Resumo Direito Constitucional   Aula 14 (06.02.2012)
26 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 14 (06.02.2012)


DisciplinaDireito Constitucional I69.994 materiais1.613.299 seguidores
Pré-visualização10 páginas
\u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
c) súmula vinculante (art. 103-A, CRFB) 
Art. 103-A. O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, 
mediante decisão de dois terços dos seus membros, após reiteradas decisões sobre 
matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua publicação na 
imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder 
Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual 
e municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma 
estabelecida em lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (Vide Lei 
nº 11.417, de 2006). 
§ 1º A súmula terá por objetivo a validade, a interpretação e a eficácia de normas 
determinadas, acerca das quais haja controvérsia atual entre órgãos judiciários ou 
entre esses e a administração pública que acarrete grave insegurança jurídica e 
relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica. 
§ 2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em lei, a aprovação, revisão ou 
cancelamento de súmula poderá ser provocada por aqueles que podem propor a 
ação direta de inconstitucionalidade. 
§ 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou 
que indevidamente a aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal 
que, julgando-a procedente, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão 
judicial reclamada, e determinará que outra seja proferida com ou sem a 
aplicação da súmula, conforme o caso." 
 
1.7.4. Aspectos Relacionados à Súmula Vinculante 
 
1.7.4.1. Competência 
A competência para editar a súmula vinculante é do STF. 
 
1.7.4.2. Objeto 
É a validade, eficácia e interpretação de norma jurídica. 
A controvérsia sobre a validade, eficácia e interpretação pode ser com relação à 
norma infraconstitucional, bem como à norma constitucional. 
 
1.7.4.3. Natureza Jurídica5 
 
5
 Dica do professor: para saber a natureza jurídica dos institutos, deve-se questionar a qual categoria 
jurídica o instituto pertence. No entanto, em provas discursivas, caso não se saiba, deve-se conceituar o 
instituto, apesar de conceito e natureza jurídica não serem a mesma coisa. 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 22 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
Há três correntes sobre o tema. 
1ª corrente: a súmula vinculante tem natureza normativa, pois traz enunciado 
abstrato, geral e imperativo. 
2ª corrente: súmula vinculante tem natureza meramente processual, como 
qualquer outra súmula, não sendo norma, na medida em que não regula situações 
jurídicas novas, mas apenas regula outras normas. 
3ª corrente (minoritária): a súmula vinculante possui natureza própria, por ser 
mais que uma súmula meramente processual, porque tem efeito vinculante, e menos 
que uma norma, pois não regula situações jurídicas novas (Vide RCl 3.979). 
EMENTA: Agravo regimental em reclamação. 2. Súmulas vinculantes. Natureza 
constitucional específica (art. 103-A, § 3º, da CF) que as distingue das demais 
súmulas da Corte (art. 8º da EC 45/04). 3. Súmulas 634 e 635 do STF. Natureza 
simplesmente processual, não constitucional. Ausência de vinculação ou 
subordinação por parte do Superior Tribunal de Justiça. 4. Agravo regimental a 
que se nega provimento 
(Rcl 3979 AgR, Relator(a): Min. GILMAR MENDES, Tribunal Pleno, julgado em 
03/05/2006, DJ 02-06-2006 PP-00005 EMENT VOL-02235-01 PP-00107 LEXSTF v. 
28, n. 332, 2006, p. 262-266 RB v. 18, n. 514, 2006, p. 35-36 RDDP n. 41, 2006, p. 
179-181) 
 
1.7.4.4. Legitimidade 
O art. 103-A, parágrafo 2º, CRFB prevê que os legitimados são os mesmos da 
ADI, mas a lei pode ampliar o rol. 
Desta forma, tratando-se de legitimados ativos à edição de súmula vinculante, 
tem-se: 
a) legitimados ativos autônomos: são os previstos na CRFB e na Lei nº 
11.417/06, podendo propor a edição, revisão ou cancelamento de súmula vinculante 
independentemente de figurarem como parte no processo em que a matéria é 
discutida. Os legitimados da ADI são os chamados legitimados mínimos. Segundo a lei, 
são legitimados, além dos previstos na Constituição, os tribunais e o Defensor Público-
Geral da União. 
b) legitimados ativos incidentais: estão previstos na Lei nº 11.417/06 e são os 
Municípios, que podem propor a edição, revisão ou cancelamento de súmula 
vinculante, se forem parte em processo no qual a matéria é discutida. 
Como se percebe, a lei trouxe novos legitimados autônomos e incidentais. 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 23 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
Destaque-se que é possível que o próprio STF aja de ofício, editando, 
cancelando ou revisando súmula vinculante. 
 
1.7.4.5. Requisitos 
a) decisões reiteradas sobre a matéria constitucional: não é necessário que 
haja um número mínimo de decisões, sendo cabível que a partir de uma segunda 
decisão o STF já edite uma súmula vinculante. Isto porque decisão reiterada traduz a 
ideia de maturidade do entendimento. 
b) controvérsia atual: trata-se de controvérsia atual entre órgãos do Poder 
Judiciário ou entre este e a Administração Pública. 
c) insegurança jurídica 
d) multiplicidade de ações 
e) entendimento do STF emanado de controle concreto e não de controle 
abstrato: trata-se de requisito implícito, pois a decisão emanada de controle abstrato 
possui efeito erga omnes automaticamente. 
 
1.7.4.6. Natureza do Processo 
O processo de edição de súmula vinculante é considerado de natureza objetiva, 
visto que não há discussão de qualquer matéria subjetiva. 
 
1.7.4.7. Procedimento 
1º: análise dos requisitos. 
2º: manifestação do PGR nas propostas que não o fizer pessoalmente. 
3º: possibilidade de amicus curiae, em lógica idêntica à da ADI. 
4º: impossibilidade de suspensão dos processos em que a matéria esteja sendo 
discutida. 
5º: decisão final, que será proferida pelo Plenário do STF, por quórum de 2/3. 
Observação: as súmulas anteriores à criação da súmula vinculante não 
poderiam e não foram convertidas em súmula vinculante automaticamente, pois se 
faria necessária a aprovação nos moldes acima. 
 
1.7.4.8. Efeito 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros
Sebastião
Sebastião fez um comentário
muito obrigada pretendo fazer concurso pro STF Analista e vou me prepara para concurso de Juiz federal substituto com o pessoal do Ênfase são muitos bons, investimento certo!
1 aprovações
Carregar mais