A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
FISIOLOGIA RENAL

Pré-visualização | Página 3 de 10

glomerular e a pressão oncótica glomerular são os determinantes da 
GFR mais susceptíveis de controlo fisiológico, nomeadamente por intermédio do sistema 
Fisiologia Renal 11 
nervoso simpático(SNS), hormonas e autacóides (substâncias vasoactivas libertadas pelo rim) e 
outros mecanismos de feedback intarrenal. 
1) A activação do sistema nervoso simpático diminui a GFR – uma activação forte do SNS 
leva à constrição das arteríolas renais, diminuindo o fluxo sanguíneo renal e a GFR. ex: isquemia 
cerebral ou hemorragia grave; 
2) As hormonas e autacóides controlam a GFR e o fluxo sanguíneo renal (RBF): 
Efeito sobre Hormona 
/Autacóide 
Local de libertação Acção 
GFR RBF 
Noradrenalina e 
Adrenalina 
medula suprarrenal Constrição das Arteríolas aferentes e 
eferentes 
↓ ↓ 
Endotelina células endoteliais Constrição das arteríolas renais ↓ ↓ 
Angiotensina II Constrição das arteríolas aferente e 
eferente (mais pronunciada nesta). 
= 
(previne↓) 
↓ 
NO derivado do 
endotélio (EDNO) 
células endoteliais vasculares Diminuição da resistência vascular renal ↑ ↑ 
Prostaglandinas 
(PGE2 e PGI2) 
podem atenuar os efeitos vasoconstritores do SNS ou da Angiotensina II 
(principalmente ao nível das A. aferentes) 
a inibição da sua síntese (ex: aspirina) pode causar diminuição marcada 
da GFR e do RBF (mais frequente em pacientes cujo volume extracelular 
está diminuido) 
↑ 
Tabela 1 – Hormonas e autacóides que controlam a GFR e o fluxo sanguíneo renal. 
3) Autorregulação 
A autorregulação permite uma constância relativa da GFR e do RBF dentro de um 
intervalo de pressões: 75-160 mmHg, prevenindo que alterações sistémicas da pressão 
sanguínea se repercutam sobre a GFR. 
a) Feedback Tubuloglomerular 
É o componente fundamental da autorregulação renal e depende do complexo 
justaglomerular; este é formado por células da mácula densa (na porção inicial do túbulo 
distal) e células justaglomerulares (localizadas na parede das arteríolas aferente e eferente). 
Quando a pressão sanguínea diminui, a concentração de NaCl ao nível da mácula densa 
diminui, o que conduz a dois efeitos: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fisiologia Renal 12 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 A B 
Figura 4. A – Complexo justaglomerular; B – Mecanismo de autorregulação. 
1. Diminuição da resistência das arteríolas aferentes – aumento da PG e da GFR em 
direcção a valores normais; 
2. Aumento da libertação de Renina pelas células justaglomerulares – aumento da 
formação de Angiotensina II – constrição da arteríola eferente – elevação da PG e da 
GFR em direcção a valores normais. 
 
b) Mecanismo miogénico 
Refere-se à capacidade intrínseca dos vasos sanguíneos se contraírem quando a pressão 
sanguínea aumenta, pelo que previne o estiramento excessivo dos vasos e o aumento 
excessivo da GFR e do RBF. 
 
4) Outros factores que influenciam a GFR e o RBF 
– Dieta rica em proteínas – aumento da GFR e do RBF (por estimulação do crescimento 
dos rins e por redução de resistência vascular renal) 
– Hiperglicemia (a glicose é cotransportada, tal como os aa, com o sódio no túbulo 
proximal); 
– Glucocorticóides – diminuem a resistência vascular renal (aumentam GFB e RBF); 
– Idade – diminui GFR e RBF por redução do número de nefrónios funcionantes 
(diminuem 10% por década a partir dos 40 anos). 
 
