CAPITULO 1 Canteiro de Obras Conceitos Gerais2
19 pág.

CAPITULO 1 Canteiro de Obras Conceitos Gerais2


DisciplinaGerenciamento de Obras366 materiais2.025 seguidores
Pré-visualização5 páginas
custo de manutenção, durabilidade, a 
possibilidade de reutilização, a facilidade de montagem, isolamento térmico e o 
impacto visual. 
SAURIN e FORMOSO (2006), em seu trabalho sobre Planejamento de canteiros de 
obra e gestão de processos, apresentaram um estudo comparativo dos custos 
entre três modelos: No modelo A as instalações provisórias são executadas com a 
aquisição de dois containeres. No modelo B, as instalações do mesmo canteiro são 
executadas em chapas de compensado. No modelo C considera-se a locação de 
um container somente nas fases inicial e final da obra, e no restante do período as 
instalações são locadas em áreas já construídas da edificação. 
Fazendo o comparativo dos custos ao longo de quatro obras consecutivas, 
considerando os reaproveitamentos, o gráfico resultante é o seguinte: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
E 
Em resumo: para a utilização em uma obra a utilização mista é a mais barata. 
Para a utilização em duas ou três obras a opção de utilização dos compensados é 
a que fica mais em conta. Para a utilização em quatro ou mais obras a aquisição 
dos containeres passa a ser economicamente a mais viável. 
 
5. Cronograma de implantação \u2013 sequência de trabalhos a serem executados na 
fase de implantação, com data prevista para início e término de cada serviço. 
 
RECOMENDAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PROJETO DE CANTEIRO 
SAURIN e FORMOSO (2006) apresentam duas recomendações básicas: 
\uf0b7 Estudar o canteiro de forma que a obra possa ser iniciada pela fronteira mais 
complicada \u2013 essa recomendação tem o objetivo de evitar a execução de serviços 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 6
difíceis e perigosos em etapas posteriores da obra, com muita movimentação de 
pessoas e materiais. Por exemplo: se existe um muro de arrimo a ser construído 
na divisa com o lote vizinho, o canteiro deve ser pensado de forma que esse muro 
de arrimo seja construído o mais rápido possível. 
\uf0b7 Quando existir um subsolo que ocupa a totalidade do terreno, elaborar um layout 
provisório de canteiro, pois o ideal é que o canteiro definitivo seja localizado no 
térreo (facilita o acesso). 
\uf0b7 Considerando a inexistência de norma que estabeleça um critério para 
dimensionamento de refeitório, sugere-se o uso do parâmetro 0,8 m2/pessoa. 
Existem duas exigências básicas para definir a localização do refeitório. A 
primeira, comum as demais áreas de vivência, é a proibição de sua localização em 
subsolos ou porões (NR-18). A segunda exigência é a inexistência de ligação 
direta com as instalações sanitárias, ou seja, não possuir portas ou janelas em 
comum com tais instalações. A segunda exigência não implica necessariamente 
em posicionar o refeitório afastado dos banheiros, visto que a proximidade é 
desejável para facilitar a utilização dos lavatórios destes. 
\uf0b7 A NR-24 (SEGURANÇA..., 2003), que apresenta requisitos referentes às condições 
sanitárias e de conforto nos locais de trabalho, estabelece um parâmetro de 1,5 
m2/pessoa para dimensionamento de vestiários. Entretanto, este critério é difícil 
de ser cumprido em canteiros restritos, fato comprovado em um levantamento 
realizado junto a quatorze canteiros de Porto Alegre (RS), nos quais se obteve um 
valor médio de 1,0 m2/pessoa. O vestiário deve estar localizado ao lado dos 
banheiros e o mais próximo possível do portão de entrada e saída dos 
trabalhadores no canteiro. 
\uf0b7 Os banheiros devem estar localizados próximos do vestiário. 
\uf0b7 O almoxarifado deve situar-se idealmente, próximo a três outros locais do 
canteiro, de acordo com a seguinte ordem de prioridades: ponto de descarga de 
caminhões, elevador de carga e escritório. Um almoxarifado de um edifício 
residencial comum ocupa entre 27 e 30 m2. 
\uf0b7 Dimensões usuais de escritórios são 3,30 m x 3,30 m ou 3,30 m x 2,20 m. 
Dependendo da quantidade de funcionários administrativos (engenheiros, mestres 
de obra, técnicos e estagiários) pode-se prever um escritório para cada grupo. Em 
relação à sua localização, requer-se, além da proximidade com o almoxarifado, 
uma posição nas imediações do portão de entrada de pessoas, a qual torne o 
escritório ponto de passagem obrigatória no caminho percorrido por clientes e 
visitantes ao entrar no canteiro. Também é interessante que esta instalação 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 
 
