Apostila Administração de Materiais concurso Polícia Federal
68 pág.

Apostila Administração de Materiais concurso Polícia Federal


DisciplinaConcursos129.947 materiais289.801 seguidores
Pré-visualização50 páginas
prazos para fornecimento e as cláusulas do contrato. O administrador 
também poderá dispor padrões mínimos de desempenho para a manuten-
ção da qualidade desse bem ou serviço. 
- De posse desses dados, o administrador poderá elaborar o edital que 
deverá conter, além dos elementos dispostos no art. 40 da Lei n°. 8.666/93, 
todo o procedimento de realização do pregão. 
- Os trabalhos do pregão deverão ser comandados por uma figura denomi-
nada pregoeiro, com capacitação obrigatória para o exercício de suas 
funções e que deverá ser escolhido dentre os servidores do órgão ou 
entidade promotora da licitação. Ele será responsável pelo recebimento das 
propostas e lances, pela análise da aceitabilidade das propostas e dos 
preços, pela negociação dos valores (se for o caso), e pela habilitação e 
adjudicação do objeto do certame à licitante vencedora caso não haja 
recursos, além de outras atividades. 
- O pregoeiro deverá contar com a ajuda de uma equipe de apoio, compos-
ta, em sua maioria, por servidores ocupantes de cargo efetivo ou emprego 
da administração, preferencialmente pertencentes ao quadro permanente 
do órgão ou entidade que promover a licitação. Com isso, entende-se que 
essa equipe deverá ser composta por técnicos, que poderão auxiliar os 
trabalhos do pregoeiro nas mais diversas áreas (jurídica, econômica, fiscal, 
técnica, etc.). 
- Salienta-se que essa equipe de apoio não tem a mesma função da tradi-
cional "comissão de licitações", pois, ao passo que esta última se constitui 
num órgão colegiado, cuja decisão, embora individual, dispõe uma caracte-
rística de coletividade, com responsabilidade solidária de todos os integran-
tes, a equipe de apoio tem como função apenas auxiliar os trabalhos do 
pregoeiro, que age isoladamente no processo. Embora com essa conceitu-
ação, tem-se claramente que as equipes de apoio, apesar de apenas 
auxiliarem as ações do pregoeiro, possuem sim responsabilidade acerca de 
seus atos, como servidores públicos que são. Diante disso, presume-se 
que o pregoeiro terá mais segurança para poder exercer suas atividades 
com tranquilidade e tomar suas decisões. 
- Outra modificação que o pregão trouxe no processamento das licitações, 
e talvez a mais importante, em virtude da agilidade que ela proporciona ao 
procedimento, é a inversão das fases de habilitação e de análise das pro-
postas. Ao passo que numa licitação tradicional primeiramente se analisa a 
documentação de todos os participantes, para se verificar qual será habili-
tado e terá sua proposta apreciada, no pregão essas ações se invertem e, 
inicialmente, serão analisadas as propostas dos participantes, verificando-
se somente os documentos de habilitação daquela licitante que ofertou a 
melhor proposta. É realmente uma racionalização nos procedimentos, 
tornando-os mais ágeis. Nesse contexto, é importante frisar que, em virtude 
da análise dos documentos de habilitação ocorrer apenas em uma segunda 
fase, antes do início dos trabalhos de abertura de uma licitação na modali-
dade de pregão, as licitantes, ao apresentarem seus envelopes (proposta e 
documentos), deverão exibir também uma declaração de ciência e cumpri-
mento das exigências contidas no edital, sob pena de serem aplicadas as 
sanções previstas em lei ou na própria licitação, caso isso não se concreti-
zar. É uma maneira de tornar o procedimento mais formal, e fazer com que 
as licitantes tenham responsabilidade no momento de apresentação de 
suas propostas. 
