A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
(Livro) David Ausubel - Aquisição e Retenção de Conhecimentos - Uma Perspectiva Cognitiva

Pré-visualização | Página 8 de 13

esforços de aprendizagem dos alunos, com a consequente
tas práticas por parte de muitos professores a favor das novas abordagens de des-
e resultado levou, por sua vez, ao ponto de vista largamente aceite nos círculos
s de que a abordagem de ensino expositivo e de aprendizagem por recepção
prendizagem de verbalismos vazios (em vez de generalizações), desprovidos de
nificado e de compreensão. Os aspectos que se seguem caracterizavam algumas
as expositivas mal sucedidas:
prematuro de técnicas verbais puras com alunos imaturos em termos cognitivos.
sentação arbitrária de factos não relacionados sem quaisquer princípios de orga-
ão ou de explicação.
integração de novas tarefas de aprendizagem com materiais anteriormente apre-
dos.
zação de procedimentos de avaliação que avaliam somente a capacidade de se 
hecerem factos discretos, ou de se reproduzirem ideias pelas mesmas palavras 
 contexto idêntico ao encontrado originalmente.
8 CAPÍTULO 1
RETENÇÃO SIGNIFICATIVA E ESQUECIMENTO 
Processo de Assimilação na Aprendizagem e na Retenção Significativas
A aprendizagem significativa constitui apenas a primeira fase de um processo de assimila-
ção mais va
vel da reten
relacionam 
ficativas do 
(bem como 
interagem c
torna-se, pa
novos signi
valo de reten
Processos d
Por consegu
(1) ancorag
estrutura co
tes existente
interacção; 
respondente
desempenha
sociabilidad
veis que lhe
de forma va
quais intera
ligadas no a
mente apree
óbvio, parte
A históri
ção de novo
esquecimen
apreende de
retenção-esq
compara-se 
nismos psic
Processo de
Durante 
gir em relaç
identificáve
mente às ide
apreendam 
sto e inclusivo, que também consiste na própria fase sequencial natural e inevitá-
ção e do esquecimento. A Teoria da Assimilação explica a forma como se
de modo selectivo, na fase de aprendizagem, novas ideias potencialmente signi-
material de instrução com ideias relevantes, e, também, mais gerais e inclusivas
mais estáveis), existentes (ancoradas) na estrutura cognitiva. Estas ideias novas
om as ideias relevantes ancoradas e o produto principal desta interacção
ra o aprendiz, o significado das ideias de instrução acabadas de introduzir. Estes
ficados emergentes são, depois, armazenados (ligados) e organizados no inter-
ção (memória) com as ideias ancoradas correspondentes.
e Assimilação na Aprendizagem Significativa
inte, os processos de assimilação na fase da aprendizagem significativa incluem:
em selectiva do material de aprendizagem às ideias relevantes existentes na
gnitiva; (2) interacção entre as ideias acabadas de introduzir e as ideias relevan-
s (ancoradas), sendo que o significado das primeiras surge como o produto desta
e (3) a ligação dos novos significados emergentes com as ideias ancoradas cor-
s no intervalo de memória (retenção). Como é natural, estes novos significados
m um papel no aumento de estabilidade, bem como no aumento da força de dis-
e associada, que resulta da ligação dos mesmos às ideias ancoradas mais está-
s correspondem. Como é óbvio, as próprias ideias ancoradas também se alteram
riável no processo interactivo, quer com as novas ideias de instrução com as
gem, quer, mais tarde, com os novos significados emergentes aos quais estão
rmazenamento de memória. Esta ligação e armazenamento das ideias recente-
ndidas com as ancoradas e mais estáveis também se pode considerar, como é
 do processo de retenção, uma vez que a ligação esteja estabelecida.
a natural da aprendizagem significativa não acaba, evidentemente, com a aquisi-
s significados. A aprendizagem deve sempre ser seguida de uma retenção e/ou
to, que constituem os próprios resultados e sequelas naturais. Tudo o que se
ve ser ou retido, ou esquecido. Admite-se que o processo de assimilação na
uecimento é, de alguma forma, diferente do da aprendizagem significativa, mas
a este quer nas manifestações psicológicas evidentes, quer nos próprios meca-
ológicos subjacentes.
 Assimilação na Retenção e no Esquecimento
o intervalo de retenção, armazenam-se (ligam-se) significados acabados de sur-
ão às ideias ancoradas que lhes correspondem. Contudo, enquanto entidades
is separadamente e por si só, apenas são dissociáveis e reproduzíveis relativa-
ias ancoradas por um determinado período de tempo limitado (a não ser que se
bem através da repetição ou do ensaio). Quando a força de dissociabilidade dos
APRESENTAÇÃO DA TEORIA DA ASSIMILAÇÃO DA APRENDIZAGEM E DA RETENÇÃO SIGNIFICATIVAS 9
mesmos chega abaixo de um determinado ponto crítico (o limiar da disponibilidade), ocorre
o esquecimento ou uma redução gradual em relação às ideias ancoradas em questão (subsun-
ção obliterante). Os factores da estrutura cognitiva (variáveis) que melhoram ou desvalori-
zam a aquisição inicial de novos significados (i.e., disponibilidade de subsunçores
relevantes; a estabilidade, clareza e capacidade de discriminação dos mesmos) continuam a
operar duran
activos são 
fase, de rete
estão envolv
termos de c
da aprendiza
Contudo
sofre, geralm
dissociabilid
quais estive
incómodo r
explícita e e
O que é
mento – e q
lecidas na e
mesmas) co
novos signif
nificados so
mente a esta
logo que sã
mesma com
ticularidade
dentemente 
estabelecida
disciplinas e
retenção de 
As variá
outro, afecta
Também o e
que de apre
versus recon
de forma alg
FA
Tendo consi
aprendizage
mos determ
tores, é prov
te o período de retenção, no qual os processos de assimilação psicologicamente
funcionais, apesar da falta de consciencialização dos mesmos. Esta é a segunda
nção-esquecimento, dos processos de assimilação (no sentido lato do termo) que
idos e subjacentes à aprendizagem significativa e à retenção. Assemelha-se, em
ontinuidade de processo, aos actos cognitivos correspondentemente manifestos
gem e da retenção significativas. 
, e, além disso, a força de dissociabilidade dos significados acabados de adquirir
ente, um decréscimo com os processos de assimilação ao longo do tempo e esta
ade fica, finalmente, reduzida a zero em relação às próprias ideias ancoradas, às
ram ligados. No que toca a este aspecto, isto acontece porque é muito menos
ecordar apenas uma ideia geral não elaborada ou não qualificada do que uma
specificamente elaborada.
 comum a ambas as fases – a aprendizagem significativa e a retenção-esqueci-
ue indica a acção dos processos de assimilação é que as ideias estáveis e estabe-
strutura cognitiva interagem de forma selectiva (em virtude da relevância das
m novas ideias (assimiladas) do material de instrução, de modo a produzirem os
icados que constituem o objectivo do processo de aprendizagem. Os novos sig-
frem, depois, uma estabilização, através da ligação (armazenamento), relativa-
s mesmas ideias ancoradas estáveis. Manifestam uma dissociabilidade máxima
o ligados às ideias acabadas de referir, mas exibem um decréscimo gradual da
 o decurso do tempo, por razões de redução da tensão cognitiva, gerada pela par-
, qualificações e elaborações dos próprios significados. Estes processos são evi-
semelhantes e assimilativos em ambos os casos, pois as ideias existentes e
s na estrutura cognitiva (estados de conhecimento estabelecidos no aprendiz, em
specíficas) desempenham um papel processual determinante na aquisição e na
novos conhecimentos. 
veis cognitivas, por um lado, e as sociais de motivação da personalidade, por
m a aprendizagem significativa e a retenção através de mecanismos diferentes.
squecimento pode ser influenciado por determinados factores (tais como ‘cho-
ndizagem’ inicial, ‘repressão’ e incitação à reprodução através da recordação
hecimento e hipnose) que influenciam o limiar da disponibilidade, sem alterar
uma a força de dissociabilidade dos significados em questão.
CTORES DA ESTRUTURA COGNITIVA (VARIÁVEIS)
E TRANSFERÊNCIA 
derado a natureza do significado e da aprendizagem significativa, bem como da
m por recepção e da retenção,