos ou asfálticos. 
\uf06c Chamados de flexíveis porque a sua 
estrutura \u201cflete\u201d quando submetida às 
cargas do tráfego. 
\uf06c Estrutura geralmente composta de 
diversas camadas de materiais para 
absorver as tensões verticais de 
compressão até aos níveis em que o 
terreno de fundação possa suportar 
sem que haja deformações excessivas 
na estrutura do pavimento. 
Camadas dos pavimentos 
Funções Estruturais 
 Os pavimentos possuem três componentes primários em sua 
estrutura: 
\uf06c Revestimento 
\uf06c Estrutura do pavimento 
\uf06c Fundação (Subleito) 
Função estrutural \u2013 pavimentos flexíveis 
As camadas de base, sub-base e 
reforço do subleito são de grande 
importância estrutural. 
 
Limitar as tensões e deformações na 
estrutura do pavimento, por meio da 
combinação de materiais e 
espessuras das camadas 
constituintes, é o objetivo da 
Mecânica dos Pavimentos. 
Função estrutural \u2013 pavimentos rígidos 
\uf06c A placa de concreto funciona como revestimento e 
base e também é a camada superior destinada a resistir 
diretamente às ações do tráfego e transmiti-las de forma 
atenuada às camadas inferiores, impermeabilizar o 
pavimento, além de melhorar as condições de rolamento 
(conforto e segurança). 
 
Camadas do pavimento flexível 
REVESTIMENTO 
Camada Asfáltica 
Ex. Brita graduada 
Ex. Rachão, Macadame 
Camadas do pavimento rígido 
SUB-BASE 
Ex. CCR 
Ex. BG 
SOLO 
BASE e REVESTIMENTO 
CCR \u2013 Concreto Compactado com Rolo (magro) 
BG \u2013 Brita Graduada 
Placa de concreto 
Dimensionamento do pavimento 
 Condições para que o pavimento possua um desempenho 
satisfatório ao longo de sua vida útil: 
\uf06c Boa concepção de projeto com um dimensionamento estrutural 
adequado e aplicação de misturas corretamente formuladas 
\uf06c Execução caprichada com controle de qualidade permanente 
\uf06c Implantação de um sistema de drenagem eficaz 
Dimensionamento do pavimento 
\uf06c Consiste na determinação de camadas (reforço de subleito, 
sub-base, base e revestimento) de forma que as mesmas 
sejam suficientes para resistir, transmitir e distribuir as 
pressões resultantes da passagem dos veículos do subleito, 
sem que o conjunto sofra ruptura, deformações apreciáveis 
ou desgaste superficial excessivo. 
Dimensionamento do pavimento 
\uf06c Número de solicitações 
\uf06c Cargas aplicadas 
\u2013 Estáticas 
\u2013 Repetidas 
\uf06c Deformações 
\u2013 Permanentes 
\u2013 Elásticas 
\uf06c Fadiga dos materiais 
Deformação no pavimento 
Estudo do Subleito 
\uf06c Para uma boa concepção de projeto o subleito deve ser estudado até a 
profundidade onde atuam, de forma significativa, as cargas impostas pelo 
tráfego. 
\uf06c Em termos práticos esta profundidade situa-se em uma faixa de 0,50m até 
1,5m de profundidade. 
\uf06c Entre diversos estudos a serem feitos salienta-se a caracterização do 
material, seu Índice de Suporte (CBR ou ISC), sua expansão, índices 
físicos (LL e LP) e grau de umidade local. 
Estudo do Subleito 
\uf06c O estudo do subleito é feito em duas fases: 
 
\u2013 Execução de sondagens de campo no eixo e nas bordas da 
plataforma da rodovia para identificação das camadas 
(horizontes) e coleta de amostras. Estas sondagens podem ser 
a pá, picareta, trado manual ou mecânico, rotativa, SPT, etc. 
 
\u2013 Realização de ensaios tecnológicos com as amostras coletadas 
para obtenção de suas características e capacidade de suporte. 
 
Degradação do pavimento 
\uf06c No entanto, o pavimento vai se degradando de forma contínua com o 
passar do tempo, por meio de mecanismos complexos e ainda não 
inteiramente equacionados. 
 
\uf06c Desde a abertura do pavimento ao tráfego vão se acumulando 
deformações plásticas de forma gradativa e sendo formadas trincas 
nas camadas asfálticas e cimentadas, decorrentes de uma combinação 
entre a ação das cargas de tráfego e os efeitos do intemperismo. 
Degradação do pavimento 
\uf06c Ao final da sua vida útil, o pavimento perde sua capacidade de 
servir ao tráfego de maneira satisfatória devido ao constante 
aparecimento de defeitos na superfície. 
 
\uf06c Nesta fase devem ser executadas manutenções periódicas, pois 
ao entrar na fase de fadiga a degradação do pavimento é 
acelerada, podendo ocorrer colapso na estrutura. 
Manutenção dos pavimentos (recomendação)