 Entende-se oportuno frisar que a fase de análise das propostas do pregão 
será composta por dois momentos distintos. O primeiro deles se refere à 
análise das propostas escritas, que passam por um critério inicial de aceita-
bilidade, com a verificação de sua conformidade com as exigências do 
edital. O segundo momento se refere à etapa de lances verbais e sucessi-
vos, a ser realizada com o autor da proposta de menor preço, juntamente 
com aqueles que apresentarem propostas com valores até 10% acima 
desse menor preço, esclarecendo-se que caso não haja pelo menos três 
propostas nessas condições, estarão aptos a participarem da sessão de 
lances os autores das três melhores propostas. 
- Findada a sessão de lances, o pregoeiro deverá efetuar uma nova análise 
da proposta, em especial comparando-a com o valor de referência obtido 
na fase interna da licitação, podendo, inclusive, negociar diretamente com a 
licitante classificada em primeiro lugar, e declarar a aceitação da proposta, 
salientando que no pregão o critério de julgamento deverá ser sempre o de 
menor preço. Só então é que se passará para a análise das condições de 
habilitação dessa licitante. 
- Se a licitante cumprir as exigências de habilitação, ela será declarada 
vencedora do certame e, a partir desse momento, qualquer outra licitante 
poderá manifestar imediatamente, e com a devida motivação, a sua inten-
ção de interpor recurso. Ao término de um período de três dias, as demais 
licitantes poderão impugnar o recurso interposto no prazo de mais três dias, 
sendo que essas peças serão submetidas à análise de uma autoridade 
superior, para decisão a respeito. 
- Na sequência, se a licitante que ofertou o melhor lance não tiver sua 
proposta aceita, ou não cumprir as exigências de habilitação, o pregoeiro 
examinará a proposta subsequente, verificando os mesmos itens, de forma 
sucessiva, até a verificação de uma licitante que tenha atendido aos dita-
mes do edital, a qual será declarada vencedora do certame, com a conse-
quente adjudicação. 
- No procedimento do pregão, não é só o pregoeiro que deverá possuir 
habilidades especiais, mas também os representantes das empresas 
licitantes, que deverão estar presentes nas sessões de abertura dos pre-
gões, para poderem exercer seu direito de dar lances, de negociar sua 
proposta, de saber o limite de suas ofertas e de poder expor seu interesse 
em interpor recurso, salientando que esses representantes deverão estar 
munidos de procuração para realizarem essas ações. 
- Homologada a licitação na modalidade de pregão, essa segue os mesmos 
procedimentos de uma licitação convencional, com a posterior assinatura 
do contrato. 
- "Art. 7o. Quem, convocado dentro do prazo de validade de sua proposta, 
não celebrar o contrato, deixar de entregar ou apresentar documentação 
falsa exigida para o certame, ensejar o retardamento da execução de seu 
objeto, não mantiver a proposta, falhar ou fraudar na execução do contrato, 
comportar-se de modo inidôneo ou cometer fraude fiscal, ficará impedido de 
licitar e contratar com a União, Estados, Distrito Federal ou Municípios e, 
será descredenciado no Sicaf, ou nos sistemas de cadastramento de forne-
cedores a que se refere o inciso XIV do art. 4o desta Lei, pelo prazo de até 
5 (cinco) anos, sem prejuízo das multas previstas em edital e no contrato e 
das demais cominações legais." 
- Tem-se registrado nos últimos tempos um avanço significativo na área da 
informática, com a introdução no mercado de várias tecnologias, que têm 
como objetivo facilitar a vida das pessoas e tornar os procedimentos mais 
racionais, e o mais importante é que isso tem sido verificado não só no 
setor privado, mas também na esfera pública. 
- Com o pregão eletrônico, a abertura da licitação, que se dava de forma 
presencial a exemplo das demais modalidades de licitação, com a presença 
física das pessoas em uma sessão pública, passa a ser efetuada de forma 
virtual, em um sítio específico, determinado pelo edital. 
- Para participar de um pregão eletrônico, as licitantes devem se credenciar 
no órgão que está efetuando a licitação, com o objetivo de obter seu login e 
senha, que se constituem em sua identidade digital para a participação do 
certame, sendo que a utilização dessa identidade é de total responsabilida-
de da licitante, que deverá avisar o provedor do sistema na hipótese de 
alguma ocorrência. Esse credenciamento