Resumo Direito Constitucional   Aula 05
32 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 05


DisciplinaDireito Constitucional I69.866 materiais1.610.214 seguidores
Pré-visualização12 páginas
derivado, na Emenda 20/98, mais 
precisamente em seu art. 14, haja pretendido a revogação, ainda que implícita, do 
art. 7º, XVIII, da Constituição Federal originária. Se esse tivesse sido o objetivo da 
norma constitucional derivada, por certo a E.C. nº 20/98 conteria referência 
expressa a respeito. E, à falta de norma constitucional derivada, revogadora do 
art. 7º, XVIII, a pura e simples aplicação do art. 14 da E.C. 20/98, de modo a torná-
la insubsistente, implicará um retrocesso histórico, em matéria social-
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 28 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
previdenciária, que não se pode presumir desejado. 3. Na verdade, se se entender 
que a Previdência Social, doravante, responderá apenas por R$1.200,00 (hum mil 
e duzentos reais) por mês, durante a licença da gestante, e que o empregador 
responderá, sozinho, pelo restante, ficará sobremaneira, facilitada e estimulada a 
opção deste pelo trabalhador masculino, ao invés da mulher trabalhadora. Estará, 
então, propiciada a discriminação que a Constituição buscou combater, quando 
proibiu diferença de salários, de exercício de funções e de critérios de admissão, 
por motivo de sexo (art. 7º, inc. XXX, da C.F./88), proibição, que, em substância, é 
um desdobramento do princípio da igualdade de direitos, entre homens e 
mulheres, previsto no inciso I do art. 5º da Constituição Federal. Estará, ainda, 
conclamado o empregador a oferecer à mulher trabalhadora, quaisquer que sejam 
suas aptidões, salário nunca superior a R$1.200,00, para não ter de responder 
pela diferença. Não é crível que o constituinte derivado, de 1998, tenha chegado a 
esse ponto, na chamada Reforma da Previdência Social, desatento a tais 
conseqüências. Ao menos não é de se presumir que o tenha feito, sem o dizer 
expressamente, assumindo a grave responsabilidade. 4. A convicção firmada, por 
ocasião do deferimento da Medida Cautelar, com adesão de todos os demais 
Ministros, ficou agora, ao ensejo deste julgamento de mérito, reforçada 
substancialmente no parecer da Procuradoria Geral da República. 5. Reiteradas as 
considerações feitas nos votos, então proferidos, e nessa manifestação do 
Ministério Público federal, a Ação Direta de Inconstitucionalidade é julgada 
procedente, em parte, para se dar, ao art. 14 da Emenda Constitucional nº 20, de 
15.12.1998, interpretação conforme à Constituição, excluindo-se sua aplicação ao 
salário da licença gestante, a que se refere o art. 7º,inciso XVIII, da Constituição 
Federal. 6. Plenário. Decisão unânime. 
 
1.4.3.3. Súmulas 
As Súmulas não podem ser objeto de ADI ou ADPF, ainda que a Súmula seja 
Vinculante. 
Mesmo que se concorde com a tese de que a Súmula Vinculante tem natureza 
normativa, a existência de um procedimento específico de revisão e cancelamento da 
súmula (art. 103-A, §2º da CRFB) exclui a possibilidade de controle por ADI ou ADPF. 
 
1.4.3.4. Outros Casos 
1.4.3.4.1. ADI Estadual e Norma de Reprodução Obrigatória 
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 29 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
 
Lei federal e lei estadual podem ser objetos da ADI genérica, tendo-se como 
parâmetro a CRFB/88 e como órgão competente o STF. 
Lei estadual e lei municipal podem ser objetos da ADI estadual, tendo-se como 
parâmetro de controle a Constituição do Estado e como órgão competente o TJ. 
Então, a única lei que pode ser objeto das duas ações simultaneamente é a lei 
estadual. A lei federal não pode ser objeto da ADI estadual e a lei municipal não pode 
ser objeto da ADI genérica. 
A ADI genérica não pode ter como parâmetro a Constituição Estadual; e ADI 
Estadual não pode ter como parâmetro a CRFB. 
A lei estadual pode ser impugnada pelas duas vias simultaneamente, ou seja, 
tanto por ADI genérica como por ADI estadual. Nesse caso, a ADI genérica irá implicar 
o sobrestamento da ADI estadual, vale observar que, nesse caso, não há litispendência 
ou continência. Nesse contexto, o STF pode dizer, na ADI genérica, que a lei estadual é 
constitucional ou que ela é inconstitucional: 
a. Declarando a inconstitucionalidade da lei, a lei estadual é nula, sendo 
retirada do ordenamento jurídico, o que gera a prejudicialidade da ADI estadual. 
b. Se o STF entender pela constitucionalidade da lei estadual, a ADI 
estadual não resta prejudicada, pois o parâmetro é diverso. Afinal, a lei estadual pode 
ser constitucional em relação à CRFB, mas pode ser inconstitucional em face da 
Constituição Estadual. 
Proposta ADI estadual, tendo-se como parâmetro norma de reprodução 
obrigatória na Constituição Estadual de norma da CRFB, o STF entendeu, na Rcl. 383, 
que o TJ será competente para julgá-la, não havendo usurpação de competência do 
STF. Porém, se o TJ der à Constituição Estadual uma interpretação contrária à CRFB, 
dessa decisão cabe ao STF um recurso extraordinário. 
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 30 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Reclamação com fundamento na preservação da competência do Supremo 
Tribunal Federal. Ação direta de inconstitucionalidade proposta perante Tribunal 
de Justiça na qual se impugna Lei municipal sob a alegação de ofensa a 
dispositivos constitucionais estaduais que reproduzem dispositivos constitucionais 
federais de observancia obrigatoria pelos Estados. Eficacia jurídica desses 
dispositivos constitucionais estaduais. Jurisdição constitucional dos Estados-
membros. - Admissão da propositura da ação direta de inconstitucionalidade 
perante o Tribunal de Justiça local, com possibilidade de recurso extraordinário se 
a interpretação da norma constitucional estadual, que reproduz a norma 
constitucional federal de observancia obrigatoria pelos Estados, contrariar o 
sentido e o alcance desta. Reclamação conhecida, mas julgada improcedente. 
Como se sabe, em regra, não cabe recurso extraordinário em controle abstrato, 
sendo essa uma hipótese excepcional. Aqui, trata-se de controle abstrato, pois não há 
interesse subjetivo em jogo; porém, o controle é difuso, na medida em que a 
competência para tanto não é originária