dos crimes contra a paz pública   resumo
3 pág.

dos crimes contra a paz pública resumo


DisciplinaCrimes em Espécie94 materiais365 seguidores
Pré-visualização3 páginas
apologia oral\u201d (Mirabete).

Ação penal: pública incondicionada, de competência do Juizado Especial Criminal.

Associação Criminosa

Art. 288 - associarem-se três pessoas ou mais pessoas, para o fim de cometer crimes:
Pena - reclusão, de um a três anos.

A denominação \u201cassociação criminosa\u201d surgiu com a Lei 12.850/13.

Ocorreu abolitio criminis em relação ao delito de quadrilha ou bando? O fato de ter sido excluída a denominação \u201cquadrilha ou bando\u201d do art. 288 do CP, não significa que houve abolitio criminis em relação a fatos anteriores à Lei 12.850/13, uma vez que a conduta não deixou de ser considerado crime com a nova redação \u2013 ao contrário, passou a ser mais fácil sua configuração.
Sujeito Ativo: qualquer pessoa (crime comum). Trata-se de crime de concurso necessário.
Sujeito Passivo: a sociedade

Qual o tipo objetivo? Associar-se

O que é associar-se? \u201cReunião não eventual de pessoas, com caráter relativamente duradouro\u201d (Rogério Greco).
Qual o tipo subjetivo

\u201cO dolo. Exige-se elemento subjetivo específico, consistente na finalidade de cometer crimes\u201d (Nucci).
Obs.: O tipo exige o mínimo de três pessoas, sendo que nesta contagem incluem-se os menores, os associados que morrerem, os comparsas que não foram identificados ou que foram referidos apenas por meio de alcunhas.

Diferença: o delito de associação criminosa diferencia do concurso comum de pessoas (coautoria e participação), pois na associação criminosa as pessoas se reúnem de forma estável, enquanto no concurso elas se unem de forma momentânea. Também, na associação criminosa os agentes visam a prática de um número indeterminado de infrações, existindo, portanto, intenção de reiteração.

TJSP: se os agentes não se unem para delinquir de modo indeterminado e permanente, mas em caráter transitório, ocorre, na realidade, ocasional concurso de agentes.
Em suma, se dez pessoas se juntam para roubar um banco e depois cada um vai para um canto, não há delito de associação criminosa \u2013 apenas roubo.

Obs.: se três pessoas estava associadas para praticar crimes antes da lei 12.850/13, não haverá crime. Porém, se continuarem associadas após a entrada em vigor da citada lei, podem ser punidas em virtude do caráter permanente dessa infração. (súmula 711 do STF).

A associação pode ser montada para praticar crimes determinados, como exemplo, grupo que se associa para montar um desmanche de veículos, torcedores que se organizam para agredir torcida rival. Porém, nada obsta que o grupo pratique infrações diversificadas.

A associação para a prática de contravenção penal não constitui associação criminosa, já que o art. 288 se refere expressamente à união para a prática de crimes.
Associação armada:
Parágrafo único - a pena aumenta-se até metade se a associação é armada ou se houver a participação de criança ou adolescente.
Quantos membros devem portar armas para configurar o aumento da pena?

\u201cNão há necessidade, ainda, de que todos os elementos que integram a quadrilha estejam armados para aplicação da majorante, bastando que apenas um deles se encontre nessa condição, para que todos tenham sua pena especialmente agravada.\u201d (Rogério Greco).
\u201cParece-nos possível configurar a causa de aumento quando apenas um dos membros da quadrilha está armado.\u201d (Nucci).

Armado: \u201ccomo o tipo penal não estabelece qualquer restrição, entende-se ser possível configurar a causa de aumento tanto a arma própria como a imprópria\u201d (Nucci).

