Caderno Didático de Farmacologia Geral
121 pág.

Caderno Didático de Farmacologia Geral


DisciplinaFarmacologia I25.070 materiais542.912 seguidores
Pré-visualização39 páginas
Indústrias Farmacêuticas, iniciando 
a produção de medicamentos e a diversificação das formas farmacêuticas, seguindo o 
princípio de primo non nocere (primeiro não causar mal), ou seja, \u201ccom o critério de 
assegurar ao medicamento o máximo de ação com o mínimo de inconvenientes\u201d. 
 
2.2 - Fórmulas ou Formulação 
 Uma fórmula ou também chamada formulação constitui-se de: 
- Substância principal da fórmula Æ princípio ativo ou base medicamentosa; 
- Substância que reforça a ação do princípio ativo Æ adjuvante; 
- Substância para corrigir o sabor e odor Æ corretivo ou edulcorante; 
- Substância que evita incompatibilidades farmacêuticas Æ intermediário; 
- Meio no qual se dissolve o princípio ativo Æ veículo para líquidos ou excipiente 
para sólidos. 
 
 BULA: é o formulário técnico apresentado pelo fabricante do medicamento junto 
com a apresentação comercial do fármaco e que deve conter informações importantes, 
tanto ao leigo como ao profissional que fará uso do medicamento. Os principais itens são 
o nome farmacológico ou genérico que identifica o produto farmacêutico, a composição 
(apresentação e quantidade), farmacologia (informações técnicas referentes a 
farmacocinética e farmacodinâmica), indicações ou usos clínicos, contra-indicações, 
precauções ou advertências, reações adversas (RAD) ou efeitos colaterais ou 
paraefeitos (efeitos paralelos indesejados), posologia (dose, via, freqüência ou intervalo 
de administração, duração do tratamento), interações medicamentosas e 
superdosagem (toxicologia). 
 
2.3 - Formas Farmacêuticas 
 É o estado sólido, líquido ou gasoso que se apresenta o fármaco ou o formato que 
fica após a manipulação, ou seja, esférico (pílula); oval (óvulo); cônico (supositório); 
cilíndrico (cápsula). 
 
 
 
 
As principais formas farmacêuticas são classificadas levando-se em consideração 
o uso, interno ou externo, bem como a via de administração de escolha do 
fármaco. 
 2.3.1 - Para uso interno: 
 13
Farmacologia Geral Veterinária 
Via Oral ou Digestiva 
 - Forma sólida: pós e aglomerados na forma de pílulas, pastilhas, comprimidos, 
cápsulas, drágeas, granulados, pérola, pasta e gel. 
 - Forma líquida: composta por soluções simples e compostas, xaropes, elixires, 
gargarismo, colutório, sopa e barbotage, bebida e beberagem, poção, além de dispersões 
constituídas por emulsões e suspensões. Enema é uma solução aplicada por via retal. 
2.3.2 - Para uso externo: 
 Via Cutânea (Tópica): as pomadas, cremes, ungüentos, pastas, cataplasmas e 
loções são alguns exemplos. Para uso oftalmológico utilizam-se cremes, colírios e 
soluções. 
Via Vaginal: usam-se óvulos, comprimidos, geléias e velas. 
 Via Parenteral: utilizam-se líquidos, solução aquosa ou oleosa, suspensão em 
grandes volumes (para nutrição parenteral prolongada). Para pequenos volumes 
(ampolas e injeções) administra-se pela via intramuscular (IM), intravenosa (IV), intra-
raquidiana e intradérmica (pellets), subcutânea (SC) e intraperitoneal (IP). 
 Via Intramamária: utilizam-se líquidos, pomadas ou cremes e aerossóis, 
introduzidos pelo canal do teto na glândula mamária. Geralmente o princípio ativo está 
contido nestas formas farmacêuticas, em seringas plásticas com bico de 2-3 mm de 
comprimento, para introdução no canal do teto. 
 
2.4- Classificação das formas farmacêuticas 
Sólidas: comprimidos, drágeas, cápsulas, supositórios e óvulos 
Líquidas: soluções, xaropes, elixires, suspensões, emulsões, injetáveis, colírios, 
tinturas, extratos 
Líquidas: soluções, xaropes, elixires, suspensões, emulsões, injetáveis, colírios, 
tinturas, extratos 
Aerossóis 
 
COMPRIMIDOS 
São preparações farmacêuticas sólidas, de formato variado, geralmente cilíndricas 
ou lenticulares, obtidas pela compressão de substâncias medicamentosas secas, 
acondicionadas ou não em excipientes inertes. 
Tipos especiais: comprimidos de uso externo, comprimidos sublinguais, comprimidos 
bucais, comprimidos efervescentes, comprimidos mastigáveis, comprimidos revestidos, 
pellets ou implantes. 
 
