Apostila Administração de Materiais concurso Polícia Federal
68 pág.

Apostila Administração de Materiais concurso Polícia Federal


DisciplinaConcursos130.159 materiais293.195 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e softwares 
em utilização. As ordens ou pedidos de compra, como também outros 
documentos padronizados, são enviados sem a utilização de papel. Os 
dados são compactados - para maior rapidez na transmissão e diminuição 
de custos criptografados e acessados somente por uma senha especial. 
- A Internet como veículo de comércio ganha a cada dia mais e mais 
adeptos, pois apresenta uma série de vantagens em relação ao EDI, entre 
as quais: 
\u2022 investimento inicial em tecnologia é bem mais baixo, pois a Internet 
custa bem menos que uma VAN; 
\u2022 atinge praticamente a todos na cadeia de suprimentos; 
\u2022 pode ser operada praticamente em tempo real; 
\u2022 permite tanto a transação máquina-máquina como também homem-
máquina (o EDI só permite a transação máquina-máquina); 
\u2022 maior flexibilidade nos tipos de transações. 
- Os cartões de crédito estão se tornando prática usual entre as empre-
sas a compra de mercadorias, como matérias-primas e materiais auxiliares, 
por meio de cartão de crédito, também conhecido como cartão-empresa ou 
cartão empresarial. Os bancos e as administradoras de cartão de crédito, 
por meio de programas específicos, têm incentivado as empresas a efetuar 
suas compras por meio de cartões. Vários deles são bastante atualizados, 
oferecendo às empresas diversos tipos de benefícios, como acesso à 
movimentação do cartão on-line, relatórios gerenciais sobre as compras 
efetuadas e parcelamento do total gasto. As principais vantagens resultan-
tes do uso de um cartão empresarial são a diminuição do número de tran-
sações e cheques, maior controle sobre as compras e, consequentemente, 
redução de custos. 
Compras e Níveis de Estoque 
Ao setor de compras também é designada a difícil tarefa de equilibrar a 
quantidade de materiais a serem comprados para que os demais departa-
mentos da empresa encontrem-se satisfeitos continuamente. 
Conforme discorre Arnold (1999, p. 212), \u201ca quantidade é importante 
porque influenciará o modo como o produto será projetado, especificado e 
fabricado.\u201d Destarte, a quantidade aproximada a ser adquirida pelo setor de 
compras poderá ser visualizada através da demanda de mercado. 
Da mesma forma, é importante que se consiga \u201cotimizar o investimen-
to, aumentando o uso eficiente dos meios financeiros, minimizando as 
necessidades de capital investido em estoques\u201d. 
Sabe-se que altos níveis de estoque significam segurança para o setor 
de produção. Porém, os mesmos acarretam exacerbados custos, tanto de 
armazenagem, como custo do capital investido, custos para o controle, bem 
como despesas com o pessoal encarregado. 
Segundo Pozo (2002, p. 38), \u201cse os estoques forem mínimos a empre-
sa pode usar esse capital não para especular no sistema financeiro e 
estagnar, mas para aprimorar seus recursos\u201d. 
Não obstante, nível de estoque muito baixo pode ser um fator de ex-
tremo risco para a organização. Sendo que pode ocasionar a ruptura dos 
estoques, a qual reflete em parada na produção, e consequentemente em 
atraso de entregas e em insatisfação e perda de clientes. 
Toda empresa na consecução de seus objetivos necessita de grande 
interação entre todos os seus departamentos ou processos, no caso de 
assim estar organizada. (...) A área de compras interage intensamente com 
todas as outras, recebendo e processando informações, como também 
alimentando outros departamentos de informações úteis às suas tomadas 
de decisão. (MARTINS & ALT, 2001, p. 68) 
Logo, é primordial que se consiga, segundo Dias (2005, p. 20), \u201cconcili-
ar da melhor maneira os objetivos dos departamentos, sem prejudicar a 
operacionalidade da empresa, assim como a definição da política dos 
estoques\u201d. 
Não obstante, a dificuldade se encontra na determinação da quantida-
de de material que a empresa deve estocar. Porém, para isso existem 
várias técnicas, as quais consideram a estimativa de demanda, o tempo de 
reposição, dentre outros fatores que devem ser analisadas respeitando as 
peculiaridades de cada organização. 