 7
esteja posicionada em local que permita que do seu interior tenha-se uma visão 
global do canteiro, de modo que o mestre e/ou engenheiro possam realizar, ao 
mesmo tempo, atividades no escritório e acompanhar visualmente os principais 
serviços em execução. 
\uf0b7 A Guarita, que deve ficar próxima ao portão de entrada de pessoas e, se possível, 
próxima ao portão de entrada de caminhões. Normalmente as dimensões de 2,20 
m x 3,30 m ou 3,30 m x 3,30 m são suficientes. 
\uf0b7 Para evitar que pessoas (visitantes, vendedores, funcionários) entrem e fiquem 
perdidas no canteiro, uma boa medida é a construção de um acesso coberto para 
entrada de pessoas, delimitado lateralmente. Este acesso deve ser uma passagem 
obrigatória para entrada e saída de pessoas na obra. 
\uf0b7 O portão de carga e descarga deve possuir altura livre mínima de 4,50 m, 
permitindo a passagem de todo tipo de caminhão, e largura mínima de 4,0m. 
\uf0b7 O portão de pedestres deve ter largura mínima de 1,0m. 
\uf0b7 Elevador de carga: as dimensões em planta de 1,80 m x 2,30 m são as mais 
usuais para torres metálicas de elevadores de carga. 
\uf0b7 Distância entre roldana louca e tambor do guincho: esta distância deve estar 
compreendida entre 2,5 m e 3,0 m (NR-18), devendo ser considerada para 
estimar a posição do guincheiro. 
\uf0b7 Baias de agregados: as baias devem ter largura igual ou pouco maior que a 
largura da caçamba do caminhão que descarrega o material, enquanto as outras 
dimensões (altura e comprimento) devem ser suficientes para a estocagem do 
volume correspondente a uma carga. No caso da areia e brita, por exemplo, as 
dimensões usuais são aproximadamente 3,00 m x 3,00 m x 0,80 m 
\uf0b7 Estoques de cimento: as pilhas devem estar a uma distância mínima de 0,30 m 
das paredes e 0,50 m do teto do depósito para evitar o contato com a umidade e 
permitir a circulação do ar. A área necessária para estocagem deve ser estimada 
com base no orçamento e na programação da obra. As seguintes dimensões 
devem ser consideradas neste cálculo: 
o Dimensões do saco de cimento: 0,70 m x 0,45 m x 0,11 m (altura); 
o Altura máxima da pilha: 10 sacos. No caso de armazenagem inferior a 15 
dias a NBR 12655 (ABNT, 1992) permite pilhas de até 15 sacos. 
\uf0b7 Estoque de blocos: a área necessária deve ser estimada com base no orçamento e 
na programação da obra. O estoque deve utilizar o espaço cúbico, limitando, por 
questões de ergonomia e segurança do operário, a altura máxima da pilha em 
aproximadamente 1,40 m. 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 8
\uf0b7 Caçamba de entulho: dimensões usuais em planta de caçambas de entulho são de 
1,60 m x 2,65 m. 
\uf0b7 Caminhões de transporte de madeira: para verificar se estes caminhões podem 
entrar no canteiro e acessar as baias deve-se conhecer o seu raio de curvatura e 
suas dimensões. Dimensões usuais são as seguintes: - raio de curvatura: 5,00 m; 
- largura e comprimento do veículo: 2,70 m x 10,00 m. 
\uf0b7 Caminhões betoneiras: dimensões usuais desses caminhões são as seguintes: - 
raio de curvatura: 5,00 m; largura e comprimento do veículo: 2,70 m x 8,00 m. 
\uf0b7 O posto de produção de argamassa e concreto com betoneira deve situar-se em 
uma área coberta e ficar próximo dos depósitos (baias) de materiais e próximo 
do elevador de carga. 
\uf0b7 As vias de circulação de pessoas e equipamentos no canteiro devem ser 
explicitadas no planejamento de layout através de linhas de fluxo. Na