O Congresso da Virada e os 30 Anos da Revista
15 pág.

O Congresso da Virada e os 30 Anos da Revista


DisciplinaServiço Social29.063 materiais110.232 seguidores
Pré-visualização9 páginas
B^1§ Bp i1n1 oJcyu1 z;n1 rp luorsccr o1.rg,rou;tt o,zz
'(gJ eurd '0002) fâ^ry â (6651) lanEppog .1g651y EqâqreuBI^I .(t661 ) sounluv,íZg6l) tirrrrr{ .Io ,ol$,!c
'ade uprlcuurJrprns E ú!d-,oür§,lscrpulso^ou,r o ouoc rusJBuSrrâp sunEln cnh o opun,tnirpuop ,J7
'(§66r)ourpq e (§661) uqog .(6961) so.ri0p?hl .§orno âJtuí ..J' .râFp Eâr3cE:8rBl.JO§ §oluíutlÀ0ur ro^r,u ríírt,liluÚqr§o oJqo6 !;cedsc ure .â BlÍuuníuoc rlanbuu sgrlcoe soluâEr.^out so ergos uuu:Eortqlq rrfuup y11 ,67
sturu ssserdxe es opu yfurnpqJp q ogSlso dou,OL6Iâp spec?p Bp trrg oV.(BglIC
â Igv:gvo) ;;^rc âpupârcos ?p seJcu?Eu seurntlu ú, 
"pnrl"puoc ogÕ1s6cro upsercugtpa sq §rs,§rrn ap plcos attodns urn ooeJâJo e aru18a.l op selslíolu.Dss
soJed olsodord o anb srcur olrnrrr Jpprrurrrâp ? gOW ou úputucserdor usanE:nq
ogágsodo e osyqo,srurcos soluâufltour sop olunfuoc o opuezruü^lu8 .ucn;1o,1
uuerB Bu epg.ledo âssBIJ Bp ogsJâruâ V.sopurâllg orülp nes o e ogSc.lrp nns B utâl
'ertuoJâJlolne ep ota{afi o tuoc oper8ugep ossacotd o:ezrp olurr ,opàncessorit
Bns 8 
- 
op'zpuurelqo:d eluâru,Inpâru oBlus es-gi uuroJúotn* ,p cnafr»cr nas
o s,ru 'E IlBI',Iur âp apupJcuduc uns B âlu\u20acurBlelduroc ap:ed opu alsg .atul'ar ou
ucgqgd ogSlsodo uu epupgnrsnlcxe p Jel ep.1ryNrap lucJtgrcourep oluo.l,y up ogSorlp
s opue3Jâxo r,uErlurl oguâ ?t1anb ,susen8.rnQ.s?fueg su a.upaqu nruroJ Iluol uJnp
-Blrp ? Brcu?lsrsil y'opâulndcd rp solueu8es'so1duu.uc1a1c op5ud1clt.ru<Í u uJedEzIIJqou.e uuedsep 'euuqln ?ss'ru zp sup'uudei àrü1cos-,cruguoJe s'pu,rrrâpâp IEpnBc o 'JEIJolqJpnue ocrryJod opquss .,n erlJ-opurrêJuàc o .oarsuoc opusl
-suJr, :oopfiod ossecord ou ure3u4a u.,n s:âdo o,.,giráo-u*rguotqord 6
ofl o1, ot s1u o1 un - apott,ur*,rrri'Íjji:fr&quot;i&quot;'r'#,tT;iffi yfii':;H,frfiIff 3
-üwseur '§rucrpu-rs sulnl sV t..opupr^Fuqruoo BpcJaualod ruoc ogóuzrJelln rp;dgrnoluauruadxo pelpurs ogsuzruu8ro ufnc .ur.rgleclo essulc ep .Jcpl1od auâJE Bu
'oE5'rasuler ulad sopuzruun;uB es-tue-lra 'u1s1s:su1c11od rolyiuc 
&quot;p 1rr.â *, 
.solueru
-l^our slBJ or'So;tau e sâJeqrnu âp â lprr,puso ,urlsoJuc E E.nuoc ,unsruu eled
'soÍlno eJluo'soluaurr^ou so 
- 
sepuzluolu oguâ ?lB segssardxe u elrodns opugpun^Etse anb a suppuuda; alueuepo3i segSurdsu'a roiur*&quot;p 
&quot;*1ãr, o Eruo'\u20aclnl Eu nosllBlec a nolrdrce.ld .elueurrâuulJnuls e .oJlno ep Íglqug osretrun op
899 6@Z'zep / &quot;tfio' g LÊOg g'd .OO I .u .olnad oÊS rcos .côg,ruos
z,99
íii'i r),i
-. 
