Fundamentos e estrutura do cooperativismo
102 pág.

Fundamentos e estrutura do cooperativismo


DisciplinaAdministração137.250 materiais968.773 seguidores
Pré-visualização23 páginas
A sociedade civil, entretanto,
possui inúmeros recursos para somar à luta para superar a pobreza. Superação da pobreza
ajuda a consolidar a democracia. A qualidade de vida, tanto de ricos como de pobres, se vê
melhorada com o despertar do potencial solidário adormecido em nossa sociedade.
Antes de aprofundar essas discussões, é preciso trazer aqui definições sobre democra-
cia elaboradas a partir da visão de alguns autores de suporte ao cooperativismo. Para Piaget
(1973), a cooperação é uma relação social que pressupõe a democracia como ocasião de
tomar decisões em conjunto, de coordenar diferentes pontos de vista para alcançar um acor-
do entre eles. Sendo uma forma de relação social, a cooperação proporciona uma situação
problemática favorável ao desenvolvimento intelectual e moral dos envolvidos, fator esse
que se agrega ao modo da reprodução da relação inicial, alterando-a qualitativamente.
Quer dizer, quanto mais as pessoas se envolvem em relações de cooperação, mais se desen-
volvem moral e intelectualmente, de modo que mais conseguem estabelecer relações coope-
rativas entre si. É por causa do desenvolvimento dos participantes, proporcionado pela pró-
pria situação de cooperação, que as relações de cooperação tornam-se gradativamente me-
lhores que as anteriores.
Para Giddens (2005, p. 78), estudioso da democracia e cooperativismo, democracia é
\u201cum sistema que envolve competição efetiva entre partidos políticos por cargos de poder.
Numa democracia realizam-se eleições regulares e limpas, de que todos os membros da po-
pulação podem participar\u201d. Os direitos de participação democrática são acompanhados por
liberdades civis \u2013 liberdade de expressão e discussão, juntamente com a liberdade de formar
grupos ou associações políticas e de neles ingressar.
O mesmo autor defende que a participação deve envolver todos os membros da organi-
zação, destacando a importância da participação da mulher para a efetividade da democra-
cia cooperativa. Por isto observa que a democracia só se desenvolveu plenamente no Oci-
dente no século 20. Antes da 1ª Guerra Mundial as mulheres tinham direito ao voto somen-
te em quatro países, Finlândia, Noruega, Austrália e Nova Zelândia. Na Suíça elas só ad-
EaD
23
FUNDAMENTOS E ESTRUTURA DO COOPERATIVISMO
quiriram este direito em 1974 (Giddens, op. cit. p. 79). Desde meados da década de 70 o
número de governos democráticos no mundo mais do que duplicou. A democracia se esten-
deu a mais de 30 novos países, enquanto todos os Estados democráticos existentes conser-
varam suas instituições democráticas (p. 80).
Entre os desafios e paradoxos da democracia, apontados por Giddens, aparecem vári-
os pontos importantes, tais como:
\u2013 que a democracia está se disseminando pelo mundo e, no entanto, mais nas democracias
maduras do que no restante do planeta;
\u2013 na maioria dos países ocidentais, os níveis de confiança nos políticos caíram nos últimos
anos;
\u2013 menos pessoas comparecem para votar do que em tempos passados;
\u2013 um número cada vez maior de pessoas declara não ter \u201cinteresse na política\u201d, especial-
mente entre as gerações mais jovens (p. 81).
A democracia requer flexibilidade e dinamismo para poder competir na economia ele-
trônica global. O poder político baseado no comando autocrático não consegue mais man-
ter o seu valor. A revolução das comunicações está produzindo uma maior e crescente cons-
ciência sobre a importância da democracia. Na época pós-moderna as pessoas perderam de
fato boa parte da confiança que costumavam ter nos políticos e nos processos democráticos
ortodoxos. Isso porque muitos líderes políticos estão mais movidos por interesses pessoais
(lutam mais por interesses do que por causas) em vez de estarem preocupados com os inte-
resses de seus cidadãos.
