Resumo Direito Constitucional   Aula 10 (10.10.2011)
21 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 10 (10.10.2011)


DisciplinaDireito Constitucional I70.200 materiais1.617.507 seguidores
Pré-visualização8 páginas
\u2022 Igualdade, por natureza, é um conceito relacional, porque ao se falar em 
igualdade, uma comparação é feita entre grupos distintos. Desta forma, um critério de 
diferenciação deve ser definido (exemplo: homens e mulheres), bem como um critério 
de comparação (exemplo: critério da dignidade humana \u2013 homens e mulheres são 
iguais). 
 
\u2022 Há três tipos de igualdade: 
a) formal: é a igualdade perante a lei, declarada e reconhecida por esta. Nem 
sempre se traduz numa igualdade concreta, levando ao conceito de igualdade 
material. 
b) material: os iguais devem ser tratados igualmente e os desiguais 
desigualmente, na medida em que se desigualam, conforme afirmado por Aristóteles. 
 Direito Constitucional 
Data: 10/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 14 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Desta forma, é possível o tratamento diferenciado, que só será legítimo se 
definidos os aspectos: (i) categorias em jogo; (ii) critério de comparação; (iii) 
finalidade; (iv) Princípio da Proporcionalidade. 
Exemplo: uma empresa quer selecionar pessoas e define querer apenas 
mulheres loiras. O critério \u201cser loira\u201d pode ser legítimo ou não, pois se a empresa for 
fabricante de cosméticos e estiver gerando produto de tratamento para cabelos loiros, 
legitima-se a escolha. 
c) pluralista: consiste na igualação na hipótese em que a diferença constitui 
fator de prejuízo, ou no direito de ser diferente na hipótese em que a diferença é 
fator de identidade. 
Exemplo: se um cidadão quiser ingressar no prédio do STF, não pode fazê-lo de 
chinelo e camiseta, mas, quando do julgamento de uma questão indígena pelo 
Supremo, os índios puderam ingressar no local com suas vestimentas, tendo em vista 
ser o fato de identidade do grupo, que tem o direito de ser diferente. 
Estado pluriétnico ou multicultural é aquele em que há uma etnia dominante, 
mas as minoritárias são salvaguardadas, como acontece com os índios e os 
quilombolas no Brasil, por haver necessidade de proteção específica a fim de que não 
se extingam ao serem absorvidos pela cultura majoritária. 
Há, no entanto, casos envolvendo o direito à igualdade nos quais existem 
dificuldades teóricas. 
 
\u2022 Farra do Boi: o caso foi analisado pelo STF, com relação a essa prática, 
realizada no sul do Brasil, que se trata de cultura milenar de se sacrificarem bois ao 
final da festa. É vista como prática cruel contra animais pela cultura majoritária, 
motivo pelo qual o STF decidiu pela vedação da farra do boi. No entanto, esta decisão 
gerou muita controvérsia. 
 
\u2022 Grupos religiosos de proselitismo: por proselitismo entende-se a tentativa de 
converter as pessoas para a sua própria religião, questão bastante discutida no âmbito 
do MPF. A controvérsia está relacionada à possibilidade destes grupos atuarem junto 
às comunidades indígenas, pela necessidade de proteção dos índios e de sua cultura e 
a liberdade religiosa dos proselitistas. O MPF vem entendendo em seus pareceres que 
o ingresso destes grupos nas comunidades indígenas deve ser vedado. 
 
 Direito Constitucional 
Data: 10/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 15 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
\u2022 Ações afirmativas: são medidas destinadas ao beneficiamento de grupos 
social e/ou historicamente vitimizados. 
Exemplo: as mulheres eram excluídas da vida política antigamente, havendo 
regra que estabelece que 30% dos candidatos de um partido devem ser de mulheres 
atualmente, a fim de que seja incentivado o seu ingresso na vida política. 
Neste contexto, há enorme polêmica com relação às cotas para negros em 
universidades públicas, havendo que ser analisados os argumentos contra e a favor. 
a) Argumentos contrários às cotas: 
a.1) dificuldade em se definir quem é negro no Brasil, ante o elevado grau de 
miscigenação. Há três critérios para a definição do que é negro, que devem ser 
conjugados para se reduzir o grau de incerteza: 
(i) critério meramente visual: gera uma zona de incerteza muito grande e, 
quando se está na situação de certeza, a pessoa pode ser visualmente branca, mas ser 
descendente direta de negros. 
(ii) critério genealógico: verifica-se a origem da pessoa, sendo problemático 
definir-se até que grau se deve retroceder para verificar se o indivíduo é ou não negro. 
Dentro deste critério, algumas pessoas fazem a definição pela carga genética, critério 
considerado falho. 
(iii) critério da autoidentificação: a própria pessoa se reconhece negra. Este 
critério tem a desvantagem de a pessoa poder se valer da própria torpeza para seu 
benefício, sendo falho. No entanto, a vantagem é que o indivíduo se reconhece como 
negro, consolidando-se o grupo em um conceito mais preciso. 
a.2) a discriminação no Brasil não é racial, mas social: o negro não é 
discriminado, mas sim o pobre, independentemente da cor de pele. 
a.3) as cotas fomentariam o preconceito: geraria discriminação pelos não-
cotistas com relação aos cotistas no âmbito da própria universidade e no do mercado 
de trabalho. 
a.4) o sistema de cotas prejudicaria a qualidade do ensino: caso a pessoa 
ingresse pelo sistema de cotas é porque não possui capacidade de ingressar 
competindo com os demais e não conseguirá acompanhar o ensino na universidade, 
abandonando a faculdade ou tendo que haver redução na qualidade de ensino para o 
acompanhamento pelo cotista. 
a.5) o sistema de cota geraria um prejuízo econômico: por não poder 
acompanhar o ensino, o cotista abandona o curso e a sua vaga foi ocupada sem que 
um profissional fosse formado ao final, gerando prejuízo econômico. 
 Direito Constitucional 
Data: 10/10/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 16 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
a.6) a cota é mecanismo paliativo ou até mesmo hipócrita, porque a educação 
de base é que deveria ser melhorada para que todos tenham condições de disputar as 
vagas comuns. 
 
b) Argumentos favoráveis às cotas: 
b.1) processo de abolição não inclusivo e a perpetuação da exclusão: o sistema 
econômico brasileiro baseava-se na escravidão historicamente e, com a abolição, 
sofreu uma alteração drástica. Por questões de preconceito, o negro liberto não 
conseguiu encontrar