Resumo Direito Constitucional   Aula 01
14 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 01


DisciplinaDireito Constitucional I69.742 materiais1.608.092 seguidores
Pré-visualização5 páginas
o povo é chamado a atuar e participar efetivamente dos 
negócios públicos, não só através do voto, mas elaborando políticas públicas por 
exemplo. 
\u2022 Integracionalidade: fenômeno já vivenciado na atualidade, sendo a integração 
dos Estados em entidades supranacionais. Ex.: União Europeia. 
 
1.6. Constitucionalismo Internacional ou Globalizado 
Como o nome já indica, não está inserido em um Estado soberano, mas na 
comunidade internacional, sendo o direito internacional hoje fundado nos direitos 
humanos. Com isto surge, em especial, a Declaração Universal de Direitos Humanos de 
1948, que é o principal documento versando sobre direitos humanos internacionais 
atualmente. 
 
 
 
 D. Constitucional 
Data: 29/08/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 7 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
2. Conceitos Importantes 
 
2.1. Neoconstitucionalismo 
É a abertura da interpretação constitucional aos influxos da moralidade crítica, 
implicando a mudança do estado legislativo de direito para o estado constitucional de 
direito. 
O positivismo jurídico caracteriza-se pela não aceitação da comunicação entre 
direito e moral. A norma não pode ser valorada segundo esta doutrina, não sendo 
possível que se afirme ser a norma justa ou injusta, boa ou má. Ao intérprete, cabe 
apenas aplicar a norma se ela for válida. 
A verificação da validade da norma, para o positivismo, é possível desde que 
não implique numa valoração, o que ocorre quando se verifica sua compatibilidade 
com a norma superior. O problema deste raciocínio é que não importa o dito pela 
norma, se estiver de acordo com a constituição, deve ser cumprido, o que foi usado 
como defesa pelos nazistas no Tribunal de Nuremberg. 
Nesse contexto, observa-se a necessidade de aproximação do direito com a 
moral, chamada de Virada Kantiana do Direito, resultando no Princípio da Dignidade 
da Pessoa Humana. A moralidade de que se fala é a racional. Essa abertura para os 
influxos da moralidade crítica é a ideia do neoconstitucionalismo. 
O direito não é um fim em si mesmo, mas o homem é um fim em si mesmo, 
motivo pelo qual o direito tem que se fundamentar na dignidade da pessoa humana, 
que tem eficácia irradiante para todo o direito. Nessa linha, Paulo Bonavides diz que 
\u201contem o Código Civil, hoje a Constituição\u201d, porque antes o CC era o centro das 
relações, mas hoje este é ocupado pela CR. 
O neoconstitucionalismo trata-se, pois, de uma abertura do direito para valores 
substantivos, ou seja, valores morais, éticos, políticos, filosóficos, históricos etc. 
 
2º Horário 
 
 2.2. Transconstitucionalismo 
 Sugere-se a leitura do autor Marcelo Neves, que trata e desenvolve o referido 
conceito. 
Significa que certos problemas constitucionais repercutem em jurisdições 
distintas. 
 D. Constitucional 
Data: 29/08/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 8 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Um exemplo é o caso aqui no Brasil da Lei de Anistia: os perpetradores das 
violações de direitos humanos, por conta da concessão de anistia, não foram punidos, 
havendo dúvidas quantos à compatibilidade da lei com a CRFB/88. Esse problema não 
repercute apenas no Brasil, mas internacionalmente, pois o Brasil é signatário do Pacto 
de São José da Costa Rica, que veda a não punição destas pessoas. Com isto, o STF 
entendeu que a Lei de Anistia é compatível com a CRFB, mas o Tribunal Internacional 
entendeu que a mesma não é compatível com o Pacto da São José da Costa Rica. 
 Outro exemplo é o da princesa de Mônaco: fotografada em seu espaço de 
privacidade, o Tribunal Alemão decidiu que ela não tem direito à privacidade como os 
demais cidadãos por ser pessoa pública. Ela recorreu ao Tribunal Europeu, que decidiu 
em contrário. 
 O efeito é a proteção multinível dos direitos, ou seja, há mais de um nível 
concomitante. A solução é a adoção de um modelo de articulação ou modelo de 
entrelaçamento transversal entre ordens jurídicas, segundo o qual não se deve buscar 
um modelo de prevalência de uma decisão sobre a outra, que gera disputa, mas as 
normas devem ser conjugadas, a fim de que se chegue a uma solução conjugada entre 
os tribunais distintos. 
 
2.3. Interconstitucionalismo 
É a relação entre diversas constituições em um mesmo espaço jurídico, 
podendo haver a concorrência, a convergência ou a justaposição entre elas e os 
poderes constituintes. 
Um exemplo deste interconstitucionalismo ou desta rede de constituições seria 
dentro de um Estado Federal, onde há a CR (República) e as CEs (em cada Estado-
membro). A CR é superior às CEs, resolvendo-se os problemas pela hierarquia. 
Outro exemplo é a existência de constituições num mesmo espaço quando em 
jogo diversos Estados soberanos. Ex.: União Europeia: é um espaço político, onde cada 
Estado tem sua Constituição, mas são membros da comunidade maior. O problema, 
nesse caso, é mais complicado, pois não é possível resolver o conflito pela simples 
hierarquia. 
 
 
 
 
 
 D. Constitucional 
Data: 29/08/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 9 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
3. Histórico das Constituições Brasileiras 
 
3.1. Constituição de 1824 
É uma constituição outorgada, que adotou o modelo de Estado unitário e a 
monarquia. 
Durante um período significativo, houve uma prática parlamentarista, 
especialmente por conta de D. Pedro II. 
Sua principal influência é a francesa, com o autor francês Benjamin Constant, 
adotando-se a quadripartição dos poderes, onde se tem o poder executivo, o poder 
legislativo, o poder judiciário e o poder moderador (deveria fazer harmonização entre 
os poderes, mas na prática foi um poder de subjugação dos demais ao moderado). 
Quando D. Pedro II resolveu elaborar a constituição, foi instituída uma 
assembléia constituinte, que foi dissolvida quando ele percebeu que seu poder estaria 
deveras limitado, adotando o modelo de Benjamin Constant. 
 
3.2. Constituição de 1891 
Adotou o modelo de estado federado, a república e o presidencialismo, sendo 
promulgada, com influência dos EUA e de Rui Barbosa. 
Dois anos antes, houve a promulgação da República pelo Decreto