FORÇAS INTERMOLECURALES   PESQUISA
10 pág.

FORÇAS INTERMOLECURALES PESQUISA


DisciplinaQuímica Inorgânica I4.164 materiais35.487 seguidores
Pré-visualização3 páginas
para manter as ligações de hidrogênio. Assim, visto que a energia das ligações de hidrogênio na mistura é menor que a dos líquidos separados, quando misturamos os dois líquidos, ocorre a liberação da energia excedente na forma de calor
Ligação de hirdogenioA ligação de hidrogênio, muitas vezes erroneamente referenciada como ponte de hidrogênio, é um dos tipos de interação intermolecular (os outros são íon-dipolo, dipolo-dipolo e forças de London) \u2013 portanto não pode ser considerada uma ligação covalente \u2013 que confere certa estabilidade nas ligações com átomos de alta eletronegatividade.
Frequentemente, podem ser observados líquidos com altos pontos de fusão justamente por apresentarem interações do tipo ligação de hidrogênio que necessitam de muita energia para serem rompidas. Às vezes, mesmo quando um líquido sofre ebulição total, várias ligações desse tipo podem permanecer na fase vapor: em uma determinada massa de ácido acético, por exemplo, vários dímeros são coexistentes com a forma H3CCOOH:
Como pode ser visto no esquema acima, o grupo OH de uma molécula de ácido acético liga-se com o átomo de oxigênio da outra. Formando, então, a ligação de hidrogênio.
Aspectos da ligação de hidrogênio
O hidrogênio só consegue formar esse tipo de ligação com outro átomo se, e somente se, sua carga parcial for positiva. Pois assim, pode aceitar um par eletrônico (ligação covalente coordenada).
No caso do ácido acético, tomando o hidrogênio do grupo OH, pode-se perceber que o par de elétrons compartilhado está mais próximo do átomo de oxigênio (mais eletronegativo). Portanto, o hidrogênio possui, nessa ligação, carga parcial positiva. E, ainda, por ser um átomo pequeno, consegue ser atraído por um dos pares eletrônicos isolados de um átomo de oxigênio (que possui 3) de outra molécula.
Daí surge uma interação extremamente forte ocasionada pela carga parcial positiva do hidrogênio com esse par eletrônico isolado: a ligação de hidrogênio propriamente dita.
Na água também ocorre interações de hidrogênio:
Que a ligação de hidrogênio ocorre entre átomos de alta eletronegatividade é indiscutível. O que muitas vezes pode fugir à literatura é considerar apenas o nitrogênio, o flúor e o oxigênio como os potencias átomos para tal interação. Ora, existem outros átomos também muito eletronegativos (como o de cloro) que podem experimentar tal fenômeno. Assim, não é justo limitar o universo de possibilidades para apenas o grupo N,F,O.
As verdadeiras pontes de hidrogênio
As pontes de hidrogênio não são sinônimas de ligações de hidrogênio, pois, mesmo que possuam tal espécie em comum, são situações completamente diferentes: as pontes de hidrogênio representam um arranjo molecular constituído por 2 elétrons divididos entre 3 átomos (3 centros, 2 elétrons):
Na diborana (B2H6), por exemplo, dois átomos de boro estão ligados entre si pela presença de átomos de hidrogênio que formam, literalmente, uma ponte entre eles. Assim, a espécie BH3 não é evidenciada, mas o seu dímero.
Nesse exemplo, 2 elétrons do hidrogênio de cada ponte são divididos para os 2 átomos de boro (logo, 2 elétrons e 3 átomos \u2013 BHB).
http://www.infoescola.com/quimica/ligacao-de-hidrogenio/
dipolo - dipolo
Como o próprio nome diz, são interações entre moléculas que apresentam um dipolo permanente, ou seja, fazem referência a moléculas polares. Moléculas polares são aquelas que apresentam uma distribuição não uniforme da carga elétrica ao longo de sua superfície. Elas apresentam uma extremidade mais eletropositiva e a outra mais eletronegativa. Dessa forma, a molécula polar adquire um dipolo elétrico permanente que interage com as outras moléculas de sua vizinhança.