Fisiologia Renal 13 
• Determinação da GFR 
Usando o conceito de Clearance, a GFR é determinada pela medição da excreção urinária 
de uma substância marcadora X cuja quantidade filtrada é igual à quantidade excretada. 
Assim, 
Clearance x [X]plasma = Fluxo urinário x [X]urina 
Uma vez que o clearance de uma substância que nem é reabsorvida nem segregada é 
igual à GFR, então: 
GFR = [X]u x fluxo urinário / [X]p 
 
A substância marcadora ideal da taxa de filtração seria uma substância não absorvida 
nem segregada pelos túbulos renais e não metabolizada nem produzida pelos rins. 
As substâncias que cumprem estes requisitos são: 
• Inulina - é uma polifrutose exógena; tem que ser ministrada por via endovenosa para 
ser utilizada como marcador de filtração (uso clínico limitado); teoricamente é a 
substância ideal porque nem é reabsorvida nem excretada. 
• Creatinina - é uma substância endógena formada por desidratação irreversível da 
creatina ou fosfocreatina; é a mais usada na prática clínica apesar de ser ligeiramente 
excretada por secreção. 
Por definição, o CLEARANCE renal de uma substância é o volume de plasma que é 
completamente depurado dessa substância pelos rins por unidade de tempo. É um conceito um 
pouco abstracto porque não existe um volume isolado de plasma que seja completamente 
depurado de uma substância. 
Substância Taxas clearance (mL/min) 
Inulina 125 = GFR 
Glicose 0 
Ureia 62.5 
H+ 150 
PAH 625 = RPF 
Creatinina 140 
Tabela 2 – Taxas de clearance de algumas substâncias. 
 
Deste modo, podemos afirmar que clearances inferiores aos da inulina indicam 
reabsorção e clearances superiores secreção. 
Para quantificar o fluxo plasmático renal (RPF) pode-se utilizar o clearance de uma 
substância (X) que seja excretada totalmente na primeira passagem pelo rim (por filtração e 
secreção). Clx = RPF = Fluxo urinário x [X]u / [X]p 
Fisiologia Renal 14 
O ácido p-aminohipúrico (PAH) aproxima-se muito destes requisitos (90% do PAH 
que entra no rim é excretado ), pelo que permite uma estimativa razoável do RPF. 
A fracção de filtração é o ratio entre a GFR e o RPF: 
Fracção filtração = GFR/RPF = 125/650 = 0,19 
Para o cálculo do fluxo sanguíneo (RBF) é necessário considerar o hematócrito (Ht): 
RBF = RPF / ( 1-Ht) 
 A reabsorção e a secreção tubulares podem ser calculadas a partir dos clearances 
renais: 
ReabsorçãoX = (GFR x [X]p) - ([X]u x Fluxo urinário) 
 
SecreçãoX = ([X]u x Fluxo urinário) – (GFR x [X]p) 
Fisiologia Renal 15 
!"REABSORÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA 
 
A quantidade de Na+ extracelular é cerca de 1700 mEq para um adulto de 60Kg e apenas 
de 100 mEq no espaço intracelular devido à baixa permeabilidade de sódio da maioria das 
membranas e extrusão activa de sódio pela bomba Na+ / K+ que é ubiquitária. 
• Reabsorção de NaCl e de água ao longo do sistema tubular 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 A B 
Figura 5. A – Reabsorção de sódio; B – Reabsorção de água. 
a) Túbulo proximal 
- 65% do Na+ e água filtrados são reabsorvidos ao longo do túbulo proximal; 
- A concentração de Na+ no fluido tubular permanece constante até ao final do túbulo 
proximal; 
- A osmolalidade do fluído tubular proximal diminui ligeiramente relativamente ao 
plasma; 
- A concentração de Cl- aumenta e a de HCO3- diminui ao longo de túbulo proximal. 
b) Ansa de Henle 
- A reabsorção de água ocorre no ramo descendente da ansa; o ramo ascendente é 
impermeável