Código de Processo Civil Anotado - OAB Paraná
2021 pág.

Código de Processo Civil Anotado - OAB Paraná


DisciplinaDireito Processual Civil I45.630 materiais803.041 seguidores
Pré-visualização50 páginas
pedido de indenização em face 
do vendedor \u201eB\u201c. \u201eB\u201c alega que comprou de \u201eC\u201c e portanto o denuncia, pois 
eventual indenização teria que ser paga por \u201eC\u201c). Mediante o instituto da denun-
ciação da lide, uma das partes (mais freqüentemente o réu), como denunciante, 
promove no mesmo processo uma ação regressiva contra terceiro - o denun-
ciado. Citado, o terceiro torna-se réu na ação de denunciação. A denunciação 
pressupõe necessariamente que o denunciante tenha uma pretensão própria 
(um crédito de reembolso) contra o denunciado, pretensão que fará valer caso 
venha, ele denunciante, a sucumbir na ação principal.
II. Obrigatoriedade e não obrigatoriedade da denunciação da lide. 
O entendimento que predomina é que a denunciação da lide é obrigatória nos 
casos de evicção (inciso I do art. 70, CPC), para o denunciante exercer o direito 
que a evicção lhe resulta (evicção é a perda da coisa sofrida pelo adquirente, 
em consequência de um anterior direito de outrem). Há, entretanto, julgamen-
to recente do STJ no sentido de que mesmo com fundamento no inciso I, do 
I \u2013 ao alienante, na ação em que terceiro reivindica a coisa, cujo 
domínio foi transferido à parte, a fim de que esta possa exercer 
o direito que da evicção lhe resulta;
II \u2013 ao proprietário ou ao possuidor indireto quando, por força 
de obrigação ou direito, em casos como o do usufrutuário, do 
credor pignoratício, do locatário, o réu, citado em nome próprio, 
exerça a posse direta da coisa demandada;
III \u2013 àquele que estiver obrigado, pela lei ou pelo contrato, a in-
denizar, em ação regressiva, o prejuízo do que perder a deman-
da.
AUTOR
Maria de Lourdes Viégas Georg
Artigo 70Maria de Lourdes Viégas Georg
165
artigo 70, CPC não perde o direito da ação autônoma de regresso a parte que 
não denunciou da lide aquele que em tese tem o dever de indenizar. Nos casos 
previstos nos incisos II (quando a denunciação é feita pelo possuidor direto em 
relação ao possuidor indireto ou ao proprietário pois eventual demanda a ele 
movida, cujo objeto seja o bem pode lhe trazer eventuais prejuízos) e III do art. 
70, CPC (possibilidade de denunciar da lide aquele que, por imposição legal ou 
em decorrência de relação contratual tiver obrigação de ressarcir prejuízo de 
outrem), não há dever de denunciar, acarretando a não denunciação apenas a 
perda da oportunidade da ação de regresso no mesmo processo, sendo manti-
do íntegro, porém, o direito de ajuizamento de uma ação autônoma. Ressalte-se 
que há entendimento do STJ de que a situação prevista no inciso II também é 
obrigatória.
III. Cabimento da denunciação da lide. 
Cabe a denunciação da lide no processo de conhecimento, no procedimento 
comum ordinário e no procedimento sumário (desde que fundada em contrato 
de seguro, CPC, art. 280). Cabe também nos procedimentos especiais de juris-
dição contenciosa. Não cabem no processo de execução e nem no Juizado Es-
pecial (art. 10, Lei 9099/95). Por óbvio, se a demanda tramitar pelo rito sumário, 
mesmo sendo caso de denunciação da lide com fundamento no inciso I, como 
a lei proíbe a denunciação, a parte não perderá o direito de ajuizar ação autôno-
ma.
JULGADOS 
Denunciação da lide para assegurar o direito de regresso
1.Ementa:\u201dAgravo de instrumento. Responsabilidade civil Autora que procura in-
stituição financeira para realizar aplicação. Movimentação realizada por prepo-
sto em proveito próprio. Legitimidade passiva. Matéria de ordem pública não 
enfrentada pelo juízo \u2018a quo\u2019. Juiz condutor do processo quem detém a análise 
de qual o momento adequado para enfrentar determinado ponto. Matéria que 
confunde-se com o mérito da demanda. Interesse processual evidenciado. Pre-
tensão. Reconhecimento da ilicitude do ato e ressarcimento dos valores pagos. 
Adequação do procedimento. Denunciação da lide dos corréus. Cabimento com 
o objetivo de garantir o direito de regresso. Inteligência do art. 70, III, do Código 
de Processo Civil. Relação de consumo. Excepcionalidade. Ausência de funda-
mento novo. Denunciação em consonância com o princípio da facilitação da de-
fesa dos direitos do consumidor. Decisão reformada neste ponto. Produção da 
prova pericial e testemunhal. Desnecessidade. Conjunto probatório suficiente. O 
juiz é destinatário das provas, cabendo a ele a análise de quais as provas são 
necessárias para o deslinde do feito. Recurso conhecido e parcialmente provi-
do\u201d. 
(TJ/PR, Agravo de Instrumento n. 993.185-5, Décima Câmara Cível, Rel. Des. 
Luiz Lopes, Julg. 04/07/2013, Pub. 30/07/2013).
 