Isso pode ser visualizado no caso do HCl. Visto que o cloro é mais eletronegativo, ou seja, atrai com maior força o par de elétrons do que o hidrogênio, ele constitui a parte negativa da molécula. E, consequentemente, o hidrogênio é a parte positiva. Esse dipolo elétrico pode ser representado da seguinte forma: 
Assim, entre suas moléculas há uma atração, pois o polo positivo de uma molécula (H) atrai o negativo de outra (Cl), conforme é mostrado a seguir.
Desse modo é um dipolo permanente de uma molécula sendo atraído pelo dipolo permanente de outra. E quanto maior for a polaridade da molécula, mais intensas serão as interações dipolo-dipolo.
Em substâncias sólidas, a formação desse dipolo permanente faz com que haja a formação decristais dipolares.
É possível também haver uma interação parecida com essa, que é a interação íon-dipolo, em que um íon é atraído por um polo de uma molécula polar. Por exemplo, ao adicionarmos cloreto de sódio, que é o sal de cozinha, na água, haverá sua dissociação iônica. O que significa que seus íons (Na+ e Cl-) serão separados. Essa separação é resultado da forte atração entre esses íons já presentes nas moléculas do sal e os polos da água, visto que ela é polar.
Quando isso ocorre, os íons ficam circundados pelas moléculas de água e dizemos que eles estão hidratados.
As forças intermoleculares são forças de atração que ocorrem entre as moléculas (intermoleculares), mantendo-as unidas, e são bem mais fracas, quando comparadas às forças intramoleculares (ligação iônica e covalente), encontradas entre íons e átomos, que formam a substância. As forças intermoleculares referem-se às forças de atração entre as moléculas. Quando duas moléculas se aproximam há uma interação de seus campos magnéticos o que faz surgir uma força entre elas. É o que chamamos de força intermolecular. É importante observar que os estudos das forças intermoleculares atem-se somente a substâncias covalentes, sem incluir ligações iônicas ou metálicas.
As forças intermoleculares são aquelas responsáveis por manter moléculas unidas na formação dos diferentes compostos, elas se classificam em:
Força Dipolo \u2013 Dipolo ocorre entre moléculas polares, que apresentam uma extremidade positiva e outra negativa, ou seja, a molécula possui polos. A magnitude desta polaridade está refletida no momento de dipolo (µ) da substância.
As moléculas de acetona de um removedor de esmalte de unha são polares (µ = 2,88 D) porque o átomo de carbono na ligação dupla C=O tem uma pequena carga positiva e o oxigênio, uma pequena carga negativa por causa de diferença de eletronegatividade.
O resultado é um líquido em que as moléculas se mantém unidas por uma extremidade positiva e outra negativa:
Força Dipolo-Induzido: é causada pelo acúmulo de elétrons em determinada região da molécula. As interações intermoleculares presentes nas moléculas apolares são as dipolo-induzido, mas não ocorre o tempo todo, a distribuição de elétrons na eletrosfera dessas moléculas é uniforme. Contudo, em algum instante ocorre um acúmulo de cargas \u3b4 + e \u3b4- (pólos) nas extremidades, é aí que as forças dipolo-induzido aparecem, e como o próprio nome já diz, elas induzem as moléculas vizinhas a também entrarem em desequilíbrio.
Força Dipolo Induzido \u2013 Dipolo Induzido ocorre entre moléculas apolares. Como os elétrons dentro de uma molécula estão em constante movimento, podem ocorrer flutuações nas densidades eletrônicas que acontecem em torno dos núcleos das moléculas apolares, o que provoca leves distorções nas nuvens eletrônicas das moléculas apolares vizinhas, exemplo Br2, que é um líquido em temperatura ambiente.
Força de Ligações de hidrogênio: Quando ligado a um átomo pequeno e de forte eletronegatividade (F, O ou N), o hidrogênio forma ligações polares muito fortes. Seus pólos interagirão fortemente com outras moléculas polares, formando uma forte rede de ligações intermoleculares.
Apesar de o nome ser ligação, ela não acontece dentro da molécula, e sim entre moléculas. É uma interação extraordinariamente forte entre moléculas polares, portanto, não deixa de ser uma interação dipolo-dipolo, no entanto, acontecem com moléculas que possuem  H ligados a átomos muito eletronegativos, como: H-----N     ou     H-----O   ou   H-----F.
O Hidrogênio nesta molécula polar irá se unir covalentemente