A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
314 pág.
IPv6 apostila completa

Pré-visualização | Página 7 de 47

a 
mobilidade do IPv6.
Endereço de Origem
Tam. cab. de
extensão
Próximo
Cabeçalho Saltos restantes
Tipo de 
Routing
Reservado
Identificado pelo valor 44 no campo Próximo Cabeçalho, o cabeçalho de extensão 
Fragmentation é utilizado quando o pacote IPv6 a ser enviado é maior que o Path MTU.
As definições de cada campo do cabeçalho são as seguintes:
� Próximo Cabeçalho (1 Byte): Identifica o tipo de cabeçalho que segue ao cabeçalho 
Fragmentation.
� Deslocamento do Fragmento (13 bits): Indica, em unidades de oito Bytes, a posição 
dos dados transportados pelo fragmento atual em relação ao início do pacote original.
� Flag M (1 bit): Se marcado com o valor 1, indica que há mais fragmentos. Se marcado 
com o valor 0, indica que é o fragmento final.
� Identificação (4 Bytes): Valor único gerado pelo nó de origem, para identificar o pacote 
original. É utilizado para detectar os fragmentos de um mesmo pacote.
O processo de fragmentação de pacotes do IPv6 será detalhado nos próximos módulos.
 47
Cabeçalhos de Extensão
Fragmentation
●
 Identificado pelo valor 44 no campo Próximo Cabeçalho.
●
 Carrega informações sobre os fragmentos dos pacotes IPv6.
ReservadoPróximoCabeçalho Res
Deslocamento do 
Fragmento
Identificação
M
Os cabeçalhos de extensão Authentication Header e Encapsulating Security Payload, 
indicados respectivamente pelos valores 51 e 52 no campo Próximo Cabeçalho, fazem parte do 
cabeçalho IPSec.
Embora as funcionalidades do IPSec sejam idênticas tanto no IPv4 quanto no IPv6, sua 
utilização com IPv6 é facilitada pelo fato de seu principais elementos serem parte integrante da 
nova versão do protocolo IP. Outros aspectos também facilitam essa utilização, como o fato de 
não se utilizar NAT com IPv6, no entanto essa questão será detalhada nos próximos módulos, 
juntamente com o detalhamento dos cabeçalhos de extensão AH e ESP.
 48
Cabeçalhos de Extensão
Authentication Header
●
 Identificado pelo valor 51 no campo Próximo Cabeçalho.
●
 Utilizado pelo IPSec para prover autenticação e garantia de 
integridade aos pacotes IPv6.
Encapsulating Security Payload
●
 Identificado pelo valor 52 no campo Próximo Cabeçalho.
●
 Também utilizado pelo IPSec, garante a integridade e 
confidencialidade dos pacotes.
Alguns aspectos sobre os cabeçalhos de extensão devem ser observados.
Primeiramente é importante destacar que, para evitar que os nós existentes ao longo do 
caminho do pacote tenham que percorrer toda a cadeia de cabeçalhos de extensão para 
conhecer quais informações deverão tratar, estes cabeçalhos devem ser enviados respeitando 
um determinada ordem. Geralmente, os cabeçalhos importantes para todos os nós envolvidos 
no roteamento devem ser colocados em primeiro lugar, cabeçalhos importantes apenas para o 
destinatário final são colocados no final da cadeia. A vantagem desta seqüência é que o nó 
pode parar de processar os cabeçalhos assim que encontrar algum cabeçalho de extensão 
dedicado ao destino final, tendo certeza de que não há mais cabeçalhos importantes a seguir. 
Com isso, é possível melhorar significativamente o processamento dos pacotes, porque, em 
muitos casos, apenas o processamento do cabeçalho base será suficiente para encaminhar o 
pacote. Deste modo, a sequência a ser seguida é:
• Hop-by-Hop Options
• Routing
• Fragmentation
• Authentication Header
• Encapsulating Security Payload
• Destination Options
Também é vale observar, que se um pacote for enviado para um endereço multicast, os 
cabeçalhos de extensão serão examinados por todos os nós do grupo.
Em relação à flexibilidade oferecida pelos cabeçalhos de extensão, merece destaque o 
desenvolvido o cabeçalho Mobility, utilizado pelos nós que possuem suporte a mobilidade 
IPv6.
 49
Cabeçalhos de Extensão
●
 Quando houver mais de um cabeçalho de extensão, recomenda-se 
que eles apareçam na seguinte ordem:
● Hop-by-Hop Options
● Routing
● Fragmentation
● Authentication Header
● Encapsulating Security Payload
● Destination Options
●
 Se o campo Endereço de Destino tiver um endereço multicast, os 
cabeçalhos de extensão serão examinados por todos os nós do 
grupo.
●
 Pode ser utilizado o cabeçalho de extensão Mobility pelos nós que 
possuírem suporte a mobilidade IPv6.
 50
O protocolo IPv6 apresenta como principal característica e justificativa maior para o seu 
desenvolvimento, o aumento no espaço para endereçamento. Por isso, é importante conhecermos 
as diferenças entre os endereços IPv4 e IPv6, saber reconhecer a sintaxe dos endereços IPv6 e 
conhecer os tipos de endereços IPv6 existentes e suas principais características.
 51
Endereçamento IPv6
Módulo 3
No IPv4, o campo do cabeçalho reservado para o endereçamento possui 32 bits. Este 
tamanho possibilita um máximo de 4.294.967.296 (232) endereços distintos. A época de seu 
desenvolvimento, está quantidade era considerada suficiente para identificar todos os 
computadores na rede e suportar o surgimento de novas sub-redes. No entanto, com o rápido 
crescimento da Internet, surgiu o problema da escassez dos endereços IPv4, motivando a a criação 
de uma nova geração do protocolo IP.
O IPv6 possui um espaço para endereçamento de 128 bits, sendo possível obter 
340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456 endereços (2128). Este valor representa 
aproximadamente 79 octilhões (7,9x1028) de vezes a quantidade de endereços IPv4 e representa, 
também, mais de 56 octilhões (5,6x1028) de endereços por ser humano na Terra, considerando-se 
a população estimada em 6 bilhões de habitantes.
 52
Endereçamento
●
 Um endereço IPv4 é formado por 32 bits.
232 = 4.294.967.296
●
 Um endereço IPv6 é formado por 128 bits.
 
