Resumo Direito Constitucional   Aula 06
18 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 06


DisciplinaDireito Constitucional I69.866 materiais1.610.183 seguidores
Pré-visualização7 páginas
e 
2) Plausibilidade jurídica. 
 
1.3.4. Procedimento da Concessão de Cautelar 
1º. Audiência do legitimado passivo (órgão que elaborou a norma) no prazo de 
5 dias, salvo excepcional urgência. 
2º. Manifestação do AGU e do PGR no prazo de 3 dias, se o relator considerar 
indispensável. 
3º. O efeito da decisão se dá com a publicação da ata da sessão de julgamento. 
Não é necessário esperar a publicação de acórdão. 
 
1.3.5. Eficácia Pessoal ou Subjetiva da Cautelar 
O efeito é erga omnes e vinculante, assim como na decisão final da ADI. 
Desta forma, da decisão judicial ou do ato administrativo que aplicar a norma 
indevidamente, caberá reclamação ao STF. Nesta reclamação, o STF poderá cassar a 
decisão ou anular o ato administrativo, pois a reclamação não tem natureza recursal (a 
decisão não será reformada). O STF determinará ao juiz/autoridade administrativa que 
não aplique a referida norma. 
Na decisão final da ADI, se o STF julgar a ação improcedente, diz que a norma é 
constitucional, mas caso a julgue procedente, diz que a norma é inconstitucional. 
Ambas as decisões têm efeito erga omnes e vinculante. 
 Direito Constitucional 
Data: 21/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 10 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
No entanto, com relação à cautelar, se o STF não a conceder, não está dizendo 
nada, mas apenas que os pressupostos da cautelar não foram preenchidos. Desta 
forma, a decisão negativa de cautelar não gera qualquer efeito erga omnes ou 
vinculante, não cabendo reclamação ao STF caso algum juiz ou a Administração 
aplique a norma. 
 
1.3.6. Eficácia Temporal da Cautelar 
Em regra, a cautelar tem efeito ex nunc (da decisão em diante), porém é 
possível a modulação temporal. 
 
1.3.7. Efeito Repristinatório 
Tanto a cautelar, quanto a declaração de inconstitucionalidade geram efeito 
repristinatório. 
Exemplo: Havendo uma lei A revogada por uma lei B e cautelar em ADI para 
suspender a lei B, a lei A será restaurada, pelo menos, durante a cautelar. 
 
1.3.8 .Art. 12, da Lei 9.868/99 
Art. 12. Havendo pedido de medida cautelar, o relator, em face da relevância da 
matéria e de seu especial significado para a ordem social e a segurança jurídica, 
poderá, após a prestação das informações, no prazo de dez dias, e a manifestação 
do Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da República, sucessivamente, 
no prazo de cinco dias, submeter o processo diretamente ao Tribunal, que terá a 
faculdade de julgar definitivamente a ação. 
O art. 12, Lei 9.868/99 estabelece um procedimento célere. Se o relator 
verificar pedido de cautelar em ADI e a relevância da matéria e seu especial significado 
para a ordem social e a segurança jurídica, poderá instaurar tal procedimento, a fim de 
que se analise diretamente o mérito final. 
Neste procedimento, o legitimado passivo terá 10 dias para prestar informação, 
o AGU e o PGR terão prazo sucessivo de 5 dias e, após, a ação será apresentada ao 
plenário, que terá a faculdade de decidir definitivamente a ação. 
 
1.4. Decisão Final na ADI 
 
1.4.1. Quórum 
 Direito Constitucional 
Data: 21/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 11 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
O quórum de presença é o de 8 ministros, no mínimo. Já a declaração de 
constitucionalidade ou de inconstitucionalidade deve ser feita por 6 ministros, 
passando a decisão a ter efeito erga omnes e vinculante. 
 Não havendo a maioria de 6 ministros para declarar a norma 
constitucional/inconstitucional, esta deve ser considerada constitucional, pois toda 
norma goza de presunção de constitucionalidade. No entanto, tal presunção não terá 
efeito erga omnes e vinculante, conforme decidido recentemente pelo STF. 
 
 1.4.2. Caráter Dúplice ou Ambivalente da Ação 
Lei 9.868/99, Art. 24. Proclamada a constitucionalidade, julgar-se-á improcedente 
a ação direta ou procedente eventual ação declaratória; e, proclamada a 
inconstitucionalidade, julgar-se-á procedente a ação direta ou improcedente 
eventual ação declaratória. 
A procedência da ADI é uma declaração de inconstitucionalidade, enquanto a 
improcedência é a declaração de constitucionalidade. A mesma lógica vale para a ADC, 
motivo pelo qual a ADI e a ADC são ações dúplices, pois a procedência de uma equivale 
à improcedência da outra. 
 
 1.4.3. Cabimento Recursal 
Da decisão final em ADI não cabe recurso, à exceção dos embargos 
declaratórios. 
Igualmente, não é cabível ação rescisória da decisão final. 
 
1.4.4. Início da Produção de Efeitos da Decisão Final 
O efeito da decisão final se dá com a publicação da ata de julgamento. 
 
1.4.5. Efeitos da Decisão 
 
1.4.5.1. Efeito Temporal 
Trata-se de efeito ex tunc, pois a norma inconstitucional é nula desde a origem. 
Este efeito decorre do princípio da nulidade, mas este princípio pode entrar em 
conflito com o da segurança jurídica e do excepcional interesse social em alguns casos. 
 Direito Constitucional 
Data: 21/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 12 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Nestas hipóteses, deve-se fazer a ponderação entre os princípios, a fim de se verificar 
qual deles deve prevalecer no caso concreto. 
Se o STF entender que o princípio da segurança jurídica ou do excepcional 
interesse social deve prevalecer sobre o princípio da nulidade, pode dar efeitos ex 
nunc ou pro futuro à decisão. Trata-se do fenômeno da modulação temporal, previsto 
no art. 27, Lei 9.868/99. O quórum necessário para que haja a modulação temporal 
dos efeitos da decisão é de 2/3. 
Lei 9.868/99, Art. 27. Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, 
e tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional interesse social, 
poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços de seus membros, 
restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a 
partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado. 
A declaração de inconstitucionalidade com efeitos ex nunc, por vezes, é 
chamada de declaração de inconstitucionalidade com efeito ablativo diferido ou 
datado ou com ablação diferida ou datada.