Coleção Você S.A.   Como motivar pessoas   Ian Maitland
65 pág.

Coleção Você S.A. Como motivar pessoas Ian Maitland


DisciplinaPlanejamento de Recursos Humanos702 materiais6.309 seguidores
Pré-visualização13 páginas
\u2022Adicionando Energia
ao Trabalho em Equipe
\u2022Implementando Dinâmicas
de Trabalho
\u2022Redesenhando Processos
Iain Maitland
Tradução do Motivating People
originalmente publicado em 1995, em comum acordo
com o Institute of Personnel and Development.
© 1995 Iain Maitland
Direitos desta edição reservados à
Livraria Nobel S.A.
Rua da Balsa, 559 - 02910-000 \u2014 São Paulo, SP
Fone: (11) 3933-2800 \u2014 Fax: (11) 3931-3988
e-mail: ednobel@livrarianobel.com.br
Coordenação editorial e gráfica: Clemente Raphael Mahl
Produção gráfica: Mirian Cunha
Revisão: Márcia Cruz Nóboa Leme e Daniel de Paiva Cazzoli
Capa: João Lino Oliveira
Ícones: Cecília de P. Alves e Marcela Guimarães
Composição: CompLaser Studio Gráfico
Impressão: Book RJ Gráfica e Editora Ltda.
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Maitland, Iain
Como motivar pessoas/Iain Maitland; tradução Pedro Marcelo Sá de
Oliveira e Giorgio Cappelli \u2014 São Paulo: Nobel, 2000.
Título original: Motivating people.
ISBN 85-213-0968-6
1. Administração de pessoal 2. Liderança 3. Motivação (Psicologia)
4. Pessoal \u2014 Motivação I. Título.
97-2529 CDD-658.314
Índice para catálogo sistemático:
1. Gerentes como treinadores e orientadores: Administração executiva 658.314
É PROIBIDA A REPRODUÇÃO
Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, copiada, transcrita ou mesmo transmitida
por meios eletrônicos ou gravações, sem a permissão, por escrito, do editor. Os infratores
serão punidos pela Lei n\ufffd 9.610/98.
Impresso no Brasil / Printed in Brazil
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd	
\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd
	\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd \ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
	\ufffd	\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd
	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd!
"	\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd \ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd#\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd$\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
	\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd	\ufffd\ufffd%\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd	
\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd!
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd&
'\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
	\ufffd\ufffd'\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
(\ufffd\ufffd\ufffd&\ufffd)**+\ufffd,-,,./011
(	 &\ufffd)**+\ufffd,-,*.,-00
\ufffd\ufffd\ufffd!&\ufffd2\ufffd	\ufffd\ufffd	\ufffd3	
\ufffd	\ufffd\ufffd44-
5\ufffd\ufffd\ufffd"	\ufffd
\ufffd\ufffd6\ufffd'\ufffd"\ufffd1/-*1.111
7\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd&\ufffd888!
\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
!\ufffd\ufffd\ufffd!\ufffd\ufffd
\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Motivação, 7
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Seja um
bom líder, 14
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Como trabalhar
em equipe, 23
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Como aprimorar
os trabalhos, 31
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Desenvolvimento
de pessoal, 38
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
Como remunerar
os funcionários, 51
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Como proporcionar
um ambiente de trabalho
seguro e saudável, 60
\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
Motivação
Afinal de contas, o que vem a ser \u201cmotivação\u201d? A definição pode ser
muito simples: \u201ca força ou o impulso que leva os indivíduos a agirem
de uma forma específica\u201d. É claro que há muito mais implicações
nisso do que sugere essa definição. Trata-se mesmo de uma boa idéia
começar averiguando a motivação, por meio de uma observação
rápida na própria teoria sobre motivação de pessoas. Mesmo antes
de se pensar em como colocá-la em prática em um ambiente de
trabalho específico.
Como motivar pessoas:
a teoria
Várias teorias foram levantadas acerca da motivação e do que ela é.
Três delas, em particular, mantiveram credibilidade por um certo
tempo, e acabaram por criar uma apresentação concisa, embora
completa, sobre o assunto:
\ufffd\ufffd \u201cA pirâmide de necessidades\u201d, de Maslow
\ufffd\ufffd \u201cA teoria dos dois fatores\u201d, de Herzberg
\ufffd\ufffd \u201cA teoria da expectativa\u201d, de Vroom
\ufffd	\ufffd	
\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd
\ufffd
A pirâmide de necessidades de Maslow
Abraham Maslow, provavelmente o mais conhecido teórico
motivacional, foi um psicólogo americano que acreditava que todos
os indivíduos apresentavam uma hierarquia de necessidades que
precisavam ser satisfeitas. Essa \u201chierarquia de necessidades\u201d é
mostrada sob a forma de uma pirâmide (Figura 1.1). De acordo com
Maslow, as necessidades primordiais de um indivíduo são conseguir
ar, alimentos e água em quantidades suficientes para sua sobrevivência
(necessidades fisiológicas). Após essas terem sido atingidas, não há
motivação para mais ar, alimento e comida, mas sim para as neces-
sidades de segurança. Assim que essa pessoa percebe que está livre
de qualquer ameaça de perigo ou ataque, suas motivações voltam-se
para as necessidades sociais: amizades e tudo o mais que estiver
relacionado.