2128 = 340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456340.282.366.920.938.463.463.374.607.431.768.211.456
~ 56 octilhões (5,6x1028) de endereços IP por ser humano.
~ 79 octilhões (7,9x1028) de vezes a quantidade de endereços IPv4.
Os 32 bits dos endereços IPv4 são divididos em quatro grupos de 8 bits cada, separados 
por “.”, escritos com dígitos decimais. Por exemplo: 192.168.0.10.
A representação dos endereços IPv6, divide o endereço em oito grupos de 16 bits, 
separando-os por “:”, escritos com dígitos hexadecimais (0-F). Por exemplo:
2001:0DB8:AD1F:25E2:CADE:CAFE:F0CA:84C1
Na representação de um endereço IPv6, é permitido utilizar tanto caracteres maiúsculos 
quanto minúsculos.
Além disso, regras de abreviação podem ser aplicadas para facilitar a escrita de alguns 
endereços muito extensos. É permitido omitir os zeros a esquerda de cada bloco de 16 bits, além 
de substituir uma sequência longa de zeros por “::”. Por exemplo, o endereço 
2001:0DB8:0000:0000:130F:0000:0000:140B pode ser escrito como 
2001:DB8:0:0:130F::140B ou 2001:DB8::130F:0:0:140B. Neste exemplo é possível observar 
que a abreviação do grupo de zeros só pode ser realizada uma única vez, caso contrário poderá 
haver ambigüidades na representação do endereço. Se o endereço acima fosse escrito como 
2001:DB8::130F::140B, não seria possível determinar se ele corresponde a 
2001:DB8:0:0:130F:0:0:140B, a 2001:DB8:0:0:0:130F:0:140B ou 
2001:DB8:0:130F:0:0:0:140B.
Esta abreviação pode ser feita também no fim ou no início do endereço, como ocorre em 
2001:DB8:0:54:0:0:0:0 que pode ser escrito da forma 2001:DB8:0:54::.
 53
Endereçamento
A representação dos endereços IPv6, divide o endereço em oito 
grupos de 16 bits, separando-os por “:”, escritos com dígitos 
hexadecimais.
2001:0DB8:AD1F:25E2:CADE:CAFE:F0CA:84C1
Na representação de um endereço IPv6 é permitido:
●
 Utilizar caracteres maiúsculos ou minúsculos;
●
 Omitir os zeros à esquerda; e
●
 Representar os zeros contínuos por “::”.
Exemplo: 
2001:0DB8:0000:0000:130F:0000:0000:140B
2001:db8:0:0:130f::140b