Formacao Juridica   1. ANO
304 pág.

Formacao Juridica 1. ANO


DisciplinaIntrodução ao Direito I90.800 materiais620.174 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Diretores 
Nylson Paim de Abreu 
Ricardo Glimm 
 
Editores 
Angela Kretschmann 
Guilherme de Oliveira Feldens 
 
Projeto de capa 
Marcos Duarte 
 
Diagramação 
Daniel Scheer 
 
Revisão 
Celso Augusto Nunes 
da Conceição 
 
Conselho Editorial 
Ângela Kretschmann 
André Karam Trindade 
 
Guilherme de Oliveira Feldens 
Celso Augusto Nunes da 
Conceição 
Daniel Achutti 
Jaqueline Mielke Silva 
Leonel Pires Ohlweiler 
Emerson de Lima Pinto 
Ney Wiedemann Neto 
Roberta Magalhães Gubert 
Renato Selayaram 
Rogério Moreira Lins Pastl 
 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) 
 A134 
 Formação jurídica 
 (1º ano) / organizadora Ângela Kretschmann. \u2013 Porto 
 Alegre : Verbo Jurídico, 2013. 
 304 p. ; 21 cm. 
 
 ISBN: 978-85-7699-442-8 
 
 1. Direito - Teoria. 2. Redação Forense. 
 3. Hermenêutica (Direito). I. Kretschmann, Ângela. 
 
CDD 340.1 
Bibliotecária Responsável - Ginamara Oliveira Lima (CRB 10/1204) 
 
 
Faculdade Inedi - CESUCA 
Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha - RS. 
Rua. Silvério Manoel da Silva, 160 - Bairro Colinas 
Fone: (51) 3396.1000 
 
"Este exemplar foi produzido com o apoio da Faculdade Inedi, Cesuca, que detém os direitos autorais da obra. 
Entretanto, é decisão do titular do direito distribuir gratuitamente a obra para os alunos do Curso, regularemente 
matriculados, até esgotar a edição" 
 
Proibida a Venda. 
 
 
EDITORA VERBO JURÍDICO 
Porto Alegre, RS - Av. Ipiranga, 2899 - Fone: (51) 3076-8686 
São Paulo, SP - Av. Paulista, 1.159 - conj. 411 - Fone: (11) 3266-2724 
Curitiba, PR - Rua Cândido de Abreu, 526 - Sala 611 B - Fone: (41) 3023-3063 
www.verbojuridico.com.br 
 
Prof
a
. Ângela Kretschmann 
 
Prof. Celso Augusto Nunes da Conceição 
 
2.1 Por que a necessidade da Linguística no Direito? 
2.2 A propedêutica 
2.3. Linguística Geral: três Observações 
2.3.1 Explicação e justificativa 
2.3.2 Contestação 
2.3.3 O \u201ccerto\u201d e o \u201cerrado\u201d 
2.4 Compreensão e interpretação 
2.5 Estímulos 
2.5.1 Por que voltar ao passado? 
2.5.2 Esclarecimento linguístico 
2.5.3 Conteúdo Programático 
2.5.4 Brincando de referência e gerando ambiguidades 
2.6 Ansiedades do aluno 
2.7 Avaliação inicial pelo ENADE 
2.8 Próxima edição 
 
Prof
a
 Ângela Kretschmann 
Prof. Leonel Pires Ohlweiler 
 
3.1 Objetivos e importância da disciplina 
3.2 Um histórico da disciplina no Brasil 
3.3 O fenômeno jurídico 
3.4 Dogmatismo e os Enfoques do Fenômeno Jurídico 
3.5 O material de trabalho do futuro jurista 
3.6 O Direito como conceito interpretativo 
3.7 As relações entre direito e moral 
3.8 Correntes doutrinárias do Direito, em especial positivismo e 
jusnaturalismo 
3.9 Os Princípios Jurídicos na Teoria Geral do Direito 
 
Prof. Renato Selayaram 
Prof. José Ignácio Nuñez Leiva 
Prof. Samuel Aguiar da Cunha 
 
4.1 O prazer da leitura e a História do Direito 
4.2 Para começo de conversa 
4.2.1 Leituras e apontamentos 
4.2.2 Para ler e gostar de História 
4.3 A história do ser humano 
4.4 O mundo antigo 
4.4.1 O Egito 
4.4.2 A Babilônia 
4.4.3 Os hebreus 
4.4.4 A Grécia 
4.4.4.1 A cidade grega 
4.4.4.2 A legislação grega 
4.5 Roma 
4.5.1 A organização econômica, social e política 
4.5.2 O Direito Romano 
4.6 A passagem para a Idade Média 
4.6.1 O império carolíngio 
4.6.2 A igreja na Idade Média 
4.6.3 O poder no fio da espada 
4.6.4 O Direito Canônico 
4.7 O Renascimento 
4.8 Da Modernidade ao século XX 
4.8.1 A Revolução Francesa 
4.8.2 O século XX 
4.8.3 O direito brasileiro 
4.9 A título de conclusão 
 
