Historia da Arte 2007 LIVRO
88 pág.

Historia da Arte 2007 LIVRO


DisciplinaHistória da Arte I3.788 materiais136.555 seguidores
Pré-visualização27 páginas
Paleolítico Superior. Presentes em todos os continentes, da América à Ásia, eles demonstram a 
evolução da habilidade manual e tecnológica humana e o desenvolvimento da expressão de suas concep-
ções. Vivendo em grupos nômades, fabricando ferramentas e buscando entender e controlar seu mundo, 
a arte desse período manifesta-se nas cavernas e em pequenas esculturas.
Arte rupestre
Em algumas cavernas encontram-se registros artísticos do homem do Paleolítico Superior. As repre-
sentações, através de pintura, incisão ou escultura nas paredes das cavernas européias, são principalmente 
animais como cavalos, bisões, mamutes, cervos e felinos em cenas de caça. Essas imagens de grande realis-
mo revelam o alto grau de observação dos artistas e sua destreza na execução das obras. E quem eram esses 
artistas? E por que faziam tais obras? Desconhece-se a identidade deles, mas, dentro do grupo de caçadores, 
provavelmente, exerciam funções mágicas ou religiosas e a arte seria um ritual. A maioria dos arqueólogos e 
antropólogos acredita que o propósito dessas representações era mágico, propiciatório, ou seja, favorecer a 
caça. Afi nal, essas cenas não são ornamentais, não foram feitas para apreciação, deleite estético, uma vez que 
geralmente, se localizam nas áreas mais profundas, muitas vezes de difícil acesso nas cavernas. E também, 
em várias partes as fi guras dos animais são sobrepostas. Assim, o homem pré-histórico
quando representava esses animais, supunha que ia tê-los à sua mer-
cê e que lhes tiraria a vida se \u201cmatasse\u201d, previamente, as respectivas 
fi gurações. Assim, as imagens \u201cmortas\u201d perdiam seu poder uma vez 
efetuado o rito de matança e deixavam de servir para nova feitiçaria. 
Tais práticas teriam, pelo menos, o condão de fortalecer a ousadia 
dos caçadores e de lhes incutir confi ança ao arrostarem, com armas 
primitivas, formidáveis bestas-feras (JANSON,1984, p.24)
Tecnicamente, essas fi guras eram desenhadas com pedaços afi ados de madeira e pintadas com pigmentos 
orgânicos disponíveis. Geralmente, a paleta desses artistas era composta pelo preto do carvão, o branco do giz, 
vermelho e ocres dos minerais. Esses pigmentos eram triturados e misturados `a gordura animal e tornavam-se 
tinta líquida a ser aplicada por meio dos dedos, primitivos pincéis de penas de pássaro ou pelos, podendo também 
História da Arte 11
serem soprados através de ossos ocos. As gravações e esculturas nas paredes das cavernas eram, usualmente, exe-
cutadas por meio de buris de pedra. O estilo das pinturas é conhecido pela localização das cavernas.
Os mais famosos exemplares de pinturas rupestres estão 
nas cavernas de Altamira (Espanha) e de Lascaux (França), carac-
terísticos do estilo franco-cantábrico. As cenas de Altamira foram 
descobertas em 1879, pela fi lha do arqueólogo espanhol Marceli-
no de Santuola. Elas compreendem incisões e pinturas de animais 
com rica policromia e variedade de posições. As irregularidades 
das superfícies da caverna foram aproveitadas para dar relevo às 
fi guras. Destaca-se o conjunto da abóbada, com cerca de 14 me-
tros, onde cada animal mede de 1 a 2 metros. Por ser o primeiro 
exemplar do tipo a ser descoberto, o reconhecimento das pinturas 
de Altamira como obras de arte autenticas do Paleolítico só foi 
possível no fi nal do século XIX com a revelação de outras grutas 
francesas decoradas do mesmo período. A gruta de Lascaux só 
foi descoberta em 12 de setembro de 1940 por quatro adolescen-
tes. Ela está dividida em vários salões, trazendo apenas uma ima-
gem humana, seu tema principal são os animais. Segundo Upjohn 
(1979, v.1, p.42), as numerosas galerias e salões de Lascaux con-
templam todos os estilos paleolíticos, fazendo com que seja um 
dos mais signifi cativos conjuntos conhecidos. 