í)-
! ,l-
.-'o*.oi,--&quot;,cd,
&quot; &quot; \. ú
--rL
tJ
-O&quot; t -t r,',2aCv art,'(l tü t)Jr,rfi
osssj0uQ lll0:Buoc rus lBtcos oóruas 0
. 'IIsBrg
ou sâluâJeJirp s\u20aclJglelco§ segSefiord ered sagálpuoc Bu, e lBlrolBllp eurJSar op .#
og5nporder B ?zlllqurÁq'ls5ue^E u usen3:nq og5lsodo e aladuroc ;Iguruuâl il.
oluiluoru n⧠B znpuoc B ê 016I §ous sop [8uu ou le^rsl^ quourEJrelq B-8ruo1 _,ir ;
'tE.rJolBUp eu1â* op âsp1p.?-Jrol q zuq opa:edo ourspo8qo.rd o :uuns urg ' 
.;;
.sqs18a1u4se sn&quot;s sop solnclgc so opungas nozrluor es ogu
elsa a u18gxe ÉuuoJâüotne ep oteford nas o enb p1ús ocolq o reincrlru epgd ogu
au48u o 'oursetu olst t6rd's 
- 
ggssnEmq a susantmq-ouanbed esselc ep sufuur;
ureJBSarEB os anb E 'sopBIJuIBssu ep osJoÀFm oeugtorqeq a ou:rss;1duru urn 
.ri.§eur 'gpulJslel0rd o gs ogu oprrBzrnqou e opuâ lo^ue upg:ado rprenSuu,r u uoc :Í:
'socJgr.u snãs so Bsu Brxe :sgnErnq 4uozlJor{ op sâlIuÍrÍ sou ssuedu quârueuoqs 
.:i, ,
(
{
(
t
i
(
i
(
(
(
{
(
(
(
(
t
{
(
(
(.
(
(
I
;
(
Tbdavia, o notável, na tradição db Serviço Social no BrasíL, é que só se
destaca a participação polttica (especialmente pol{tico-partidária) dc assistcntes
sôciais, quase sempre como algo &quot;negativo&quot; ou &quot;prublemdtico&quot;, quando ela
se dd em rtefesa de causas e ideías vinculadas à esquerda. Assim, sío acusados
de &quot;politizar&quot; (ou mesmo &quot;partidarizar&quot;) o Serviço Social tão somente aqueles
assistentes soeiais guê se alinham com projetos socialistas, enquanto aqueles
que servem à ordem estabelecida 
- 
qualquer que seja ela 
- 
são geralmente
ui.tor 
&quot;o*o 
os guardiões da essência profi§§ional. E§te fato, por si só, é um
Índice do profundo conserttadortsm.o que marca o Serviço Social no Brasil e
que, tâmbém em nosso paÍs, remetÊ ao truque bâÍâto do &quot;apoliticismo&quot;. (Quanto
ao &quot;apoliticismo&quot;, vale lembrar a observação justa e irônica do grande ensafsta
lusitano Antônio Sérgio, §egundo a qual quem diz não gostar de política certa-
mente adora política con§erYadora.)