Um indivíduo que superou as necessidades de auto-estima e
alcançou o reconhecimento por parte de outros indivíduos volta-se
para satisfazer as necessidades de auto-realização, até que estas
estejam saciadas tanto quanto possível e ele, com isso, se sinta
realizado. No entanto, se as necessidades situadas em um nível
inferior deixam repentinamente de ser atendidas, o indivíduo
direcionará novamente sua motivação para elas. Assim, por exemplo,
um homem está em uma esquina, conversando com um amigo,
satisfazendo suas necessidades sociais. Se, porventura, um louco
brandindo uma faca chegar até ele, as necessidades de segurança
desse homem não estarão mais satisfeitas, uma vez que ele não se
encontra livre da ameaça de perigo ou ataque. Com isso, ele foge \u2014
muito mais preocupado em resolver as necessidades de segurança,
localizadas em um nível mais baixo, do que as de nível mais alto,
como as sociais.
Foram feitas tentativas no sentido de relacionar a teoria de
Maslow com as exigências de funcionários dentro do ambiente de
trabalho. As necessidades fisiológicas seriam as ligadas a salário e
benefícios. As necessidades de segurança estariam vinculadas a
assuntos como segurança no trabalho, auxílio-doença e planos de
previdência, períodos de folga suficientes, proteção contra injustiças
e segurança física. As necessidades sociais, associadas a um senso de
participação, amizade e prestatividade a colegas de trabalho e
superiores hierárquicos. As necessidades de auto-estima podem ser
satisfeitas pelo reconhecimento e elogio por parte de supervisores e
\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	
\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
	\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd
\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
gerentes, juntamente com perspectivas de transferências de cargos
e promoções. As necessidades de auto-realização podem ser atingidas
quando se proporcionam trabalhos gratificantes e interessantes, nos
quais as habilidades são utilizadas de maneira ampla.
A teoria dos dois fatores de Herzberg
Frederick Herzberg sugeriu que existem dois grupos igualmente
importantes de fatores relevantes à motivação de equipe \u2014 como
ilustra a Figura 1.2. Ele afirma que fatores de higiene (ou \u201cnão-
satisfatórios\u201d) na verdade, não chegam a estimular, mas que precisam
ser pelo menos satisfatórios para não se tornarem a causa da
desmotivação das pessoas. Por exemplo: um ambiente de trabalho
seguro e saudável, por si só, não irá motivar os funcionários a
trabalharem com mais afinco e/ou melhor, porém, deixa-os satisfeitos
o bastante para que outros fatores possam motivá-los. No entanto, se
as condições de trabalho causam insatisfação, as pessoas tornam-se
desmotivadas, e tanto esses como outros elementos simplesmente
não irão funcionar como motivadores.
\ufffd	\ufffd	
\ufffd	\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd	\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd \ufffd\ufffd\ufffd
\ufffd
!"#$%\ufffd&$\ufffd\ufffd'('$)$ \ufffd"!'\ufffd
&"#$%
\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd !\ufffd\ufffd \ufffd"#$%$&'\ufffd \ufffd\ufffd"#$%$&'\ufffd\ufffd (\ufffd!\ufffd
\ufffd$)$( \ufffd"\ufffd 	 !*\ufffd\ufffd!$%\ufffd&\ufffd\ufffd$\ufffd 
\ufffd )+#$\ufffd\ufffd$\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd"#$%$&'\ufffd \ufffd \ufffd!\ufffd\ufffd\ufffd \ufffd# $&\ufffd,$\ufffd-\ufffd
	 &$\ufffd\ufffd !\ufffd\ufffd\ufffd\ufffd"#$%$&'\ufffd 	 .\ufffd\ufffd' .\ufffd( \ufffd"\ufffd
\ufffd#/"\ufffd.$!\ufffd\ufffd \ufffd!+* #0\ufffd!-\ufffd\ufffd \ufffd$\ufffd(\ufffd\ufffd\ufffd!"#$\ufffd-\ufffd \ufffd #!* ."\ufffd0$!\ufffd\ufffd \ufffd 0\ufffd&+\ufffd-\ufffd
\ufffd\ufffd&1"\ufffd.$\ufffd \ufffd$\ufffd(\ufffd\ufffd\ufffd!"#$\ufffd-\ufffd\ufffd\ufffd$\ufffd (*# !$
Herzberg afirmava que, se os Fatores de Higiene estiverem em
ordem e forem satisfatórios, cinco fatores-chave podem motivar a
equipe: trabalhos interessantes ou que apresentem desafio; res-
ponsabilidade pelas tarefas e deveres realizados; sensação de se ter
alcançado algo que valeu a pena; reconhecimento pelo trabalho
realizado, pelo empenho e pelo desempenho; e a possibilidade de
desenvolvimento