Caderno Didático de Farmacologia Geral
121 pág.

Caderno Didático de Farmacologia Geral


DisciplinaFarmacologia I25.070 materiais542.912 seguidores
Pré-visualização39 páginas
(tais como, corneal, podal). Os jaguares devem manter 
os reflexos de deglutição e tosse. Não deve haver tremores musculares e atividades do 
tipo convulsivas. 
 119
Farmacologia Geral Veterinária 
Tanto a freqüência respiratória quanto os batimentos cardíacos devem ser 
monitorados a cada cinco minutos e a temperatura verificada a cada dez minutos. Os 
parâmetros fisiológicos são: freqüência respiratória 8 - 24 movimentos respiratórios p/min 
batimentos cardíacos 70 - 140 batimentos p/min e temperatura 37 \u2013 39,5ºC (98,6 \u2013 
103,1ºF) 
O dardo deve ser retirado e guardado em local seguro. O local atingido pelo dardo 
no animal não deve ser tocado para evitar contato com resíduos da droga ou sangue. As 
pessoas que estarão em contato com o animal imobilizado devem sempre usar luvas de 
látex durante o procedimento de imobilização para evitar a transmissão de doenças 
infecciosas entre o animal e elas próprias, assim como minimizar o contato com resíduos 
da droga no local da injeção. O animal deve ser colocado numa posição que permita que 
ele respire facilmente, de preferência, o jaguar deve ser colocado em decúbito lateral. 
Existe a ocorrência de problemas comuns em emergências anestésicas como 
depressão e parada respiratória, parada cardíaca, choque e convulsões, que podem ser 
resolvidos facilmente com algumas técnicas. 
Seguindo-se esses protocolos para captura e imobilização de onças pintadas, 
estar-se-á assegurando uma relação mais segura entre pesquisadores e esses animais. 
Também haverá base cientifica para a resolução de possíveis problemas advindos da 
contenção química e suas resoluções. 
 
 
24. ANESTÉSICOS INALATÓRIOS EM AVES 
 
Nos últimos anos, não só pelo aumento do interesse na conservação da vida 
selvagem, mas também pelo crescente hábito de manter aves como animais de 
companhia, cresceu a demanda de anestesia para contenção de aves. Assim, o médico 
veterinário enfrenta a necessidade de utilizar meios anestésicos principalmente em 
espécies aviárias para manejar uma avaliação para tratamento ou outras necessidades, 
pois a ave é pouco domesticada e possui instintos diferenciados. Neste relato enfoca-se 
também a difícil tarefa da pesquisa dessas espécies, pois a diferença fisiológica entre as 
aves é acentuada. Os anestésicos inalatórios são os mais usados para anestesia em aves 
por possuírem alto índice de segurança, permitem indução e recuperação rápida da 
anestesia sendo pouco metabolizados e facilitam alterações no plano de anestesia. Em 
relação a sua ação, produz menos alteração na freqüência cardíaca, pressão sanguínea e 
débito cardíaco quando comparado com os demais. Assim nesse trabalho observou-se o 
efeito anestésico administrando sevofluoreno para anestesia para a espécie aestiva. A 
anestesia foi induzida com auxilio de uma mascara neonatal com o sevofluorano 
vaporizado em 100% de oxigênio. A concentração foi determinada com as provas de 
reação a dor observada no ato. A dose determinada foi de 6V%, e marcando-se os 
tempos necessários para que as manifestações anestésicas bem como suas 
características de reação. Em estudos feitos por autores citados no trabalho determinou-
se que em aves a necessidade de se conhecer todas as doses para cada espécie se 
torna pouco necessária, devido a facilidade de controle do estado de anestesia da ave. 
Alem do mais, seria difícil pelas diferenças fisiológicas entre as inúmeras espécies 
encontradas. 
 
Artigo científico disponível em: 
http: // www.scielo.br/scielo.php 
Ciência Rural \u2013 SEVOFLURANE IN PSITACINES (Amazonas aestiva). DETERMINATION OF 
MINIMAL ANESTHETIC CONCENTRARION TO PRODUCE GENERAL ANESTHESIA. 
 
 120
Farmacologia Geral Veterinária 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
ADAMS, H. RICHARD. Farmacologia e Terapêutica em Veterinária. 8ª ed., Guanabara 
Koogan , Rio de Janeiro, 2003. 
 
