Resumo Direito Constitucional   Aula 03
21 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 03


DisciplinaDireito Constitucional I70.006 materiais1.613.582 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Formal 
2.2.1. Incompatibilidade Formal Procedimental 
Nesse caso, analisa-se o processo legislativo. 
Podem ser dados três exemplos para melhor ilustrar a questão da 
incompatibilidade procedimental: 
Em um primeiro exemplo, a Constituição anterior exige sobre determinada 
matéria que seja elaborada lei ordinária e o legislador, em observância ao texto 
constitucional até então vigente, elabora lei ordinária. Se a Constituição nova também 
exige para essa matéria lei ordinária, essa norma pode ser recepcionada, sem maiores 
problemas. 
Em um segundo exemplo, a Constituição anterior exigiu sobre a matéria lei 
ordinária, tendo o legislador infraconstitucional respeitado essa regra e elaborado lei 
ordinária. Porém, a Constituição nova exige para a mesma matéria lei complementar. 
A norma foi elaborada em consonância com o processo legislativo vigente, mas está 
contrária ao novo processo legislativo. Essa norma pode ser recepcionada, sendo 
inclusive o exemplo do CTN. 
Como terceiro exemplo, a Constituição anterior exigia sobre determinada 
matéria lei complementar, tendo o legislador à época inobservado tal regra 
constitucional e elaborado lei ordinária; por sua vez, a Constituição nova exige para 
aquela determinada matéria a edição de lei ordinária. Observa-se que a norma 
anterior fora elaborada de forma compatível com o processo legislativo atualmente 
vigente, mas incompatível com o processo legislativo anterior. Ainda que essa norma 
não tenha sido declarada inconstitucional, não será recepcionada, pois nasceu 
inconstitucional. Trata-se de norma ab ovo (nula desde a origem), não podendo ser 
convalidada. 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 7 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Conclui-se que, em qualquer hipótese em que a norma nasça inconstitucional, 
não poderá ser convalidada. Aquela lei que nasceu materialmente inconstitucional na 
origem, não poderá ser convalidada, sendo nula ab ovo. 
Observação: Toda norma goza, a priori, de presunção de constitucionalidade, 
sendo, por isso, aplicável na prática. Em um caso concreto, mesmo na vigência de 
Constituição nova, o juiz pode deixar de aplicar a norma (pré-constitucional) por 
considerá-la inconstitucional frente à Constituição anterior, por entender que a lei 
nasceu inconstitucional, sendo nula desde a origem. O STF fez isso recentemente, ao 
verificar que decreto anterior a 1988 nasceu nulo com base na Constituição de 1967. 
Observação: A exposição acima permite concluir que a constituição anterior, 
embora revogada pela nova ordem constitucional, pode ainda servir de parâmetro no 
controle concreto de constitucionalidade em relação às normas elaboradas sob a sua 
vigência (já que não há que se falar em não recepção, posto que norma 
inconstitucional é ab ovo, ou seja, nula desde a origem). 
 
2.2.2. Incompatibilidade Formal Orgânica 
É a análise da repartição de competências entre os entes da federação. 
Dois exemplos podem retratar bem essa análise de repartição de competência 
(incompatibilidade formal orgânica): 
Em um primeiro exemplo, a Constituição anterior exige sobre a matéria lei 
federal e a Constituição nova exige, para tanto, lei estadual. Percebe-se que houve 
alteração do ente competente sobre determinada matéria. A lei federal pode ser 
recepcionada e continuar sendo aplicada até que cada estado elabore a sua própria lei. 
Em um segundo exemplo, a Constituição anterior exige sobre a matéria lei 
estadual, sendo que a Constituição nova exige lei federal. A federalização das leis 
estaduais geraria um caos, afinal poderiam ser várias as leis aplicáveis em uma mesma 
matéria. Nesse caso, a lei estadual não pode ser recepcionada. 
Por fim, fica claro que, diante da manutenção da competência federativa, não 
há maiores problemas. 
Percebe-se que, quando a competência era do ente maior e passa para o ente 
menor, a norma pode ser recepcionada; quando a competência era de ente menor e 
passa para ente maior, a norma não pode ser recepcionada. 
Vale observar que o exemplo supracitado se refere aos Estados-Membros e à 
União, mas o mesmo se aplica a estados e municípios. 
 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 8 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
3. Exercícios 
Acerca da aplicabilidade e da interpretação das normas constitucionais, julgue os 
itens seguintes. 
157 Os direitos sociais previstos na Constituição, por estarem submetidos ao 
princípio da reserva do possível, não podem ser caracterizados como verdadeiros 
direitos subjetivos, mas, sim, como normas programáticas. Dessa forma, esses 
direitos devem ser tutelados pelo poder público, quando este, em sua análise 
discricionária, julgar favoráveis as condições econômicas e administrativas. 
Gabarito: Errado. 
Todas as normas constitucionais têm eficácia mínima. 
31 O poder constituinte originário esgota-se quando é editada uma constituição, 
razão pela qual, além de ser inicial, incondicionado e ilimitado, ele se caracteriza 
pela temporariedade. 
Gabarito: Errado. 
O Poder Constituinte Originário é latente, ele não deixa de existir. 
27 É possível a declaração de inconstitucionalidade de norma constitucional 
originária incompatível com os princípios constitucionais não escritos e os 
postulados da justiça, considerando-se a adoção, pelo sistema constitucional 
brasileiro, da teoria alemã das normas constitucionais inconstitucionais. 
Gabarito: Errado 
De fato, existe essa teoria alemã, mas não foi adotada entre nós. 
QUESTÃO 1 - Assinale a opção correta acerca de constituição, hermenêutica 
constitucional e poder constituinte originário e derivado, no ordenamento jurídico 
brasileiro. 
O poder constituinte derivado decorrente deve observar, entre outros, os 
princípios constitucionais estabelecidos, que integram a estrutura da Federação 
brasileira, como, por exemplo, a forma de investidura em cargos eletivos, o 
processo legislativo e os orçamentos. 
Gabarito: Errado. 
Os exemplos estão errados, pois esses não são princípios estabelecidos, mas 
extensíveis, que devem obrigatoriamente ser observados pelos estados. 
QUESTÃO 41 - Assinale a opção correta a respeito dos conceitos de mutação 
constitucional, revisão constitucional e poder constituinte. 
A Tratando-se de mutação constitucional, o texto da constituição permanece 
inalterado, e alteram-se apenas o significado e o sentido interpretativo de 
determinada norma constitucional. 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo