Resumo Direito Constitucional   Aula 14 (06.02.2012)
26 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 14 (06.02.2012)


DisciplinaDireito Constitucional I70.415 materiais1.624.906 seguidores
Pré-visualização10 páginas
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 24 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
a) efeito subjetivo ou pessoal: todo o Poder Judiciário e a Administração 
Pública ficam vinculados. Evidente que o legislador, na função legislativa, e o STF não 
estão vinculados ao fixado pela súmula vinculante. 
b) efeito temporal: é ex nunc, porém cabível a modulação temporal. 
 
1.7.4.9. Revisão e Cancelamento 
O procedimento é o mesmo seguido para a edição da súmula vinculante. 
Frise-se que não é cabível ADI ou ADPF em face de súmula vinculante, tendo 
em vista haver procedimento próprio (ADPF 147). 
EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NA ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE 
PRECEITO FUNDAMENTAL. SÚMULA VINCULANTE N. 2 DO SUPREMO TRIBUNAL 
FEDERAL: INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI OU ATO NORMATIVO ESTADUAL OU 
DISTRITAL QUE DISPONHA SOBRE SISTEMAS DE CONSÓRCIOS E SORTEIOS, 
INCLUSIVE BINGOS E LOTERIAS. INTERPRETAÇÃO. ALEGADO DESCUMPRIMENTO 
DO PRECEITO FUNDAMENTAL DA SEPARAÇÃO DE PODERES. 1. A exploração de 
loterias não se enquadra nas atividades inerentes ao Poder Público. 2. A arguição 
de descumprimento de preceito fundamental não é a via adequada para se 
obter a interpretação, a revisão ou o cancelamento de súmula vinculante. 3. 
Agravo regimental ao qual se nega provimento. 
(ADPF 147 AgR, Relator(a): Min. CÁRMEN LÚCIA, Tribunal Pleno, julgado em 
24/03/2011, DJe-067 DIVULG 07-04-2011 PUBLIC 08-04-2011 EMENT VOL-02499-
01 PP-00001) 
 
1.7.4.10. Violação da Súmula Vinculante 
Da decisão que violar súmula vinculante caberá reclamação. 
 
1.8. Reclamação Constitucional 
1.8.1. Origem 
O instituto, no direito brasileiro, tem criação jurisprudencial ou pretoriana 
baseada na Teoria dos Poderes Implícitos, segundo a qual a todo dever correspondem 
os poderes instrumentais para a sua realização. 
Desta forma, a reclamação é mero desdobramento do direito de petição. 
Posteriormente, a reclamação foi incorporada no Regimento Interno do STF e, 
atualmente, consta da própria CRFB. 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 25 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
 
1.8.2. Finalidades 
As finalidades são garantir a autoridade da decisão do STF e a sua 
competência6. 
 
1.8.3. Natureza Jurídica 
Há diversas correntes sobre a natureza da reclamação. 
1ª corrente: a reclamação é mero direito de petição, sendo a corrente mais 
bem aceita. 
2ª corrente: a reclamação é incidente processual. 
3ª corrente: a reclamação é recurso ou sucedâneo recursal. 
4ª corrente: a reclamação é medida processual excepcional. 
5ª corrente: a reclamação é uma ação. 
6ª corrente: na RCl 909, o STF entendeu que a reclamação tem natureza de 
remédio processual correcional, de função corregedora. 
EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL EM RECLAMAÇÃO. POSSIBILIDADE DE 
INTERPOSIÇÃO DE AGRAVO. CABIMENTO DA RECLAMAÇÃO. EFICÁCIA DA DECISÃO 
CONCESSIVA DE LIMINAR NA ADC 4. No julgamento da ADC 4 restou assentada 
que a decisão que concede medida cautelar em sede de ação declaratória de 
constitucionalidade é investida da mesma eficácia contra todos e efeito 
vinculante, características da decisão de mérito. A reclamação e o agravo do art. 
522 do CPC não são procedimentos idênticos, mas recursos ou remédios com 
diferentes efeitos e diversas razões. A reclamação visa preservar a competência do 
STF e garantir a autoridade de suas decisões, motivo pelo qual a decisão proferida 
em reclamação não substitui a decisão recorrida como nos recursos, mas apenas 
cassa o ato atacado. A reclamação tem natureza de remédio processual 
correcional, de função corregedora. Ademais, o STF somente admite a 
reclamação nos casos de processos sem trânsito em julgado, ou seja, com recurso 
ainda pendente. Agravo provido com a concessão de liminar. 
(Rcl 872 AgR, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Relator(a) p/ Acórdão: Min. 
NELSON JOBIM, Tribunal Pleno, julgado em 09/09/2004, DJ 20-05-2005 PP-00005 
EMENT VOL-02192-01 PP-00107 LEXSTF v. 27, n. 319, 2005, p. 203-216) 
 
6
 É possível a propositura de reclamação no STJ, quando do descumprimento das suas decisões em 
processos subjetivos pelas instâncias inferiores (só as partes envolvidas na lide julgada podem propor a 
reclamação). 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 26 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
7ª corrente: segundo Gilmar Mendes, é uma ação constitucional de rito 
sumário especial destinada à defesa da ordem constitucional global. Esta corrente é 
bastante relevante, pois se tende a estabelecer que a reclamação é uma ação 
constitucional. 
 
1.8.4. Cabimento 
A reclamação é cabível em caso de violação à decisão do STF em controle 
abstrato, pois esta tem efeito erga omnes vinculante. 
Outra situação em que a reclamação é cabível é quando ocorre violação de 
decisão em processo subjetivo relacionada ao mesmo caso decidido pelo STF. 
Exemplo: o STF determina a progressão de regime e o juízo da execução não aplica a 
progressão decidida, cabendo reclamação ao Supremo. 
Como dito anteriormente, a reclamação também é cabível de violação à súmula 
vinculante. 
 
1.8.5. Legitimados Ativos 
Qualquer pessoa que demonstre prejuízo decorrente da violação é legitimado 
para propor reclamação. 
Nesta esteira, o STF já admitiu a reclamação proposta por Município. 
 
1.8.6. Efeito da Decisão 
A reclamação não tem natureza ou finalidade recursal e nem é sucedâneo de 
ação rescisória. Desta forma, não cabe reclamação após o trânsito em julgado (deve 
ser proposta dentro do prazo recursal). 
Isto porque a reclamação implica na cassação da decisão judicial ou na 
anulação do ato administrativo. 
Note-se que a decisão do STF pode ser violada pela não aplicação do seu 
decisum ou pela sua aplicação de forma indevida.
Sebastião
Sebastião fez um comentário
muito obrigada pretendo fazer concurso pro STF Analista e vou me prepara para concurso de Juiz federal substituto com o pessoal do Ênfase são muitos bons, investimento certo!
1 aprovações
Carregar mais