Resumo Direito Constitucional   Aula 08
16 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 08


DisciplinaDireito Constitucional I70.479 materiais1.626.559 seguidores
Pré-visualização6 páginas
3. Ação julgada 
procedente para: a) emprestar interpretação conforme à Constituição para 
deduzir a função de chefia do substantivo "direção" nos incisos II, III, IV, V do 
artigo 2° do ato normativo em foco; b) declarar a constitucionalidade da 
Resolução nº 07/2005, do Conselho Nacional de Justiça. 
Pelo contexto, o STF editou a Súmula Vinculante nº 13, vedando o nepotismo 
no âmbito administrativo dos três poderes, ressalvados os casos de cargos de natureza 
política. 
Súmula Vinculante nº 13: A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em 
linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade 
nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investido em cargo de 
direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de 
confiança, ou, ainda, de função gratificada na Administração Pública direta e 
indireta, em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos 
municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a 
Constituição Federal. 
 Direito Constitucional 
Data: 05/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 4 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
\u2022 Regras: têm aplicabilidade direta, tendo em vista constituírem mandados de 
definição. 
A aplicabilidade direta decorre da determinação de uma conduta pela regra. 
 
1.1.3. Quanto às Colisões 
\u2022 Confronto entre Regras: as regras têm aplicação \u201ctudo-ou-nada\u201d, de acordo 
com a doutrina, ou seja, ou são válidas e se aplicam ao caso, ou não são validas e não 
se aplicam. 
Desta forma, havendo confronto entre regras, uma será excluída pela outra 
através dos critérios hierárquico, da especialidade e cronológico, que devem ser 
analisados nesta ordem1. 
\u2022 Confronto entre Princípios: diferente das regras, os princípios não têm 
aplicação \u201ctudo ou nada\u201d, pois há múltiplas formas de aplicação. A solução não é a 
exclusão, mas a ponderação, caso em que um princípio irá preponderar sobre o outro 
no sopesamento. 
A ponderação é o sopesamento dos valores em jogo, de modo a fazer 
preponderar, dentro do caso concreto, aquele de maior dimensão, sem que haja o 
sacrifício total do outro. 
Exemplo: Havendo, de um lado a liberdade de manifestação de pensamento e, 
de outro, a intimidade, privacidade, honra e imagem, a solução deverá ocorrer no caso 
concreto através de ponderação. 
\u2022 Colisão entre Regra e Princípio: a priori, havendo uma regra e um princípio 
relacionados ao mesmo fato, a regra deverá ser aplicada ao caso, tendo em vista ser 
descritiva e possuir maior especificidade que o princípio. 
No entanto, se a aplicação da regra constitucional no caso concreto for injusta, 
conduzindo a um resultado oposto ao pretendido pela ordem jurídica, é possível a 
ponderação com o princípio constitucional aplicável ao caso. 
Exemplo: O art. 53, parágrafos 2º e 3º, CRFB dispõe que parlamentar só pode 
ser preso por crime inafiançável, comunicando-se à casa legislativa a que pertence 
para que decida sobre a colocação em liberdade. 
Art. 53. Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por 
quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. (Redação dada pela Emenda 
Constitucional nº 35, de 2001) 
 
1
 Uma questão envolvendo esta afirmação foi cobrada na última prova do MPF. 
 Direito Constitucional 
Data: 05/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 5 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
§ 2º Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional não 
poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso, os autos 
serão remetidos dentro de vinte e quatro horas à Casa respectiva, para que, pelo 
voto da maioria de seus membros, resolva sobre a prisão. (Redação dada pela 
Emenda Constitucional nº 35, de 2001) 
§ 3º Recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado, por crime ocorrido após 
a diplomação, o Supremo Tribunal Federal dará ciência à Casa respectiva, que, por 
iniciativa de partido político nela representado e pelo voto da maioria de seus 
membros, poderá, até a decisão final, sustar o andamento da ação. (Redação 
dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001) 
Em um caso concreto, foi realizada operação pela Polícia Federal, na qual vários 
parlamentares e autoridades dos três Poderes estavam envolvidos e o Presidente da 
Assembléia Legislativa foi preso em flagrante delito, sem que a casa fosse comunicada 
para deliberação. 
O parlamentar ingressou com HC perante o STF e a Ministra Cármen Lúcia 
entendeu haver uma anomalia no caso, ante o envolvimento de diversas autoridades 
de diversos Poderes, incluindo-se parlamentares e estes não estariam aptos a julgar a 
prisão do Presidente da Assembléia. 
Desta forma, a estrita aplicação da regra seria contrária ao que pretende a 
CRFB, em um caso excepcional. A decisão é justa, mas problemática, pois quem define 
quais e o que são os princípios constitucionais é o STF, sendo chamado por alguns de 
Poder Constituinte Apócrifo, por sempre inovar na ordem constitucional. 
 
1.1.4. Quanto à Função 
\u2022 Regra: apresenta função descritiva, visto que define uma conduta ou fato e a 
sua consequência. 
\u2022 Princípios: apresentam múltiplas funções: 
a) normogenética: orientam a elaboração de novas normas; 
b) interpretativa: orientam a interpretação das demais normas e têm eficácia 
irradiante2, por serem nucleares e irradiarem por toda a ordem jurídica; 
c) integrativa: orientam a colmatação de lacunas, ou seja preenchem lacunas; e 
d) sistêmica: orientam a harmonização e a coesão do ordenamento jurídico. 
 
1.1.5. Quanto à Finalidade 
 
2
 Importante destacar que os direitos fundamentais também têm uma natureza principiológica e 
eficácia irradiante, por permearem toda a ordem jurídica e servirem como parâmetro de interpretação. 
 Direito Constitucional 
Data: 05/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 6 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
\u2022 Regras: têm por principal finalidade promover a segurança jurídica. Ocorrido 
o fato, a solução está na regra. 
\u2022 Princípios: têm por finalidade principal a promoção da justiça. 
Há vantagem e desvantagens de um