Nesse sentido, é preciso ressaltar que o cooperativismo configura-se como um espaço
de valorização e da vivência da democracia. O que explica a afirmação de Giddens (2005, p.
83), de que os cidadãos não perderam, contudo, a fé nos processos democráticos. O
cooperativismo serve de estímulo para que as pessoas se interessem mais pela política e a
cidadania, incluindo os jovens.
EaD Pedro Luís Bü tten bend er
24
A democracia, na visão de Boaventura de Sousa Santos
(2002), ao analisar o cânone da estrutura capitalista, traçando
um mapa de alternativas de produção, apresenta as formas coo-
perativas como importante contraponto ao modo capitalista de
organização. Dentro dessa linha de considerações, apresenta-se
como caso exemplar o Complexo Cooperativo de Mondragón, na
Região Basca/Espanha, que realiza um grande esforço de
criatividade, incorporando as mais modernas tecnologias
informatizadas de produção como alternativa de sobrevivência e
vitória no mercado, porém sem perder seu lado humano e social.
Num outro momento do estudo, Sousa Santos (2002) ana-
lisa a relação entre associativismo e socialismo, mostrando como,
pó rmeio de formas associativas de produção, pode-se evoluir do
socialismo centralizado para o socialismo de mercado. O autor
tece também considerações sobre as propostas de desenvolvimento
alternativo, encontrando nas economias populares uma impor-
tante opção da organização do trabalho e da produção. Ao mes-
mo tempo, tece críticas sobre os vazios das abordagens ao desen-
volvimento alternativo em documentos de agências internacio-
nais, que colocam suas ênfases ou no desenvolvimento local, des-
cuidando as variáveis regionais, nacionais e internacionais, ou
enfatizam demais as variáveis mais amplas (variáveis macro).
É importante entender a importância de estender o campo
de ação da democracia do campo político também para o campo
econômico, limitando a separação artificial entre política e eco-
nomia que o capitalismo e a economia liberal estabeleceram. Esta
alteração é mais do que meramente quantitativa. Com a expan-
são da democracia participativa ocorre a criação de possibilida-
des de transformação qualitativa da democracia na direção de
uma democracia participativa e fiscalizadora. É isso que consti-
tui uma alternativa radical à política liberal capitalista. Ao se
Complexo Cooperativo
 de Mondragón
O Complexo Cooperativo de
Mondragón pode ser mais
bem conhecido e consultado
no Portal:
<http://www.mcc.es>.
EaD
25
FUNDAMENTOS E ESTRUTURA DO COOPERATIVISMO
analisar experiências em vários países constata-se com freqüência o problema da divisão
entre os líderes das cooperativas e o restante dos trabalhadores associados. Esta é uma
problemática que se verifica desde o surgimento das primeiras cooperativas, na primeira
metade do século 19. Agrega-se, portanto, o questionamento: como evitar o ressurgimento
de hierarquias e da apatia em organizações, cujo êxito da participação direta e do compro-
misso de quem nelas trabalha?
O professor José Odelso Schneider, estudioso da democracia cooperativa, relaciona os
diferentes níveis da democracia para definir a democracia cooperativa (Schneider, 1991),
conforme exposto a seguir:
a) A democracia autêntica: a que cultua a liberdade, os direitos e deveres humanos, a igual-
dade de oportunidades e a eqüitativa participação nas oportunidades e nos resultados ou
nos bens e serviços produzidos na sociedade, o acesso de todos à educação, a fraternidade
praticada por meio da solidariedade, da justiça, da segurança social e da paz.
b) A democracia liberal-representativa: é a que hoje predomina no cenário político, mas é
vítima da rotina e da estagnação, que deve avançar em progressivas formas de democra-
cia fiscalizadora.
c) A democracia social: em que todos têm acesso aos bens sociais e culturais básicos: educa-
ção, saúde, previdência e assistência social, à cultura e ao lazer.
d) A democracia