Esse estilo dos caçadores começou a se espalhar por todo 
o mundo a partir de 15.000 a.C (LOMMEL, 1966, p.23). Em cada 
local representa os animais do ambiente, retrata os animais conhecidos pelos caçadores, capturados por eles. Além 
dos animais, por vezes, aparecem as imagens de caçadores com arcos e fl echas ou lanças em ação. Diferentemente 
do realismo com que eram retratados os animais, as fi guras humanas eram estilizadas, lineares. Interessantes são 
as mãos humanas impressas nas paredes das cavernas em positivo (imprimindo a mão pintada com tintas) ou em 
negativo (pintando ao redor da mão sobre a superfície). Segundo Hauser (1994, p.8), 
as silhuetas de mãos que foram encontradas em muitos lugares perto 
das pinturas rupestres, e que parecem ser resultantes da impressão 
deixada por mãos reais, fi zeram, provavelmente, nascer, no homem, 
a idéia de criação \u2013 a poeiein \u2013 e deram-lhe a consciência da possi-
bilidade de que algo inanimado e artifi cial poderia ser perfeitamente 
semelhante ao original vivo e autêntico. Esse mero jogo nada tinha a 
ver inicialmente, é claro, nem com a arte nem com a magia; teria de 
converter-se primeiro num instrumento de magia e só então poderia 
tornar-se uma forma de arte. Com efeito, é tão imenso o hiato exis-
tente entre essas impressões de mãos e as mais primitivas represen-
tações de animais do paleolítico (e não existe qualquer documento 
sobre uma possível transição entre ambas), que difi cilmente pode-
mos admitir a hipótese de um direto e contínuo desenvolvimento de 
formas de arte a partir de puras formas lúdicas; deve-se, no entanto, 
inferir a existência de um elo de conexão vindo de fora \u2013 e, com 
toda a probabilidade, esse elo terá sido a função mágica da cópia. 
Contudo, mesmo essas formas lúdicas, pré-mágicas, apresentavam 
uma tendência naturalista, ou seja, a imitação da realidade (ainda que 
mecanicamente), e não podem, de maneira nenhuma, ser considera-
das a expressão de um princípio decorativo e antinaturalista.
Pintura da caverna de Altamira, Espanha.
Pintura da caverna de Lascaux, França.
FTC EaD | HISTÓRIA12
As pinturas rupestres são datadas a partir dos outros vestígios (fósseis e objetos) encontra-
dos nos sítios arqueológicos e pelo teste do carbono 14. A sua conservação, contudo, tem sido um 
grande problema. Antes preservadas, longe dos olhares humanos, a visitação do público trouxe um 
desequilíbrio ao ambiente dessas obras, levando ao desenvolvimento de colônias de micro-organis-
mos, fungos e bactérias. Muitos tratamentos estão sendo desenvolvidos, mas as grutas de Lascaux 
e Altamira encontram-se fechadas ao público, em geral, em busca de sua preservação.
Você Sabia?
Escultura
As esculturas, de pequenas dimensões, eram feitas em pedra, osso, marfi m, chi-
fre, etc. As representações são, essencialmente, de animais, mostrados de modo realista 
como nas pinturas rupestres. Entretanto, existem fi guras humanas. As mais antigas são 
as estatuetas femininas conhecidas como Vênus esteatopigias. Essas representações são 
caracterizadas pelas formas fartas, seios, púbis, coxas e nádegas volumosos. Segundo 
os estudiosos, esse modelo estético feminino da época estava profundamente ligado 
ao culto à fertilidade, evocando uma imagem patriarcal da mulher nessa época. O 
pequeno tamanho das esculturas pode indicar o seu uso ritual ou como talismã.
A mais famosa das Vênus esteatopigias, a Vênus de Willendorf, foi descoberta 
em 1908 pelo arqueólogo Josef Szombathy em escavações na cidade austríaca que lhe 
deu o nome. Essa ilustre obra-prima de 11, 1 cm, em pedra calcárea, pertencente ao Mu-
seu de História Natural de Viena, foi datada como sendo de cerca de 24.000 a 
22.000 a.C no período do Paleolítico Superior. Além de esculturas, as Vênus es-
teatopigias foram feitas em relevo como a Vênus de Laussel, datada entre 15.000 
a 10.000 a.C, pertencente ao Museu de Aquitânia, naFrança. 
Arte mesolítica
O Mesolítico é um período intermediário entre o Paleolítico e o Neolítico, caracterizado pela expansão 
territorial da espécie humana. Compreende um período de cerca de