Caderno Didático de Farmacologia Geral
121 pág.

Caderno Didático de Farmacologia Geral


DisciplinaFarmacologia I25.028 materiais541.479 seguidores
Pré-visualização39 páginas
rápida de agentes gasosos voláteis, com 
efeitos imediatos e reversão imediata com a suspensão da administração do agente 
geralmente anestésico. A grande desvantagem é a obrigatoriedade do uso de 
equipamento especializado e a técnica específica para a espécie animal. 
4.19- Via Intraruminal 
Esta via é de uso específico em ruminantes e requer técnica adequada e específica 
ao ruminante, bem como pessoal especializado. Normalmente utilizada para 
administração de vermífugos diretamente no sistema rúmen-retículo, através da 
introdução de seringa com agulha longa, no mínimo 50x20 ou por meio de trocarter, na 
fossa paralombar esquerda. A administração deve sempre ser feita com supervisão do 
veterinário. 
 28
Farmacologia Geral Veterinária 
 
 
5. FARMACOCINÉTICA 
É o estudo do movimento de uma substância química, em particular, um fármaco 
no interior do organismo vivo, isto é dos processos de absorção, de distribuição, de 
biotransformação e de excreção. 
5.1 - Absorção 
Absorção de fármacos: é a passagem do fármaco de seu local de administração 
para o sangue. Portanto, deve ser considerada em todas as vias de administração, exceto 
pela via intravenosa. 
Para chegar ao local de ação, o fármaco deve atravessar várias barreiras, que são 
as membranas celulares. As membranas celulares têm uma camada lipoprotéica 
bimolecular que pode atuar como barreira para a transferência do fármaco através da 
membrana. As membranas celulares também contêm poros. 
As barreiras entre compartimentos aquosos no organismo são representadas pelas 
membranas celulares. Uma única camada de membrana separa o compartimento 
intracelular do extracelular. Uma barreira epitelial, como aquela representada pela 
mucosa gastrointestinal ou túbulo renal, consiste de uma camada de células firmemente 
conectadas entre si de forma que as moléculas devem atravessar duas camadas de 
membranas para passar de um lado para o outro. O endotélio vascular é um pouco mais 
complicado; na maioria dos tecidos, os capilares são fenestrados, sendo as fendas entre 
as células endoteliais suficientemente grandes para permitir que pequenas moléculas 
atravessem por difusão aquosa, mas muito pequenas para permitir que moléculas com 
peso molecular maior que aproximadamente 30.000 A Amstrons (maioria das moléculas 
de proteínas) atravessem. Em alguns órgãos, principalmente o sistema nervoso central e 
placenta, o endotélio capilar é contínuo, e a penetração por moléculas de fármacos 
envolve a travessia da membrana das células endoteliais, um importante detalhe que 
torna esses leitos vasculares muito distintos daqueles de outros órgãos. Isso possui 
importantes conseqüências farmacocinéticas. 
Assim, os fármacos atravessam as membranas baseadas na sua habilidade de 
dissolver na porção lipídica da membrana e no seu tamanho molecular, o qual regula sua 
filtração através dos poros. 
Fármacos e outras moléculas atravessam as membranas celulares por vários 
processos: 
9 Difusão passiva através dos lipídios; 
9 Difusão passiva através canal aquoso; 
9 Difusão facilitada; 
9 Transporte ativo; 
9 Pinocitose. 
Dessas vias, a difusão através dos lipídios e o transporte mediado por 
transportador são particularmente importantes em relação aos mecanismos 
farmacocinéticos. 
A habilidade do fármaco para atravessar a membrana por difusão lipídica depende: 
9 Grau de solubilidade em lipídios; 
9 Gradiente de concentração do fármaco ao longo da membrana; 
9 Tamanho molecular; 
9 Espessura da membrana; 
9 Área de superfície de absorção; 
 29
Farmacologia Geral Veterinária 
 
9 pH. 
 