A Escolha dos Fornecedores 
Segundo Arnold (1999, p. 218), \u201cuma vez tomada a decisão sobre o 
que comprar, a segunda decisão mais importante refere-se ao fornecedor 
certo.\u201d 
Não obstante, pode-se aludir que o melhor fornecedor é aquele que o-
ferece um bom prazo de pagamento, juntamente com o prazo de entrega 
almejado pela empresa, aliado a um bom preço, porém com a máxima 
qualidade e a melhor tecnologia. 
Tendo em vista a dificuldade de encontrar um fornecedor que possua 
todos os requisitos supracitados, cabe ao setor de compras analisar qual é 
a sua verdadeira necessidade no que diz respeito ao preço e ao prazo que 
a empresa necessita. 
Conforme Gurgel (1996, p. 47), \u201ca seleção do fornecedor deverá obe-
decer a critérios adequados que levarão em conta cada mercado fornece-
dor e as características do artigo a comprar.\u201d 
Tampouco, é importante que se faça um estudo acerca de todos os 
fornecedores selecionados, para que seja possível uma avaliação correta 
sobre suas instalações, seu desempenho, sua capacidade e condição 
APOSTILAS OPÇÃO A Sua Melhor Opção em Concursos Públicos 
Administração de Recursos Materiais A Opção Certa Para a Sua Realização 19 
financeira, bem como a assistência técnica que oferece, dentre outros 
fatores que confirmam sua idoneidade. (DIAS, 2005). 
Ademais, é essencial que o departamento de compras procure manter 
um bom relacionamento com seus fornecedores e, da mesma forma, pos-
sua mais de uma opção de fornecedor para cada produto que utiliza. Afinal, 
a união desses dois fatores pode garantir que a segurança no processo de 
reposição seja ainda maior. 
A escolha de um fornecedor é uma das atividades fundamentais e prer-
rogativa exclusiva de compras. O bom fornecedor é quem vai garantir que 
todas aquelas clausulas solicitadas, quando de uma compra, sejam cum-
pridas. Deve o comprador procurar, de todas as maneiras, aumentar o 
número de fornecedores em potencial a serem consultados, de maneira 
que se tenha certeza de que o melhor negócio foi executado em benefício 
da empresa. O número limitado de fornecedores a serem consultados, 
constituem uma limitação das atividades de compras. 
O processo de seleção das fontes de fornecimento não se restringe a 
uma única ocasião, ou seja, quando e necessária a aquisição de determi-
nado material. A atividade deve ser exercida de forma permanente e contí-
nua, através de várias etapas, entre as quais selecionamos as seguintes: 
ETAPA 1 - Levantamento e Pesquisa de Mercado 
Estabelecida a necessidade da aquisição para determinado material, e 
necessário levantar e pesquisar fornecedores em potencial. O levantamen-
to poderá ser realizado através dos seguintes instrumentos: 
- Cadastro de Fornecedores do órgão de Compras; 
- Edital de Convocação; 
- Guias Comerciais e Industriais; 
- Catálogos de Fornecedores; 
- Revistas especializadas; 
- Catálogos Telefônicos; 
- Associações Profissionais e Sindicatos Industriais. 
ETAPA 2 - Análise e Classificação 
Compreende a análise dos dados cadastrais do fornecedor e a respec-
tiva classificação quanto aos tipos de materiais a fornecer, bem como, a 
eliminação daqueles fornecedores que não satisfizerem as exigências da 
empresa. 
ETAPA 3 - Avaliação de Desempenho 
Esta etapa é efetuada pós - cadastramento e nela faz-se o acompa-
nhamento do fornecedor quanto ao cumprimento do contratado, servindo 
não raras vezes como elemento de eliminação das empresas fornecedoras. 
COMPRAS X CUSTOS INDUSTRIAIS 
Modernamente a função de compras tem sido desenvolvida dentro de 
um novo sistema de maturidade com técnicas mais sofisticadas. 
Um dos aspectos que devem merecer muita atenção são os custos in-
dustriais que representam percentual considerável na composição final do 
preço de venda. 
CUSTO INDUSTRIAL