 DRÁGEAS 
 São formas farmacêuticas cujo princípio ativo fica envolvido por um revestimento 
de açúcar e corante. 
 
 CÁPSULAS 
 São formas farmacêuticas constituídas de um invólucro de gelatina dura ou mole, 
contendo um ou mais fármacos. 
 
 SUPOSITÓRIOS 
 São formas farmacêuticas de consistência firme, forma cônica ou ogival, 
destinadas a aplicação retal, obtidas por solidificação ou compressão, em moldes de 
 14
Farmacologia Geral Veterinária 
 
massa adequada, encerrando substâncias medicamentosa. Exemplos: supositório de 
glicerina. 
 
 ÓVULOS 
 São formas farmacêuticas ovóides de aplicação vaginal. 
 
 SOLUÇÕES 
 São preparações líquidas que contém uma ou mais substâncias químicas 
dissolvidas em um solvente adequado ou numa mistura de solventes mutuamente 
imiscíveis. 
Tipos: 
¾ soluções Orais; 
¾ soluções Otológicas; 
¾ soluções Nasais; 
¾ colutórios; 
¾ soluções cavitárias 
 ELIXIRES 
 São formas farmacêuticas para uso oral que contém no mínimo 20% de álcool e 
20% de açúcar. 
 
 XAROPES 
 São preparações farmacêuticas aquosas contendo 2/3 do seu peso de sacarose. 
 
 SUSPENSÕES 
 São formas farmacêuticas líquidas constituídas de 2 fases: interna sólida (insolúvel) 
e externa líquida. Exemplo: Suspensão de hidróxido de alumínio (MAALOX ®) 
 
 EMULSÕES 
 São formas farmacêuticas líquidas constituídas por um sistema de 2 fases 
imiscíveis em que uma está finamente dividida e dispersa na outra por um agente 
emulsivo. Apresentam uma fase aquosa e uma fase oleosa. Exemplo: Emulsão de 
fenolftaleína (AGAROL ®) 
 
 INJETÁVEIS 
 São soluções, suspensões, emulsões estéreis de substâncias medicamentosas em 
veículos aquosos, oleosos e outros, apropriados para serem administrados por via 
parenteral. 
 
COLÍRIOS 
São formas farmacêuticas líquidas administradas sob a forma de gotas, quer se 
trate de soluções ou suspensões, e que se destinam a tratar das várias afecções do globo 
ocular incluindo a das pálpebras, da conjuntiva e da córnea. 
 
EXTRATOS 
São preparações concentradas, obtidas de drogas vegetais ou animais, frescas ou 
secas, por meio de um líquido extrativo apropriado, seguido de sua evaporação total e 
parcial e ajuste de concentração a padrões estabelecidos. Exemplo: Extrato de boldo 
 
 TINTURAS 
São preparações alcoólicas ou hidroalcoólicas preparadas a partir de matéria prima 
vegetal ou de substâncias químicas. 
 15
Farmacologia Geral Veterinária 
 
 POMADAS 
 São formas farmacêuticas de consistência macia, pegajosa, semi-sólida, contendo 
um ou mais princípios ativos, destinadas a serem usadas externamente, para ação tópica 
ou sistêmica e também para fins de proteção e lubrificação. Exemplo: Pomada de 
betametasona (BETNOVATE ®) 
 
 CREMES 
 São emulsões líquidas viscosas ou semi-sólidas do tipo óleo em água ou água em 
óleo que podem ou não conter substâncias terapêuticas. Exemplo: Creme de 
betametasona (BETNOVATE ®) 
 
 LOÇÕES 
 São formas farmacêuticas líquidas com princípios ativos em solução, emulsão ou 
suspensão destinadas a serem aplicadas na pele. Exemplo: Loção de calamina + 
difenidramina (CALADRYL®) 
 
 AEROSSÓIS 
 São formas farmacêuticas formadas por fármacos sólidos ou líquidos acrescidos de 
gases para nebulização. Exemplos: Beclometasona aerossol (BECLOSOL ®) 
 
 
 16
Farmacologia Geral Veterinária 
 
3. ADMINISTRAÇÃO DE FÁRMACOS 
 
3.1 - Administração de Medicamentos: Considerações Gerais 
Para que determinado fármaco chegue ao local de atuação é necessário que ele 
seja fornecido ao organismo, ou seja, é necessário que haja uma penetração do fármaco 
no organismo, exceto no caso de ele atuar exclusivamente por ação tópica ou local. 
Assim o fármaco seguirá desde o local onde foi colocado (administrado) até ao local de 
atuação,