Resumo Direito Constitucional   Aula 13 (30.01.2012)
17 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 13 (30.01.2012)


DisciplinaDireito Constitucional I70.537 materiais1.627.095 seguidores
Pré-visualização6 páginas
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 10 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
Isto gera algumas discrepâncias, pois deputados com pouquíssimos votos 
ocupam vagas e outros com um número muito superior de votos não são eleitos. 
Desta forma, o estabelecimento de número mínimo e máximo de deputados pode 
gerar quebra do Princípio da Isonomia, pois os votos de Estados menores passam a 
valer mais que os de Estados maiores. 
Com base nisto, foi proposta ADI no STF alegando-se que a CRFB originária teria 
violado as cláusulas pétreas, mas o Supremo entendeu que estas são limites apenas ao 
Constituinte Derivado Reformador, não conhecendo da ADI por impossibilidade 
jurídica do pedido, por não admitir a tese das normas constitucionais inconstitucionais. 
No Senado, o sistema eleitoral é o majoritário e são eleitos 3 senadores por 
Estado. Como é sabido, o sistema majoritário pode ser simples \u2013 basta o candidato 
obter a maioria dos votos, ainda que não seja superior a 50% \u2013, ou absoluto \u2013 o 
candidato deve obter mais da metade dos votos válidos para ser eleito e caso isso não 
ocorra, vai-se a 2º turno. 
O sistema majoritário simples é aplicável aos Senadores e aos Prefeitos de 
Municípios com menos de 200 mil eleitores, como manda o art. 29, II, CRFB. 
Art. 29. O Município reger-se-á por lei orgânica, votada em dois turnos, com o 
interstício mínimo de dez dias, e aprovada por dois terços dos membros da 
Câmara Municipal, que a promulgará, atendidos os princípios estabelecidos nesta 
Constituição, na Constituição do respectivo Estado e os seguintes preceitos: 
II - eleição do Prefeito e do Vice-Prefeito realizada no primeiro domingo de 
outubro do ano anterior ao término do mandato dos que devam suceder, 
aplicadas as regras do art. 77, no caso de Municípios com mais de duzentos mil 
eleitores; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de1997) 
Já o sistema majoritário absoluto é utilizado nas eleições para Presidente da 
República, Governadores e Prefeitos de Municípios com mais de 200 mil eleitores. 
 
2.1.3. Legislatura e Mandato 
A legislatura possui 4 anos e não se confunde com o mandato que é de 4 anos 
para os deputados e de 8 anos para os senadores. Com isto, em uma eleição elege-se 
apenas 1 senador e na segunda elegem-se 2, renovando-se a casa de 4 em 4 anos. 
Desta forma, a renovação dos deputados é total, pois todas as vagas ficam à disposição 
do povo para renovação, enquanto a renovação dos senadores é parcial, pois ora 
elege-se 1/3, ora elege-se 2/3. 
 
2º Horário 
 Direito Constitucional 
Data: 30.01.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 11 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
 
2.2. Funções do Legislativo 
 
2.2.1. Funções Típicas 
A função típica do Poder Legislativo é de legislar, assim como as funções de 
investigar e fiscalizar, visto que aqueles que representam o povo para a elaboração de 
normas têm o poder de fiscalizar o cumprimento dessas leis. 
 
2.2.1.1. Investigação 
a) Político-Administrativa: é exercida através das CPIs, que são órgãos do 
próprio Poder Legislativo. 
b) Financeiro-Orçamentária: exercida com auxílio dos Tribunais de Contas, que 
são órgãos autônomos ligados ao Poder Legislativo. 
Desta forma, o órgão que faz o controle financeiro-orçamentário da União é o 
Congresso Nacional, com o auxílio do TCU, e no âmbito dos Estados o controle é feito 
pela Assembléia Legislativa, com auxílio do TCE. Já no âmbito municipal, é a Câmara 
dos Vereadores que realiza o controle financeiro, com auxílio do TCE ou do TCM, onde 
houver este último. 
Importante destacar que a possibilidade de existência de TCM, para alguns, se 
dá por conta da manutenção dos criados antes de 1988, pois após a CRFB não é mais 
possível a sua criação. O STF, todavia, entende que o Município não pode criar um 
Tribunal de Contas para si, mas o Estado pode criar para um ou para um conjunto de 
Municípios um Tribunal de Contas Municipais, que será órgão estadual cuja função é 
prestar auxílio à Câmara dos Vereadores. Com isto, a jurisprudência concilia as 
disposições dos parágrafos 1º e 4º, art. 31, CRFB. 
Art. 31, § 1º - O controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio 
dos Tribunais de Contas dos Estados ou do Município ou dos Conselhos ou 
Tribunais de Contas dos Municípios, onde houver. 
§ 4º - É vedada a criação de Tribunais, Conselhos ou órgãos de Contas Municipais. 
 
2.2.1.1.1. Comissão Parlamentar de Inquérito 
a) Previsão: a CPI encontra previsão no art. 58, parágrafo 3º, CRFB. 
Art. 58, § 3º - As comissões parlamentares de inquérito, que terão poderes de 
investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos 
 Direito Constitucional 
Data: 30.01.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 12 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
regimentos das respectivas Casas, serão criadas pela Câmara dos Deputados e 
pelo Senado Federal, em conjunto ou separadamente, mediante requerimento de 
um terço de seus membros, para a apuração de fato determinado e por prazo 
certo, sendo suas conclusões, se for o caso, encaminhadas ao Ministério Público, 
para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores. 
 
b) Natureza Jurídica: a CRFB/88 prevê a CPI expressamente, mas o STF entende 
que, como o poder de investigação é função típica do Legislativo, ainda que não 
houvesse previsão expressa no texto constitucional2, a CPI poderia ser criada. Isto 
porque, a sua criação nada mais é que conferir maior funcionalidade ao próprio poder. 
Desta forma, a natureza da CPI é de órgão fracionário da respectiva casa, ou 
seja, é uma projeção orgânica da casa. 
 
c) Requisitos de Constituição da CPI: estão previstos no art. 58, parágrafo 3º, 
CRFB, quais sejam: 
\u2022 requerimento subscrito por 1/3 dos membros da casa: pelo direito das 
minorias parlamentares, o STF entende que ainda que a parte que não deseja a CPI 
seja numericamente maior, a minoria pode tê-la instalada e cabe MS para assegurar 
esse direito. 
\u2022 fato determinado: a CPI é instalada para apuração de situação singular. A 
jurisprudência entende que é possível a investigação de fato diverso, desde que seja 
fato conexo com o