2.\u201dO entendimento desta Corte encontra-se pacificado no sentido de que a de-
Artigo 70Maria de Lourdes Viégas Georg
166
nunciação da lide torna-se obrigatória na hipótese de perda do direito de regres-
so, que ocorre nos incisos I e II do art.70 do CPC, sendo desnecessária no caso 
do inciso III do referido dispositivo legal.\u201d 
(STJ, AgRg no REsp 384402/PR, Primeira Turma, Rel. Min. Francisco Falcão, 
15/02/2005).
3. \u201cA denunciação da lide pressupõe direito de regresso em decorrência de con-
trato ou de lei (STJ, AGA 710053/SP, Terceira Turma, Rel. Min. Humberto Gomes 
de Barros, j. 21/02/2006).
4.\u201dA denunciação da lide prevista nos casos do art. 70,III, do CPC, na linha da ju-
risprudência desta Corte, não se mostra obrigatória. Agravo regimental despro-
vido.\u201d 
(STJ, AgRg 655820/CE, Quarta Turma, Rel. Min. Fernando Gonçalves, j. 
21/06/2005). 
 
I \u2013 Momento para a denunciação da lide:
 
A denunciação deverá ser feita na petição inicial, se o denunciante for o autor e, 
se for o réu, o prazo para a denunciação é no prazo da defesa, ambos sob pena 
de preclusão. Não haverá preclusão para o autor se o direito à denunciação sur-
gir após o ajuizamento da demanda. 
II \u2013 Pedido na denunciação: 
O pedido formulado pelo denunciante é condenatório, requerendo que o de-
nunciado o indenize, em regresso, pela perda da propriedade (evicção) ou por 
aquilo que tiver que à parte contrária na ação principal.
JULGADOS 
Momento adequado
1.\u201dRecurso especial. Processual Civil. Denunciação da lide oferecida pelo réu. 
Inteligência do art. 71 do CPC. Oferecimento após a contestação e o prosse-
guimento da marcha processual. Impossibilidade. Recurso especial provido.\u201d 
(STJ, REsp 1099439/RS, Terceira Turma, Min. Rel. Massami Uieda, j. 19/03/2009, 
Artigo 70Maria de Lourdes Viégas Georg
Art. 71. A citação do denunciado será requerida, juntamente 
com a do réu, se o denunciante for o autor; e, no prazo para 
contestar, se o denunciante for o réu.
AUTOR
Maria de Lourdes Viégas Georg
167
DJe 04/08/2009). 
2.\u201dA denunciação da lide pelo réu a terceiro, deve ser feita no prazo da conte-
stação, sob pena de preclusão. Inteligência do art. 71 do CPC. 
(TJ/RS, Apelação Cível 707939614, Sexta Câmara Cível, Rel. Des. Artur Arnildo 
Ludwig, Julg. 19/05/2004). 
I \u2013 Ônus do denunciante de promover a citação do denunciado: 
Admitida a denunciação da lide e ordenada a citação do denunciado, o proces-
so ficará suspenso. Para que o processo não se eternize o artigo em comento 
prevê prazo para a realização da citação dentro da comarca (de dez dias) e fora 
da comarca (prazo de trinta dias). 
JULGADOS 
Citação do denunciado
\u201cPROCESSUAL CIVIL.PEDIDO DE DENUNCIAÇÃO DA LIDE. DEFERIMENTO. 
AUSÊNCIA DE PREPARO. INTIMAÇÃO PESSOAL. DESNECESSIDADE. ART. 72, 
§ 2º , DO CPC. INEFICÁCIA DO PEDIDO DE DENUNCIAÇÃO DA LIDE. PROSSE-
GUIMENTO DA AÇÃO PRINCIPAL UNICAMENTE EM RELAÇÃO AO DENUNCI-
ANTE. 1. O pagamento das custas processuais da denunciação da lide deve 
ser providenciado pelo denunciante, o qual fica obrigado a promover a citação 
do denunciado no prazo de 10 dias, quando residente na mesma comarca em 
que ajuizada a demanda ou de 30 dias, quando residente em outra comarca, 
nos termos do art. 72, § 1º do CC, sob pena de perda de eficácia do pedido de 
denunciação. 2. ... 3. É suficiente