CAPÍTULO 5 Liderança, Gestão da Mão de Obra e dos Equipamentos2
19 pág.

CAPÍTULO 5 Liderança, Gestão da Mão de Obra e dos Equipamentos2


DisciplinaGerenciamento de Obras367 materiais2.025 seguidores
Pré-visualização4 páginas
profissional, de todos os envolvidos com o trabalho e todos os 
envolvidos com a produção e com o trabalho. 
c) Valor da hora do oficial, de todos os envolvidos com a produção e todos os envolvidos 
com a produção e com o trabalho. 
d) Tempo gasto pelo oficial, de todos os envolvidos com a produção e todos os 
envolvidos com o trabalho. 
e) Tempo gasto pelo oficial, de todos envolvidos com a produção e todos envolvidos com 
a produção e com o trabalho. 
 
8) A razão unitária de produção (RUP) é o principal mensurador da produtividade. O 
indicador está relacionado com 
o esforço humano para produzir 
determinada tarefa, avaliado 
em Homens x hora (Hh) pela 
quantidade de serviço realizado. 
É importante observar que 
quanto maior o índice RUP, pior 
a produtividade. Ou seja, o 
interessante é ter um índice 
RUP cada vez mais baixo. Para 
que se possa comparar RUP de 
obras diferentes, é necessário 
padronizar o critério de cálculo. E para padronizar o critério de cálculo do RUP, é 
necessário considerar quatro aspectos, sendo um deles a definição de quais serão os 
operários evolvidos no cálculo das horas gastas para a execução do serviço. Com 
base nesse critério, e observando a figura acima, os operários que estão dentro das 
elipses 1, 2 e 3 são considerados respectivamente no cálculo dos índices RUP: 
a) RUPglob, RUPdir e RUPap. 
b) RUPcum, RUPglob e RUPdir. 
c) RUPOF, RUPdir e RUPglob. 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 16
d) RUPpot, RUPglob e RUPdir. 
e) RUPOF, RUPdir e RUPcum. 
 
9) O gráfico abaixo apresenta a variação da RUP diária e acumulada do serviço de 
elevação de alvenaria em uma obra civil. A partir do gráfico é possível concluir que: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
a) Ao final de 10 dias o valor da RUP acumulada é maior que a diária do último dia. 
b) Os últimos três dias apresentam RUP acima da média. 
c) A RUP diária é sempre maior que a RUP acumulada. 
d) Em metade dos dias a RUP diária é maior que a acumulada. 
e) Nos primeiros cinco dias, a RUP acumulada apresenta valor superior ao da RUP no 
quinto dia. 
 
10) Os equipamentos (conjunto de máquinas e ferramentas) usados na construção civil 
envolvem uma quantidade representativa de recursos financeiros. A gestão dos 
equipamentos envolve custos Diretos (aquisição ou locação), custos relativos à 
montagem e desmontagem dos equipamentos, custos de transporte, custos de mão 
de obra para operação, custos de operação (energia, combustíveis, lubrificação) e 
custos de manutenção (peças de reposição, desgaste natural). Por esse motivo, a 
reflexão sobre a forma de utilização e as decisões relativas ao planejamento das 
despesas ligadas ao uso de equipamentos se tornam tão relevantes. Sobre a gestão 
dos equipamentos em uma obra de construção civil é correto afirmar que: 
a) A locação de equipamentos, financeiramente, é mais viável que a aquisição. 
b) Grande parte dos problemas com a manutenção dos equipamentos é decorrente do 
mau uso. 
c) Somente em grandes empresas a aquisição de equipamentos torna-se viável. 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 
 
 17
d) Adquirir equipamentos é sinônimo de complicações com manutenção dos mesmos. 
e) Os gastos com locação são inferiores aos de manutenção dos equipamentos. 
 
11) Adquirir um equipamento significa preocupar-se com a manutenção. Muitas vezes, os 
custos relacionados a problemas com os equipamentos (horas paradas, custos das 
peças, gastos excessivos de combustíveis e lubrificantes entre outros) tornam 
inviável a utilização dos mesmos. Por esse motivo, a gestão dos equipamentos deve 
organizar sua manutenção da maneira mais eficiente e mais econômica possível. A 
manutenção dos equipamentos pode acontecer de forma Preditiva, Preventiva e 
Corretiva. Diferencie os três tipos de manutenção, definindo cada um deles. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
12) O que são os chamados equipamentos de produção? Cite três exemplos desse tipo de 
equipamento. 
 
 
 
 
 
 
13) O que são equipamentos de suporte provisório? Cite três exemplos desse tipo de 
equipamento. 
 
 
 
 
14) Entre os equipamentos de segurança, temos os equipamentos de proteção individual 
e os equipamentos de proteção coletiva. Diferencie os dois tipos de equipamentos de 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 18
segurança e dê três exemplos de cada um dos tipos. 
 
15) O que são equipamentos de controle em uma obra de construção civil? Cite 3 
exemplos de equipamentos de controle. 
 
 
 
 
16) Em uma obra de construção civil temos equipamentos de transporte fixo, semifixos e 
móveis. Apresente três exemplos de cada um dos tipos de equipamento de 
transporte. 
 
 
 
 
17) Quais são as principais recomendações a serem seguidas na manutenção de uma pá 
carregadeira? 
 
 
 
 
 
 
18) Quais os cuidados necessários para se evitar o entupimento de uma bomba projetora 
de argamassa? 
 
 
 
 
 
19) Quais são os principais componentes a serem verificados na manutenção de um 
elevador de cremalheira? 
 
 
 
 
Prof. Luciano da Costa Bandeira 
 
 
 19
 
 
GLOSSÁRIO 
Classificado \u2013 Classificar um profissional é registrar na carteira uma função profissional 
da construção civil, por exemplo, a função de pedreiro, pintor, armador, carpinteiro, 
eletricista ou encanador. Normalmente, os serventes e ajudantes lutam para serem 
classificados. 
Índice de conformidade \u2013 percentual do item que está de acordo com um padrão pré-
estabelecido. 
 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
CARDOSO, Francisco et al. Gestão de Equipamentos. São Paulo: PCC, 2007. 
COSTA, Dayana B. Indicadores de produtividade na construção civil. Disponível em 
http://www.comunidadedaconstrucao.com.br/ ativos/42/modulo-3-indicadores -de-
produtividade -na - construcao-civil.html, acesso em 08/03/2013. 
GIRIBOLA, Maryana. Manutenção em dia. Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO. Disponível 
em:http://revista.construcaomercado.com.br/guia/habitacao-financiamento-imobiliario/139/ 
manutencao-em-dia-cuidados-com-os-equipamentos-moveis-devem-277137-1.asp, acesso em 
12/03/2012 
NAKAMURA, Juliana. Como Liderar Pessoas. Revista EQUIPE DE OBRA. Disponível em 
http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/49/como-liderar-pessoas-muitas-
vezes-engenheiros-e-mestres-de-261026-1.asp, acesso em 12/03/2013. 
SOUZA, Ubiraci Espinelli Lemes. Gestão da mão de obra na construção: Iniciativas 
do?de? gestão do capital humano ligadas à produção. Revista PINIWEB. Disponível em: 
http://revista.construcaomercado.com.br/guia/habitacao-financiamento-imobiliario/108/ 
gestao-da-mao-de-obra-na-construcao-iniciativas-de-177462-1.asp, acesso em 
12/03/2012. 
SOUZA, Ubiraci Espinelli Lemes. Como aumentar a eficiência da Mão de obra: manual de 
gestão da produtividade na construção civil. São Paulo: Editora PINI, 2006.