Resumo Direito Constitucional   Aula 12
19 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 12


DisciplinaDireito Constitucional I70.417 materiais1.624.977 seguidores
Pré-visualização7 páginas
D. Constitucional 
Data: 18/11/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 1 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Assuntos tratados: 
1º Horário. 
\uf0fc Processo Legislativo / Conceito / Espécies Normativas / Tipos de Processo / 
Processo Ordinário / Fases do Processo Ordinário / Fase Introdutória \u2013 
Iniciativa / Iniciativa Geral ou Reservada / Iniciativa Parlamentar ou 
Extraparlamentar / Iniciativa Popular / Iniciativa Concorrente / Fase 
Constitutiva \u2013 Deliberação / Dispensa do Plenário / Quórum de Aprovação e de 
Presença Mínima / Trâmite Entre as Casas / Sanção ou Veto do Presidente da 
República 
2º Horário. 
\uf0fc Veto Presidencial / Fase Complementar \u2013 Promulgação e Publicação / Processo 
Sumário ou Processo em Regime de Urgência / Procedimentos Especiais / 
Emenda à Constituição / Limites da Emenda à Constituição / Limites 
Procedimentais ou Formais / Limites Circunstanciais / Limites Materiais / Lei 
Complementar / Lei Delegada / Medida Provisória / Natureza Jurídica da MP / 
Efeitos da MP / Pressupostos da MP / Prazo da MP 
 
1º Horário 
 
1. Processo Legislativo 
1.1. Conceito 
O processo legislativo é o conjunto de atos destinados à produção legislativa, 
especificamente das espécies legislativas elencadas pelo art. 59 da CRFB. 
 
1.2. Espécies Normativas 
Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: 
I - emendas à Constituição; 
II - leis complementares; 
III - leis ordinárias; 
IV - leis delegadas; 
V - medidas provisórias; 
VI - decretos legislativos; 
 D. Constitucional 
Data: 18/11/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 2 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
VII - resoluções. 
Parágrafo único. Lei complementar disporá sobre a elaboração, redação, 
alteração e consolidação das leis. 
Destaca-se que as emendas à constituição consistem em normas 
constitucionais derivadas, ao passo que as demais espécies são atos normativos 
primários, aquele que se destina a inovar na ordem jurídica, ou seja, cria direitos e 
obrigações. 
Afora as emendas constitucionais, não existe hierarquia entre as demais 
espécies normativas. Nesse sentido, por exemplo, uma lei complementar não é de 
hierarquicamente superior a uma lei ordinária ou a um decreto Legislativo. O que 
existe entre elas é um campo próprio de atuação, havendo matérias específicas a 
serem tratadas por cada uma. 
 
1.3. Tipos de Processo 
O processo ordinário e o sumário são destinados à elaboração da lei ordinária, 
sendo que o último caracteriza-se por apresentar delimitação de prazo, o que não 
ocorre no processo ordinário. Como se vê, o processo ordinário e o processo sumário 
apresentam quase que a mesma estrutura, com algumas especificidades. 
Já, os procedimentos especiais destinam-se às demais espécies legislativas que 
não a lei ordinária, como Medida Provisória, emenda à constituição, etc. 
Deve-se ater que a base de todos os processos é o ordinário, motivo pelo qual 
este será trabalhado inicialmente e de modo mais detalhado. Em seguida, vamos 
trabalhar o processo sumário e os procedimentos especiais. 
 
1.3.1. Processo Ordinário 
O processo ordinário destina-se à elaboração de lei ordinária. 
 
1.3.1.1. Fases do Processo Ordinário 
1.3.1.1.1. Fase Introdutória \u2013 Iniciativa 
A iniciativa do projeto de lei pode ser: 
 
 
 
 D. Constitucional 
Data: 18/11/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 3 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
1.3.1.1.1.1. Iniciativa Geral ou Reservada 
a. Iniciativa Reservada: hipótese em que a CRFB delimita o órgão ou 
autoridade que deve apresentar o projeto de lei. 
Sobre esse assunto específico, não há diferença entres as expressões privativa 
e exclusiva, pois o Constituinte não foi técnico nesse aspecto. Como exemplo, se tem o 
art. 61, §1º da CRFB. 
Art. 61, § 1º - São de iniciativa privativa do Presidente da República as leis que: 
I - fixem ou modifiquem os efetivos das Forças Armadas; 
II - disponham sobre: 
a) criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta e 
autárquica ou aumento de sua remuneração; 
b) organização administrativa e judiciária, matéria tributária e orçamentária, 
serviços públicos e pessoal da administração dos Territórios; 
c) servidores públicos da União e Territórios, seu regime jurídico, provimento de 
cargos, estabilidade e aposentadoria;(Redação dada pela Emenda Constitucional 
nº 18, de 1998) 
d) organização do Ministério Público e da Defensoria Pública da União, bem como 
normas gerais para a organização do Ministério Público e da Defensoria Pública 
dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios; 
e) criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública, observado 
o disposto no art. 84, VI (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, de 
2001) 
f) militares das Forças Armadas, seu regime jurídico, provimento de cargos, 
promoções, estabilidade, remuneração, reforma e transferência para a 
reserva.(Incluída pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998) 
Observação1: Se há uma iniciativa privada e quem apresenta o projeto de lei 
não é a autoridade ou o órgão competente para tanto, há vício de iniciativa, que não 
pode ser convalidado pela sanção daquele que de fato se mostra competente, 
consoante entendimento consolidado no STF. 
Exemplo1: O projeto de lei sobre o regime jurídico de servidor público federal é 
de iniciativa do Presidente da República, assim haverá vício se o projeto for 
apresentado por parlamentar. Além do mais, a sanção pelo Presidente da República 
não convalida o vício. 
Exemplo2: O art. 93 da CRFB determina que o estatuto da magistratura deva 
decorrer de lei complementar de iniciativa do STF. 
 D. Constitucional 
Data: 18/11/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 4 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas,