Fichamento   Brasil Foods
3 pág.

Fichamento Brasil Foods


DisciplinaPrincipios de Financas140 materiais672 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 
MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 
 
 
 
 
Fichamento de Estudo de Caso 
 
 
 
Vinicius Lopes da Silva 
 
 
 
Trabalho da disciplina Princípios de Finanças, 
 Tutor: Prof. James D. de Souza 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Rio de Janeiro 
2016 
 
Princípios de Finanças 
Brasil Foods 
 
 
BELL E. David; KINDRED Natalie. Brasil Foods. Harvard Business School, 
2012. 
 
 
O estudo faz referencia à fusão entre as empresas Sadia e Perdigão 
aprovada em 2011, formando a empresa BRF - Brasil Foods. A nova empresa 
tinha a meta de duplicar as vendas em cinco anos, por meio de expansão 
domestica e internacional. Nessa época a economia brasileira crescera muito e 
com isso as condições de expansão eram favoráveis. 
 
Num histórico rápido, a Perdigão nascera em 1934, fundada por 
imigrantes italianos no estado de Santa Catarina. Na década de 1990, por 
conta de uma crise financeira, sua participação controladora foi vendida para 
um grupo de fundo de pensão. A Sadia nasceu na década de 1940 no mesmo 
estado a anterior. 
 
Apesar da grande rivalidade entre as duas organizações, em 2001 as 
duas empresas se uniram para formar uma joint venture para exportar seus 
produtos para África, Caribe e Rússia. Essa parceria terminou em 2002. Em 
2006 a Sadia tentou uma aquisição da Perdigão, mas não obteve sucesso. 
Em 2008, por conta da crise naquele ano, a Sadia teve grande prejuízo, 
o que fez com que a empresa procurasse um comprador. Em 2009 foi 
anunciada a fusão entre as duas empresas. 
Entretanto a nova empresa enfrentou um grande obstáculo, quando o 
CADE opôs-se à fusão, temendo o sufocamento da competição e a formação 
de uma inflação de produtos alimentares. 
A resistência do CADE durou dois anos quando em 2011 o órgão 
finalmente aprovou a união com algumas exigências. 
 
A nova empresa, BRF, criou o segundo maior empregador do Brasil e o 
seu terceiro maior exportador. 
A produção da organização integra milhares de produtores que são 
obrigados a firmar contratos de exclusividade com a empresa. Sua cadeia de 
suprimentos abrange uma frota gigantesca de caminhões, com mais de 70 
centros de distribuição. 
Raramente usava distribuidores atacadistas, vendendo diretamente para 
os varejistas ou seus centros de distribuição. 
Os preços dos seus produtos variam entre intermediários e segmentos 
premium voltados para crianças, adolescentes e adultos, vendidos em 
praticamente todos os estabelecimentos de varejo de alimentos, ocupando 
grande parte das gôndolas. A BRF comercializava outras marcas, como Batavo 
e sobremesas Miss Daisy. 
Antes da decisão da CADE, a Sadia e Perdigão já combinavam as 
operações exportadoras com grande satisfação, operando em mais de 140 
países com 24 escritórios comerciais fora do Brasil. 
A Visão da BRF era dobrar suas receitas entre 2011 e 2015, chegando à 
marca de R$ 50 bilhões. O CEO, José Antônio do Prado Fay, imaginava que 
tais receitas viessem das vendas internas e exportações e aquisições no 
exterior. Nas vendas internas, o foco era no varejo, no reforço à fidelidade da 
marca e preservação de seu Market share e nas vendas para o mercado de 
foodservice, como MC Donald\u2019s e Burger King. No mercado Internacional, a 
BRF pretendia lançar bases de uma presença de multinacional, contando com 
operações na África, Ásia, Oriente Médio e América Latina. 
 
A oportunidade interna veio com as tendências e hábitos dos 
consumidores criando mercado para alimentos refrigerados e processados. A 
medida que as pessoas se mudavam para as cidades, entravam para força de 
trabalho e aumentavam as suas rendas. A conveniência e o poder aquisitivo 
foram pretextos para decisões de compra de alimentos. 
Com restrições impostas pelo CADE, a BRF procurava por 
oportunidades internacionais para venda de produtos à base de proteína e 
processados para aumentar sua receita, especialmente em países com sua 
classe média em expansão. 
 
A intensão da BRF era ser como a Nestlé, Danone, Hyundai e LG, por 
causa das capacidades que essas empresas demonstram de serem globais. 
 
 
 
 
 
 
Local: Biblioteca Virtual da Universidade Estácio.