Resumo Direito Constitucional   Aula 09
16 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 09


DisciplinaDireito Constitucional I70.483 materiais1.626.662 seguidores
Pré-visualização6 páginas
D. Constitucional 
Data: 07/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 1 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Assuntos tratados: 
1º Horário. 
\ufffd Interpretação Constitucional / Princípio da Proporcionalidade / Origem do 
Princípio da Proporcionalidade / Elementos do Princípio da Proporcionalidade / 
Aplicação do Princípio da Proporcionalidade / Manifestação do Princípio da 
Proporcionalidade / Direitos Fundamentais / Direitos Fundamentais e Direitos 
Humanos / Classificação dos Direitos Fundamentais em Gerações / Primeira e 
Segunda Gerações de Direitos Fundamentais / Terceira Geração de Direitos 
Fundamentais / Quarta Geração de Direitos Fundamentais / Quinta Geração de 
Direitos Fundamentais / Quarta e Quinta Geração segundo Paulo Bonavides / 
Críticas às Gerações de Direitos Fundamentais 
2º Horário. 
\ufffd Características dos Direitos Fundamentais / Universalidade / Historicidade / 
Imprescritibilidade, Inalienabilidade e Indisponibilidade / Indivisibilidade ou 
Integralidade / Relatividade 
 
1º Horário 
 
INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL 
 
1. Princípio da Proporcionalidade 
Trata-se de um princípio constitucional implícito. 
 
1.1. Origem do Princípio da Proporcionalidade 
Na Alemanha, esse princípio surge no âmbito do direito administrativo, 
relacionando-se com o poder de polícia. Principalmente após a 2ª Guerra Mundial, 
esse princípio deixa de ser setorial do direito administrativo e passa a integrar o direito 
constitucional. 
Nos EUA, a partir do princípio do devido processo legal substancial ou material 
surge o princípio da razoabilidade. 
Observe-se que, enquanto na Alemanha falava-se em proporcionalidade, nos 
EUA, fala-se em razoabilidade. 
 D. Constitucional 
Data: 07/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 2 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
A privação de um direito ou a restrição de uma liberdade deve acontecer 
dentro de um devido processo legal, que se subdivide em: 
a. Devido Processo Legal Procedimental ou Formal \ufffd se traduz no 
contraditório e na ampla defesa, segundo o STF. Foca-se o processo em si, na forma. 
b. Devido Processo Legal Substancial \ufffd aqui não se analisa apenas a forma 
da restrição, mas o conteúdo dela, para se verificar se a restrição é justa, legítima, 
razoável. 
Tradicionalmente, doutrina e jurisprudência têm confundido os dois princípios 
da proporcionalidade e da razoabilidade. Nesse sentido, o STF já falou que o princípio 
da proporcionalidade é uma decorrência do devido processo legal substancial. 
 
1.2. Elementos do Princípio da Proporcionalidade 
a. Adequação; 
b. Necessidade ou Exigibilidade; 
c. Proporcionalidade em sentido estrito. 
Paulo Bonavides fala em relação triangular, ao passo que Humberto Ávila fala 
em natureza trifásica do princípio da proporcionalidade, pelo que se deve analisar os 
seguintes elementos: 
a. Fim \ufffd qual a finalidade pretendida. Relaciona-se com a adequação, pois 
os meios devem ser adequados para alcançar o fim pretendido. 
b. Meio \ufffd não basta o meio ser adequado, ele deve ser o menos gravoso, 
o que se relaciona com a necessidade. Por isso, também é chamado de princípio da 
menor ingerência possível ou princípio da escolha do meio mais suave ou princípio da 
necessidade ou da exigibilidade. 
c. Situação \ufffd trata-se da proporcionalidade em sentido estrito, que 
representa a relação de equilíbrio entre meio e fim. As vantagens devem superar as 
desvantagens, ou seja, na relação custo e benefício, o benefício deve superar o custo. 
 
1.3. Aplicação do Princípio da Proporcionalidade 
a. Na interpretação da Constituição \ufffd o princípio da proporcionalidade é 
meio hábil para a solução de conflito entre bens constitucionais, direitos fundamentais 
ou princípios constitucionais de um modo geral, onde haverá uma cedência recíproca 
(um princípio ou direito cede para o outro). 
 D. Constitucional 
Data: 07/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 3 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
A proporcionalidade permite a ponderação entre os valores. A ponderação é o 
sopesamento dos valores em jogo dentro da situação concreta. Para que a 
preponderância de um direito não aniquile outro, deve-se fazer uma ponderação. 
b. Como parâmetro para o controle de constitucionalidade material \ufffd no 
controle material, analisa-se o próprio conteúdo da norma. O princípio da 
proporcionalidade no controle permite que o juiz analise se conteúdo da norma é 
abusivo ou não, se há excesso do poder de legislar. 
c. Restrições aos direitos fundamentais \ufffd o direito fundamental não é 
absoluto, podendo ser restringido. Porém, essa restrição aos direitos fundamentais 
apresenta alguns limites: não pode afetar conteúdo essencial, não pode afetar a 
dignidade humana e não pode ser desproporcional. O princípio da proporcionalidade 
se torna essencial para analisar justamente a restrição desses direitos, a qual deve 
levar em conta a adequação, necessidade e proporcionalidade. 
Exemplo: A CPI pode determinar quebra de sigilo de dados, mas deve na 
fundamentação demonstrar a necessidade absoluta da medida, que não há outro meio 
possível de comprovação daquela realidade sem a quebra do sigilo. Além do mais, a 
medida deve ser delimitada no tempo, afinal não se pode devassar a vida do indivíduo 
por sua vida toda. A quebra de sigilo representa a quebra de um direito fundamental, 
por isso deve ser proporcional. 
Exemplo: Lei estadual determinou a pesagem de botijão de gás à vista do 
consumidor, a fim de proteger seus direitos. O STF entendeu que essa medida 
cominaria aos estabelecimentos comerciais e caminhões de gás um custo muito alto, o 
que acabaria implicando num aumento do preço para o consumidor. Além disso, a 
variação de peso dos botijões se mostrava ínfima no caso concreto. Vê-se que uma 
medida que pareceria a um primeiro momento protetiva, teria o condão de impor um 
ônus não superado pelo bônus. Por isso, a Corte declarou a lei inconstitucional por 
afronta ao princípio da proporcionalidade. 
 
1.4. Manifestação do Princípio da Proporcionalidade 
a. Princípio da Vedação de Excesso \ufffd representa a principal faceta do 
princípio da proporcionalidade, daí os princípios serem usados como sinônimos por 
alguns autores. Com