Resumo Direito Constitucional   Aula 05
32 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 05


DisciplinaDireito Constitucional I69.961 materiais1.612.256 seguidores
Pré-visualização12 páginas
DJ 04-12-1992 PP-23057 EMENT VOL-01687-01 PP-00001 
RTJ VOL-00144-01 PP-00004 
Parte(s) 
REQTE. : GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS 
REQDO. : ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE ALAGOAS 
Ementa 
 
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. QUESTÃO DE ORDEM. GOVERNADOR 
DE ESTADO. CAPACIDADE POSTULATÓRIA RECONHECIDA. MEDIDA CAUTELAR. 
DEFERIMENTO PARCIAL. 1. O governador do Estado e as demais autoridades e 
entidades referidas no art. 103, incisos I a VII, da Constituição Federal, além de 
ativamente legitimados à instauração do controle concentrado de 
constitucionalidade das leis e atos normativos, federais e estaduais, mediante 
ajuizamento da ação direta perante o Supremo Tribunal Federal, possuem 
capacidade processual plena e dispõem, ex vi da própria norma constitucional, 
de capacidade postulatória. Podem, em conseqüência,enquanto ostentarem 
aquela condição, praticar, no processo de ação direta de inconstitucionalidade, 
quaisquer atos ordinariamente privativos de advogado. 2. A suspensão liminar 
da eficácia e execução de leis e atos normativos, inclusive de preceitos 
consubstanciados em textos constitucionais estaduais, traduz medida cautelar 
cuja concretização deriva do grave exercício de um poder jurídico que a 
Constituição da República deferiu ao Supremo Tribunal Federal. A 
excepcionalidade dessa providência cautelar impõe, por isso mesmo, a 
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 10 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
constatação, hic et nunc, da cumulativa satisfação de determinados requisitos: a 
plausibilidade jurídica da tese exposta e a situação configuradora do periculum in 
mora. Precedente: ADIN nº. 96-9 - RO (Medida Liminar, DJ de 10/11/89). 
 
1.4.1.1.2. Partido Político 
O partido politico deve ter representação no Congresso Nacional 
(representação congressual), o que significa a presença de um deputado ou de um 
senador no Congresso, não sendo necessária a presença de ambos. 
No partido político, o órgão interno que deve propor a ADI é o Diretório ou 
Executivo Nacional, o que significa que o Diretório Regional não pode propor ADI. Vide 
ADI 610. 
ADI 610 MC / PI - PIAUI 
MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 
Relator(a): Min. NÉRI DA SILVEIRA 
Julgamento: 24/10/1991 Órgão Julgador: TRIBUNAL PLENO 
Publicação 
DJ 07-02-1992 PP-00737 EMENT VOL-01648-01 PP-00037 
RTJ VOL-00138-01 PP-00089 
Ementa 
Ação Direta de Inconstitucionalidade. Falta legitimidade ativa ao Diretório 
Regional ou a Executiva Regional de Partido Político, com representação no 
Congresso Nacional, para propor ação direta de inconstitucionalidade, perante o 
Supremo Tribunal Federal. A disposição do inciso VIII, do art. 103, da Constituição, 
pressupõe procedimento do Diretório Nacional do partido político, com 
representação no Congresso Nacional. O órgão regional não representa o partido 
político, senão nos limites de sua atuação estadual. Ação de que não se conhece, 
por ilegitimidade ativa da requerente, Executiva Regional do Piauí, de Partido 
Político. Pedido de cautelar prejudicado. 
Em um primeiro momento, o STF entendeu que a perda superveniente da 
representação congressual, como no caso de partido politico com representação de só 
um parlamentar, acarretaria o prejuízo da ADI. Hoje, o Supremo entende que a ADI 
deve se manter, pois a aferição da legitimidade se dá no momento da propositura da 
ação. 
 
1.4.1.1.3. Confederações Sindicais 
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 11 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
As Confederações Sindicais são entendidas pelo STF na forma da CLT, tida como 
aquela entidade que está no topo da hierarquia sindical. Para tanto, elas dependem do 
preenchimento e alguns requisitos, assim a confederação sindical deve ser composta 
de pelo menos três federações e deve ter o registro do estatuto no Ministério do 
Trabalho. Vide ADI 1.565. 
ADI 1565 / PE - PERNAMBUCO 
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 
Relator(a): Min. NÉRI DA SILVEIRA 
Julgamento: 23/10/1997 Órgão Julgador: Tribunal Pleno 
Publicação 
DJ 17-12-1999 PP-00003 EMENT VOL-01976-01 PP-00136 
Parte(s) 
REQTE. : CONFEDERAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICO DO BRASIL - CSPB 
REQDO. : GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO 
REQDO. : ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO 
Ementa 
EMENTA: - Ação direta de inconstitucionalidade. 2. Art. 2º da Lei Complementar 
do Estado de Pernambuco nº 16, de 6.1.1996. 3. Legitimidade ativa ad causam da 
autora alegada, em preliminar, à vista do art. 103, VII, 1ª parte, da Constituição, e 
art. 535, "caput", da C.L.T. 4. Legitimidade ativa da autora não reconhecida pelo 
Plenário em ADINs anteriores. Precedentes: ADIN 444-DF e ADIN 1427-7/600-PE, 
em torno do mesmo dispositivo. 5. Ausência de comprovação do registro do 
estatuto como entidade sindical superior no Ministério do Trabalho, em data 
posterior à alteração dos estatutos, conforme determinado por despacho. 6. 
Ação direta de inconstitucionalidade não conhecida por ausência de legitimidade 
ativa ad causam da entidade autora. 
Assim, sindicatos, ainda que de âmbito nacional, não têm legitimidade, afinal 
não estão sob a forma de confederações sindicais. 
ADI 1599 MC / UF - UNIÃO FEDERAL 
MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 
Relator(a): Min. MAURÍCIO CORRÊA 
Julgamento: 26/02/1998 Órgão Julgador: Tribunal Pleno 
Publicação 
DJ 18-05-2001 PP-00430 EMENT VOL-02031-03 PP-00448 
Parte(s) 
REQTE. : FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES E SINDICATOS DE TRABALHADORES 
 D. Constitucional 
Data: 19/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 12 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
 DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS - FASUBRA - SINDICAL E 
 OUTROS 
REQDO. : PRESIDENTE DA REPÚBLICA 
REQDO. : CONGRESSO NACIONAL 
Ementa 
EMENTA: MEDIDA CAUTELAR EM AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE: 
ART. 17 DA LEI Nº 7.923, DE 12.12.89, CAPUT DO ART. 36 DA LEI Nº 9.082, DE 
25.07.95, ART. 1º, PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 3º E ART. 6º DO DECRETO Nº 
2.028, DE 11.10.96.