Resumo Direito Constitucional   Aula 03
21 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 03


DisciplinaDireito Constitucional I69.742 materiais1.608.142 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Modelos de Controle no Direito Comparado 
2.1. Modelo Americano 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 12 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
No caso Marbury versus Madison, entendeu-se possível a revisão judicial da 
legislação (judicial review), por controle incidental ou concreto, porque a matéria 
constitucional aparece como incidental no curso de um processo ordinário. 
Prevalece o princípio da nulidade, pelo qual a norma inconstitucional é nula 
desde a origem (norma ab ovo). 
 
2.2. Modelo Europeu ou Austríaco 
Tem-se como principal influência Hans Kelsen. 
Cria-se a figura do tribunal constitucional, não sendo qualquer juiz no caso 
concreto competente para fazer o controle de constitucionalidade. Diz-se que o 
controle é concentrado nesse tribunal. 
Aqui vale o princípio da anulabilidade, pelo qual a norma inconstitucional é 
anulável. 
 
2.3. Modelo Francês 
Originalmente, no modelo francês, o controle era politico e preventivo, feito 
por órgão político (Conselho Constitucional), em que não se analisa a norma, mas o 
projeto da norma. 
Atualmente, na França, além do controle político e preventivo, há também 
forma de controle incidental, que se difere da forma de controle incidental brasileiro. 
Dá-se através da questão prioritária de constitucionalidade. 
 
2.4. Modelo Inglês 
A priori, no modelo inglês tradicional, há uma ausência de controle, porque, na 
Inglaterra, não há uma constituição escrita, que não é rígida. A ausência de uma 
constituição rígida implica a ausência de controle de constitucionalidade. 
Essa é a visão tradicional, mas, hoje, criaram-se algumas formas de controle na 
Inglaterra. 
 
3. Modelo Brasileiro 
O modelo brasileiro é híbrido, eclético ou misto, pois conjuga o modelo 
americano, europeu e francês. 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 13 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
4. Históricos nas Constituições Brasileiras 
4.1. Constituição de 1824 
Falava-se apenas que deveria haver o zelo pela Constituição, mas, a rigor, não 
havia qualquer mecanismo de controle de constitucionalidade. 
 
4.2. Constituição de 1891 
Sofre grande influência estadunidense e de Rui Barbosa, embasando-se no 
controle difuso e incidental. 
 
4.3. Constituição de 1934 
Apresenta quatro grandes inovações: 
a. Reserva de plenário \ufffd continua presente no art. 97 da CRFB/88. 
CRFB, Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos 
membros do respectivo órgão especial poderão os tribunais declarar a 
inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público. 
b. Resolução suspensiva do Senado Federal \ufffd a norma era declarada 
inconstitucional pelo Judiciário, com efeitos inter partes; poderia o Senado Federal 
conferir efeito erga omnes à decisão do STF, suspendendo a eficácia da norma em 
questão através de resolução. Trata-se de instituto presente ainda hoje no art. 52, X da 
CRFB. 
CRFB, Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: 
X - suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional 
por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal; 
c. Representação interventiva \ufffd ação proposta pelo Procurador Geral da 
República (PGR) ao STF, tendo a finalidade de a Corte verificar se o Estado violou ou 
não princípio constitucional sensível e, com base nisso, se determinar a intervenção 
federal. O instituto existe ainda hoje, consoante art. 36, III e art. 34, VII da CRFB. 
CRFB, Art. 36. A decretação da intervenção dependerá: 
III de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do 
Procurador-Geral da República, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à 
execução de lei federal. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 
2004) 
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para: 
VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais: 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 14 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático; 
b) direitos da pessoa humana; 
c) autonomia municipal; 
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta. 
e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, 
compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento 
do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.(Redação dada pela Emenda 
Constitucional nº 29, de 2000) 
d. Mandado de Segurança \ufffd trata-se da criação brasileira a partir da 
doutrina brasileira do habeas corpus. Inicialmente, o habeas corpus poderia ser usado 
para a proteção de qualquer violação à liberdade; posteriormente, resta-se focado na 
liberdade de ir e vir, sendo que as demais liberdades seriam tuteladas por mandado de 
injunção e habeas data. 
 
4.4. Constituição de 1937 
É a chamada constituição polaca, com caráter nitidamente ditatorial. 
Havendo declaração de inconstitucionalidade na forma incidental, se o 
Presidente da República discordasse da decisão do judiciário, considerando aquela 
norma importante à soberania nacional, submetia o caso ao Legislativo que, por 2/3, 
poderia tornar aquela decisão judicial sem efeito (tratava-se de quórum exigido na 
época para as emendas constitucionais, ou seja, tinha-se uma idéia de 
\u201cconstitucionalização\u201d da norma objeto de apreciação e declaração de 
inconstitucionalidade pelo Judiciário). 
A Constituição de 1937 previa ainda que, na hipótese do legislativo não estar 
reunido, suas atribuições constitucionais passariam a ser exercidas pelo Presidente da 
República, que através de decreto-lei, exercia e realizava as atribuições do Poder 
Legislativo. 
Tal instituto, dado seu caráter ditatorial, não se repetiu na CRFB/88. 
 
4.5. Constituição de 1946 
Representa a redemocratização do Brasil, restaurando o modelo da 
Constituição de 1934, com os quatro aspectos já citados. 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores