Resumo Proc Penal Prisão
6 pág.

Resumo Proc Penal Prisão


DisciplinaDireito Processual Penal I20.999 materiais168.865 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Revogação da provisória = restaura-se p. flagrante = réu não comparece aos atos procesuais 
Espécies de liberdade provisória: 
a) obrigatória \u2013 direito incondicional do acusado. Ocorre qdo. réu se livra solto. 
b) permitida \u2013 ocorre nas hipótese de não caber preventiva (310) ou em que réu pronunciado (408 $2) ou 
condenado por sentença (594) \u2013 pode permanecer em liberdade. 
Sub-divisão: 
a) Com e sem fiança \u2013 portanto pode ser para crimes inafiançáveis 
 4
b) Não vinculada e Vinculada (O réu é obrigado a comparecer a todos os atos processuais (ouvir MP)) 
c) Vedada: qdo. é proibida por lei. Ex. crimes hediondos. 
d) Sem vínculo e sem fiança 
Réu se livra solto (321 I II CPP) hipóteses: 
a) infração não tiver como sanção a privação de liberdade isolada, cumulada ou alternativamente cominada; 
b) infração tiver como sanção pena privativa de liberdade cujo máximo não exceder 3 meses 
Não se livra solto: 
a) se já foi condenado por crime doloso 
b) é vadio 
Pronúncia (408 $2 CPP) 
Réu primário e de bons antecedentes. 
Recebe provisória sem fiança e sem vinculação = depende do juiz. 
Se já estava preso: O juiz poderá conceder provisória, se não persistirem os motivos da preventiva. 
Sentença condenatória recorrível (549 CPP) 
Réu primário e de bons antecedentes. 
As mesmas peculiaridades da hipótese anterior. 
Liberdade provisória mediante fiança 
A lei apenas admite quais infrações não admitem fiança. 
Distinção entre: 
Liberdade provisória: 
a) permanecem os motivos da cautelar anterior (flagrante) e a prisão é substituída pela liberdade provisória 
b) não vale para crimes hediondos, tortura, tráfico e terrorismo 
Relaxamento da prisão em flagrante: 
a) concedido segundo o art. 5 CF 
 
DO CADERNO \u2013 L. Provisória: 
1. Diferente de relaxamento 
2. Pressupõe: a) Flagrante ou, b) por pronúncia ou, c) recorrente de sentença condenatória recorrível 
3. É incompatível com P. preventiva (atacada por pedido de revogação) e com prisão temporária (não atacável 
por recurso, reclama fruição do prazo). 
 
 
 
 
FIANÇA 
Quem fixa? Delegado não pode qdo houver reclusão 
Valor: 325 
Modalidades: a) Real ou legal (depósito, penhor ou hipoteca); b) Fidejussória 
Obrigações do afiançado (327, 328, 341, 310 CPP): cumprir o determinado 
Descumprimento das obrigações: Se absolvido não devolve o valor. 
Cassação da fiança: decisão do juiz. Devolve o valor. 
Quebra da fiança: a) não cumpre com obrigações; b) Se cometer outro crime em seguida = perde ½ do valor se 
for absolvido. 
Perda da fiança (344): Se mão se recolher a prisão perde o valor. 
Restituição da Fiança: 
a) réu condenado = paga custas, indenização da vítima ou multa; 
b) réu absolvido = devolve para ele = se tiver quebra da fiança, só recebe ½; 
c) Se houver extinção da punibilidade pela prescrição: c1) da pretensão executória = fiança vai para custas do 
processo, c2) da prescrição da punição preventiva = $ volta para réu. 
d) Se o processo for arquivado = devolve $ ao sujeito, mas se quebrar recebe ½. 
 
TEORIA GERAL DOS RECURSOS 
Direito público subjetivo de se pedir o reexame de uma decisão. 
 
 5
JUÍZOS DOS RECURSOS 
a) Prelibação \u2013 recebimento + conhecimento (um pode existir sem o outro) 
b) Delibação \u2013 provimento ou não 
 
FUNDAMENTOS DOS RECURSOS 
a) falibilidade humana 
b) necessidade psicológica da parte 
 
PRESSUPOSTOS RECURSAIS 
a) natureza lógica \u2013 decisão antes 
b) natureza fundamentada \u2013 existência de sucumbência (pretensão não reconhecida) 
c) natureza objetiva: c1) autorização legal (previsão legal), c2) adequação (dentre os previstos escolhe um), c3) 
tempestividade (no tempo), c4) observação das formalidades legais (ex forma escrita). 
d) natureza subjetiva: d1) interesse recursal (advém da sucumbência), c2) legitimidade recursal, d3) 3o 
interessado pode recorrer (o 3 é o assistente de acusação, ou seja, que tem interesse em condenar) 
 
SUCUMBÊNCIA 
a) única \u2013 só uma das partes sucumbe 
b) Múltipla: b1) paralela = partes no mesmo pólo; b2) recíproca = partes em pólos diferentes 
 
JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE 
a) a quo \u2013 que decidiu 
b) ad quem \u2013 que vai rever 
Obs.: Não tem vínculo um com outro. 
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RECURSOS 
a) Extraordinário = qdo. colide com CF (102 III) 
b) Ordinário \u2013 que sobram 
c) Especial \u2013 qdo. colide com legislação infra constitucional (105 III 
 
RECURSOS ORDINÁRIOS 
Apelação 
Em sentido estrito 
Embargos infringentes 
Embargos de declaração 
Carta testemunhal 
Correição parcial 
Recurso ordinário constitucional 
Recurso de agravo (de instrumento) 
 
FUNDAMENTAÇÃO DOS RECURSOS 
a) Vinculada \u2013 exige declaração de pressuposto legal 
b) Livre \u2013 outros 
 
ESPÉCIES DE RECURSOS VOLUNTÁRIOS (574 CPP) 
É específico \u2013 reexame pelo juiz. O juiz manda subir. 
a) decisão que concede HC em 1a instância 
b) decisão que absolve réu sumariamente no júri 
c) sentença de reabilitação (746 CPP) 
d) absolvição contra saúde pública ou economia popular 
Obs.: Enquanto não apreciada em 2I, a decisão não transita em julgado (ver a e d acima) 
 
 
CLASSIFICAÇÃO DO RECURSO NO CPP 
a) Voluntário; 
 6
b) Ex officio (574 CPP) \u2013 Ex. absolvição sumária, e sentença que concede reabilitação do réu 
 
EFEITOS DOS RECURSOS 
a) Devolutivo = subir para 2a 
Obs: Proibição da reformacio in pejus. Mas no provimento da acusação pode piorar (não é provimento da 
acusação) 
b) Suspensivo \u2013 degressivo = suspende a execução da decisão. 
Recurso em sentido estrito não tem efeito suspensivo. 
Crimes hediondos só tem efeito devolutivo. 
c) Extensivo (580) \u2013 os outros usufruem. Só não vale se for de caráter pessoal. 
 
EXTINÇÃO NORMAL DOS RECURSOS 
Qdo é julgado. 
O Mp nunca pode desistir de processo penal. 
 
EXTINÇÃO ANORMAL DOS RECURSOS 
a) Falta de preparo \u2013 para o Estado de Sp em sede de ação penal privada 
b) Deserção \u2013 se não se recolher a prisão, ou se foge. Não se levanta com a recaptura. 
c) Desistência do recurso 
 
PRINCIPIO DA UNIRRECORRIBILIDADE = singularidade (593 4 CPP) 
Para cada decisão, um só recurso. 
Exceções a este princípio: 
a) protesto por novo júri + apelação 
b) recurso especial + recurso extraordinário 
c) embargos infringentes + recurso extraordinário 
 
PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE (579) 
Se não há má-fé (a boa-fé deve ser provada). 
Pode entrar com recurso errado, mas no prazo certo do recurso certo. 
 
GENERALIDADES SOBRE RECURSOS 
- MP não pode desistir. 
- pessoas legítimas a recorrer (577 CPP) 
- crime de ação penal privada e o MP como litisconsorte = Se sentença absolutória = não pode recorrer sozinho, 
pois precisa do querelante. 
- sentença absolutória = o réu pode apelar (386 I) 
- MP não pode apelar de sentença absolutória porque falta sucumbência 
- MP pode recorrer em favor da parte. 
	PROCESSO PENAL
	TIPOS DE P. PROCESSUAIS, CAUTELARES OU PROVISÓRIAS
	LIBERDADE PROVISÓRIA
	FIANÇA
	RELAXAMENTO DA PRISÃO FLAGRANTE (5O LXV CF)
	ARTIGOS MANDADO DE PRISÃO
	ARTIGOS PRISÃO PREVENTIVA
	PRISÃO PREVENTIVA
	PRISÃO TEMPORÁRIA
	PRISÃO POR PRONÚNCIA (282 E 408 $2 CPP)
	LIBERDADE PROVISÓRIA
	Liberdade provisória mediante fiança
	FIANÇA
	Quem fixa? Delegado não pode qdo houver reclusão
	TEORIA GERAL DOS RECURSOS
	JUÍZOS DOS RECURSOS
	FUNDAMENTOS DOS RECURSOS
	PRESSUPOSTOS RECURSAIS
	SUCUMBÊNCIA
	JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE
	CLASSIFICAÇÃO DOS RECURSOS
	RECURSOS ORDINÁRIOS
	FUNDAMENTAÇÃO DOS RECURSOS
	ESPÉCIES DE RECURSOS VOLUNTÁRIOS (574 CPP)
	CLASSIFICAÇÃO DO RECURSO NO CPP
	EFEITOS DOS RECURSOS
	EXTINÇÃO NORMAL DOS RECURSOS
	EXTINÇÃO ANORMAL DOS RECURSOS
	PRINCIPIO DA UNIRRECORRIBILIDADE = singularidade (593 4 CPP)
	PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE (579)
	GENERALIDADES SOBRE RECURSOS