Por tudo isto, é preciso tratar com cuidado a generalizada noção §egundo
a qüal o III Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais trouxe o §erviço Social
à cena polÍtica em face do regime de abril. Na verclade, o Serviço Social nunca
estevc ausente dacena polÍtica durante o ciclo ditatorial aberto coln o golpe de
,abril dc 1964,'Ao longo de todo o ciclo ditetorial, incontável contingente de
assistêntes sociais apoiou-o abertamente(sejaporconvicções, §ejaporopoÍtuni§-
mo); inúmeros assistentes sociais aesumirarn 
- 
por indicação política 
- 
sargos
e postps de.responsabilidade em órgãos estatais e públicos; vÁrios assistentes
sociais assessorarsm servenlu{dos da ditaduÍa e alguns foram mesmo distin-
guiaor p&quot;to regime e seu{rrt*'&quot;&quot;}É fato gue o grosso da categoria profissional
atravcssou aquelcs anos teriiíei§sem tugir ncm mugir. Nada é mais falso do que
imaginar que o nosso corpo proffssional (nele incluÍdo§, nâturalmente, docentes
e discêntes) foi um coletivo de perseguido§ ou um §orajoso destacamento da
resistência democrática.
Mas é igualmente falso §upoÍ que todo esse corpo profi§sional foi um
obediente batalhão â bâtcr conÚngncia aos dono§ do porler. De 1964 a L979,
uma diminuta minoria de profissionais, docentes e estudantes resistiu à ditddura
petos meios que encontrou, ê boa parte deles recebeu do iegime a resposta do
rcrror cstatal 
- 
também Êm nos§o polpo profi§sional contam-se exemplos de
dcstemoÍ, fidelidade a gÍandes ideais, sacriffcio§, solidariedade, enfim gÍan-
deza humana em meio a perseguiçbe§, toÍtura, prisão e exÍlio, Efetivamente,
.na imediata §eguência do golpe de jl&quot; de abril de 1964, dezenas de assistentos
sociais foram objeto de perseguiçãô, e muitas agências de formaçáo (escolas,
,\iit.i \ ) .\
i'
6&
(
(
(,
i
i
t
I
I
\
'\ [}!' ,.,lrifAE
'qtr
-É.
/'dt*
,§ o&quot;
faeuldades) sofreram constrangimentos ponderáveis, envolvendo seus corpos
docentes e discentes. B, no perÍodo entÍe o golpe e a edição do AI-5, os impac-
tos da luta antiditatorial refletiram-se entre assistentes sociais e, especialmente,
entrejovens estudantes de Serviço Social, conduzindo-os a mobilizações contra
o regime de abril. Enfirn, no momento de auge do regime ditatorial, não poucos.
profissionais, docentes e estudantes foram alvo da sanha repressiva, engrossando
ó rót aas vÍtimas do terror estatal. Em suma, profissionais, docentã ô estudan;cs
de Seruigo.Social marcaram presença na resistência democrática e no combate
à autocracia burguesa.
Não são estes, porém, os tÍaços que peculiarizam, do ponto de vista polí-
tico, a situação do Serviço Social sob a autocracia burguesa- afinal, o quadro
que se pode identificar em outras áreas profissionais não é substantivamente
diverso: também nelas a resistência democrática não teve caráter massivo ou
abrangente, ganhou forças com eriormes obstáculos e dificuldades etc. Neste
aspêcto, o que particulariza a siruação do Serviço Social (embora, numa análise
mais abrangeü-le de outras categorías prufissionais, possam ser identificadas
situações similares) é a t?r4ia manifestação opositiva à ditadura por parte'das
instârcias efóruns repneser:tativos da categoria pruifissíonal:13 o que se sobres-
saí, quando se estuda o Serviço Social sob a aatocracia burguesa, é a olímp,ica
!L*::*!W&quot;&quot; dessas instâncias efóruns emface do regime ditatorial. DeJaio,
e t\; nqs suíts cxpressões itnperaram, até
Hannah
Hannah fez um comentário
tem como me enviar este documento por email????
0 aprovações
Carregar mais