Arma imprópria: instrumento utilizado extraordinariamente como arma, embora sem ter essa finalidade, como ocorre com a faca de cozinha, pedaços de pau, entre outros

Arma própria: instrumento destinado a servir de arma, como armas de fogo, punhais, espadas.
A nova redação é mais benéfica que a anterior que permitia o aumento no dobro. Assim, tratando-se de lei mais favorável, retroagirá para beneficiar pessoas que já tenham sido condenadas pelo crime de quadrilha armada.
Figura qualificada:

O art. 8º da Lei 8.072/90 dispõe que será de 3 a 6 anos de reclusão a pena prevista no art. 288 do CP quando se tratar de união visando à prática de crimes hediondos, tortura ou terrorismo. Este mesmo dispositivo do art. 8º também menciona a associação para a prática do tráfico de drogas, porém, atualmente, a união de duas ou mais pessoas para a prática de tráfico, de forma reiterada ou não, constitui o crime do art. 35 da lei 11.343/06, punido com reclusão de 3 a 10 anos, chamado de associação para o tráfico. Além disso, o art. 35, § único, da mesma lei, pune com a mesma pena a associação de duas ou mais pessoas para o financiamento reiterado do tráfico.

Delação premiada:

O art. 8º, § único da lei dos crimes hediondos dispõe que o participante ou associado que denunciar à autoridade (juiz, promotor, delegado) o bando ou quadrilha, possibilitando seu desmantelamento, terá a pena reduzida de um a dois terços. Apesar de o dispositivo mencionar expressamente o crime de \u201cquadrilha ou bando\u201d, aplica-se ao atual art. 288 do CP, uma vez que é norma benéfica que gera redução de pena. Deve haver efetivamente o desmantelamento do grupo. No caso concurso material entre o delito de associação criminosa e outros delitos praticados por seus integrantes, a redução da pena atingirá apenas à associação.

Organização criminosa x associação criminosa:

O art. 2º, caput, da lei 12.850/13 tipificou um novo crime de concurso necessário denominado \u201corganização criminosa\u201d. A nova tipificação penal consiste em \u201cpromover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa\u201d. Trata-se de delito mais grave que associação criminosa com pena de 3 a 8 anos de reclusão. O art. 1º, § 1º da lei 12.850/13 definiu organização criminosa: considera-se organização criminosa a associação de 4 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 anos, ou que sejam de caráter transnacional.
Assim, não basta haver a associação de quatro ou mais pessoas para a prática de crimes, devendo o bando ter uma estrutura organizada e divisão de tarefas, caso contrário teremos o delito de associação criminosa (art. 288 do CP).
Como ocorre a consumação?

\u201cO delito se consuma no momento em que ocorre a associação criminosa, não havendo necessidade de ser praticado qualquer crime em virtude do qual a associação foi formada.\u201d (Rogério Greco). Trata-se de crime formal.
\u201cO momento consumativo do crime é o momento associativo, pois com este já se apresenta um perigo suficientemente grave para alarmar o público ou conturbar a paz ou tranqüilidade de ânimo da convivência social.\u201d (Nelson Hungria).

A associação criminosa é autônomo em relação aos delitos que efetivamente venham a ocorrer. Assim, haverá concurso material entre o delito de associação criminosa e as demais infrações efetivamente praticadas.

Obs.: quando os delitos cometidos forem de roubo ou furto, que já possuem qualificadoras ou causa de aumento de pena pelo envolvimento de pelo menos duas pessoas, há divergência na doutrina e na jurisprudência, quanto ao correto enquadramento, caso tais crimes sejam praticados por três ou mais membros de uma associação criminosa. Para alguns, os agentes respondem por associação criminosa em concurso material com furto ou roubo simples, porque a aplicação da qualificadora ou causa de aumento seria bis in idem. Para outros, os agentes respondem por associação criminosa e pelos crimes qualificados, porque a associação é um crime de perigo contra a coletividade decorrente da mera formação do grupo em caráter estável, enquanto a qualificadora decorre da maior gravidade da conduta contra a vítima do caso concreto. Esse é o entendimento que vem sendo adotado pelo STF e STJ.
É possível a tentativa?

\u201cNão admite tentativa em razão da estabilidade e permanência requeridas\u201d (Nucci).