Prof. Emerson de Lima Pinto 
 Prof. Guilherme de Oliveira Feldens 
 
5.1 Ciência Política e Filosofia: Uma incursão pela Teoria do Estado, 
Teoria da Constituição e alguns teóricos essenciais do pensamento 
Ocidental 
 
5.2 Estado e Política na República de Platão 
5.3 A Política de Aristóteles 
5.4 Maquiavel e as Razões de Estado 
5.5 Os quatro príncipes do contratualismo e algumas contribuições 
5.6 O Estado Contemporâneo: Das raízes ao presente 
5.7 Estado de Direito, Democracia e Direitos Fundamentais 
5.8 Ciência Política, Direito e Espaço Público e Privado 
5.9 Países Periféricos e globalização 
5.10 Modernidade e Pós-modernidade 
5.11 A Teoria do Estado e da Constituição: um debate introdutório 
5.12 Considerações finais 
 
Prof
a
. Ângela Kretschmann 
Prof. Guilherme de Oliveira Feldens 
Prof
a
. Roberta Magalhães Gubert 
Prof. Rogério Moreira Lins Pastl 
 
6.1 Objetivos e importância da disciplina 
6.2 Uma introdução às fontes do direito 
6.3 Fontes formais e fontes materiais do direito 
6.4 Identificação das fontes na ordem jurídica brasileira 
6.4.1 A lei 
6.4.2 Integração das Normas Jurídicas: a analogia e os costumes 
6.4.3 A Jurisprudência 
6.4.4 Doutrina 
6.5 As fontes do Direito Civil: Constitucionalização do Direito Privado 
6.6 Conclusão 
Prof
a
. Jaqueline Mielke Silva 
 
7.1 Considerações iniciais 
7.2 A crise do direito na pós-modernidade: o progresso do mundo 
contemporâneo e a insuficiência da teoria originária da modernidade 
7.3 O paradigma cientificista que norteou o Direito Processual Civil 
moderno 
7.4 Instrumentalidade e efetividade do processo 
7.5 A crise do poder judiciário 
 
7.6 A importância das normas, princípios e diretrizes para Ronald 
Dworkin 
7.7 O direito como integridade na concepção de Ronald Dworkin 
 
Prof. Marcelo Almeida Sant\u2019Anna 
 
8.1 Direito Penal para quem? 
8.2 O inimigo: considerações iniciais 
8.3 O inimigo interno 
8.4 O traficante: um novo inimigo 
8.5 O terrorista: outro inimigo a ser eliminado 
8.6 A expansão dos discursos de punição e controle 
8.6.1 \u201cLei e ordem\u201d (para quem?) 
8.6.2 Defesa Social 
8.6.3 Doutrina de Segurança Nacional 
8.7 Considerações finais 
 
 
s cursos jurídicos em geral possuem como determinação 
proporcionar ao estudante de Direito um conteúdo básico 
vinculado às chamadas disciplinas propedêuticas, que 
cumprem a função de estabelecer uma estrutura, uma base fundante 
para o futuro jurista. É também uma exigência legal imposta pelo 
Ministério da Educação.
1
 A preocupação com as questões fundantes 
e básicas, entretanto, não representa apenas o que é legal ou 
passageiro, questão meramente introdutória, como se seu caráter 
fosse simplesmente preparatório ou uma espécie de trampolim para 
a prática do futuro jurista. Pelo contrário, as disciplinas 
propedêuticas têm por objetivo fornecer uma base de apoio que 
acompanhe o jurista em toda sua trajetória de vida, pois elas se 
propõem às questões mais elevadas e também porque estabelecem o 
marco do pensar, do agir, da teoria e da prática. 
No curso de Direito, as disciplinas propedêuticas ocupam 
lugar de destaque no primeiro semestre e vêm abraçadas, já de 
início, ao Direito Civil, de modo que o aluno é apresentado, desde 
os primeiros passos, não apenas ao conceito de direito, à história do 
direito e do Estado, mas também ao próprio direito civil. O jurista 
contemporaneamente busca razões muitas vezes históricas, não 
apenas para propor uma ação, justificar seus argumentos na busca 
 
1 Cfe. Resolução CNE/CES n° 9, de 29 /09/ 2004, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do 
Curso de Graduação em Direito e dá outras providências (que revogou a Portaria n°. 1886, de 
30/12/1994, que fixava as diretrizes curriculares e um conteúdo mínimo para o curso jurídico. 
O 
 
do Judiciário,