A maioria dos fármacos são ácidos ou bases fracas e em pH fisiológico estão 
presentes na forma ionizada e não-ionizada. A forma não-ionizada é capaz de 
atravessar membranas. A forma ionizada tem baixa lipossolubilidade. A proporção das 
respectivas formas depende do pKa do fármaco e do pH do meio no qual os fármacos 
estão dissolvidos. 
Æ Em pH estomacal baixo, os ácidos fracos como a aspirina (pKa 3,5) tendem a ser 
melhor absorvidos no estômago do que as bases fracas devido as condições ácidas. 
Æ Bases fracas são pouco absorvidas no ambiente ácido do estômago porque elas 
existem principalmente no estado ionizado (baixa lipossolubilidade). Bases fracas são 
melhores absorvidas no intestino delgado onde o pH é mais alcalino. 
Para calcular a porcentagem de um fármaco que existe na forma ionizada e não-
ionizada usa-se a equação de Henderson- Hasselbach, mas precisamos conhecer o pKa 
da droga e o pH do meio. 
 
Æ Para ácidos fracos usa-se: 
 pKa = pH + log conc. ácido não-ionizado 
 conc. ácido ionizado 
Æ Para bases fracas usa-se: 
 pKa = pH + log conc. base ionizado 
 conc. base não-ionizado 
 
A forma ionizada possui lipossolubilidade muito baixa, e é praticamente incapaz de 
atravessar membranas, exceto, raramente, onde existe um mecanismo de transporte 
específico. 
Para a maioria dos fármacos a espécie não-carregada é suficientemente 
lipossolúvel para permitir rápida travessia da membrana, embora haja exceções (ex. o 
grupo de antibióticos relacionados à estreptomicina) onde mesmo a molécula não 
carregada é insuficientemente lipossolúvel para atravessar as membranas de maneira 
considerável. Geralmente deve-se a uma preponderância de grupos com ligações de 
hidrogênio, como -OH, que torna hidrofílica a molécula não-carregada. 
A ionização não afeta apenas a taxa com que os fármacos atravessam as 
membranas, mas também a distribuição constante das moléculas de fármacos entre os 
compartimentos aquosos, se houver uma diferença de pH entre elas. 
5.1.1 - Fatores que Modificam a Absorção: 
a) A absorção, seja qual for o local, depende da solubilidade do fármaco. 
b) Substâncias administradas em solução aquosas são absorvidas mais 
rapidamente que em soluções oleosas, suspensões ou forma sólida, porque se misturam 
mais facilmente com fase aquosa no local absortivo. 
c) Condições do local de absorção modificam a solubilidade, especialmente no 
TGI. 
d) A concentração do fármaco influencia a velocidade de sua absorção. 
e) O fluxo sanguíneo no local da absorção também afeta a absorção. 
 30
Farmacologia Geral Veterinária 
 
f) A área de superfície absorvente à qual o fármaco é exposto é um dos 
determinantes mais importantes da velocidade de absorção. As substâncias são 
absorvidas muito rapidamente a partir de grandes superfícies, como o epitélio alveolar, 
mucosa intestinal. 
 Æ A absorção gastrointestinal é afetada por todos os fatores descritos acima mais: 
- Motilidade gastrointestinal 
- Interação físico-química com outras drogas co-administradas ou com constituintes 
alimentares 
- Alteração da estrutura e integridade funcional do epitélio gástrico e intestinal. 
 
5.2 - Distribuição dos Fármacos 
Após a absorção, um fármaco pode ficar sob a forma livre no sangue, ligar-se a 
proteínas plasmáticas ou então, ser seqüestrado para depósitos no organismo. Somente 
o fármaco na forma livre é distribuído para os tecidos. Define-se distribuição como o 
fenômeno em que um fármaco após ter chegado ao sangue, sai deste compartimento e 
vai para o seu local de ação. 
Os fármacos abandonam a via circulatória para o espaço intersticial por processo 
de difusão através das membranas celulares dos capilares ou ainda por poros ou 
fenestrações existentes na parede dos capilares. A difusão para o compartimento 
intersticial é rápida por causa da natureza extremamente permeável das membranas 
endoteliais capilares, exceto no cérebro. 
A velocidade com que a concentração de um determinado fármaco livre demora 
para se equilibrar entre o plasma e o líquido extracelular depende basicamente do grau de 
vascularização de um determinado tecido. Este equilíbrio é conseguido rapidamente em 
órgãos bem perfundidos. O