AHRENS, F.A. Farmacologia Veterinária. Artes Médicas, Porto Alegre, 1997, 360p. 
 
BOOTH, G.C. & MC DONALD, L.E. Farmacologia e Terapêutica em Veterinária. 6ª ed., 
Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1992, 997p. 
 
BRANDER, G.C.; ÙGH, D.M.; BYWATER, R.J. JENKIS, W.L. Veterinary Applied 
Pharmacologt & Therapeutics. 5ª ed., Bailliere Tindall, Londres ,1994. 
 
FRASER, C.M. The Merck Veterinary Manual. 7th edition, Merck & CO., Inc. Rahway, 
N.J., U.S.A., 1991. 
 
LANGELOH, A.; BISPO, D.L.N.; MAGALHÃES, H.M. et al. Farmacologia Veterinária \u2013 
Temas Escolhidos. Guaíba : Agropecuária, 1998, 214p. 
 
LANGELOH, A.; MIOLO, J.R. ; MELLO, J.R.B de, et al. Farmacologia Veterinária \u2013 
Temas Escolhidos III. Guaíba : Agropecuária, 2002, 200p. 
 
MAGALHÃES, H.M.; CORRÊA, G.L.B.; MIOLO, J.R. et al. Farmacologia Veterinária \u2013 
Temas Escolhidos II. Guaíba : Agropecuária, 1999, 134p. 
 
PAGE, C.; CURTIS, M.; SUTTER, M.; WALKER, M.; HOFFMAN, B. Farmacologia 
Integrada. 2ª ed., Manole, Barueri-SP, 2004. 
 
RANG, H.P.; DALE, M.M.; RITTER, J.M.; MOORE, P.K. Farmacologia. 6ª ed., Elsevier, 
Rio de Janeiro, 2007. 
 
SPINOSA, H.S.; GORNIAK, S.L.; BERNARDI, M.M. Farmacologia Aplicada à Medicina 
Veterinária. 4ª ed., Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2006. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 121
	Universidade Federal de Santa Maria
	2.4- Classificação das formas farmacêuticas
	Sólidas: comprimidos, drágeas, cápsulas, supositórios e óvulos
	Líquidas: soluções, xaropes, elixires, suspensões, emulsões, injetáveis, colírios, tinturas, extratos
	Líquidas: soluções, xaropes, elixires, suspensões, emulsões, injetáveis, colírios, tinturas, extratos
	Aerossóis
	Receptores
	Agonistas
	Antagonistas
	Canais iônicos
	 Bloqueadores
	Enzimas
	 Inibidor
	Moléculas transportadoras
	 Inibidores
	 Antidepressivo tricíclico
	Gs \u2013 estimulante da enzima adenilil ciclase e ativa os canais de Ca2+
	 Para que um fármaco seja de algum modo útil como instrumento terapêutico ou científico, ele deve atuar seletivamente sobre determinadas células ou tecidos. Deve exibir elevado grau de especificidade relativa ao sítio de ligação. Por outro lado, as proteínas que funcionam como alvos para fármacos geralmente demonstram alto grau de especificidade de ligante; reconhecem apenas ligantes de um tipo preciso e ignoram moléculas estreitamente relacionadas.
	Diferentes mecanismos podem dar origem a estes fenômenos e eles são poucos entendidos. Eles incluem:
	7.5.2 - Perda de Receptores: Em alguns casos, a exposição prolongada de agonistas resulta na redução gradual no número de receptores. Isto ocorre com os (-adrenoceptores. Em estudos de cultura de células, o número de (-adrenoceptores caiu para cerca de 10% do normal em 8h na presença de baixa concentração de isoproterenol. A recuperação aos níveis normais levou vários dias. Mudanças similares foram descritas para vários tipos de receptores, incluindo para vários peptídeos. Acredita-se que o desaparecimento dos receptores para dentro da membrana celular é feito por endocitose de partes da membrana, um processo que também depende da fosforilação do receptor. Este tipo de mecanismo regulatório parece ser comum para receptores hormonais e tem relevância quando drogas são administradas por longos períodos.
	Ioimbina
	Propanolol
	Atenolol
	 Transmissão Neuromuscular ( Classificação dos bloqueadores neuromusculares:
	Sedar a dor é coisa divina