RESUMO DIREITO TRIBUTÁRIO ESQUEMATIZADO
207 pág.

RESUMO DIREITO TRIBUTÁRIO ESQUEMATIZADO


DisciplinaDireito Tributário I23.220 materiais272.016 seguidores
Pré-visualização50 páginas
RESUMO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ESQUEMATIZADO
CAPÍTULO I
NOÇÕES INTRODUTÓRIAS
	
1- NOÇÕES INTRODUTÓRIAS
1.1 O DIREITO TRIBUTÁRIO COMO RAMO DO DIREITO PÚBLICO
	A principal característica do direito privado é a predominância do interesse dos indivíduos participantes da relação jurídica. Mesmo havendo normas jurídicas de aplicação cogente ao caso concreto, haverá necessariamente a subjacência do interesse individual. 
	Em direito privado, portanto, pela subjacência sempre presente do direito privado, a regra é a livre manifestação da vontade, a liberdade contratual, a igualdade entre as partes da relação jurídica. Além disso, a regra no direito privado é a disponibilidade de interesses, podendo os particulares abrir mão de seus direitos, ressalvados aqueles considerados indisponíveis, pois, a necessária subjacência do interesse privado não exclui a existência de disposições cogentes relativas a ordem pública. A relação jurídica é horizontalizada. 
	Quando se passa a tratar de direito público, a análise parte de premissas bastante diferentes, quase que diametralmente opostas. 
Os princípios fundamentais do regime jurídico público são: a) a supremacia do interesse público; e b) a indisponibilidade do interesse público. A relação jurídica é verticalizada. 
	O direito tributário é, inequivocamente, ramo do direito público e que a ele são aplicáveis os princípios fundamentais inerentes ao regime jurídico de direito público. 
1.2 ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO
	Para obter as RECEITAS ORIGINÁRIAS, o Estado se despe das tradicionais vantagens que o regime jurídico de direito público lhe proporciona e, de maneira semelhante a um particular, obtém receitas patrimoniais ou empresariais. Ex. Contrato de aluguel em que o locatário é um particular e o locador o Estado. 
	Na obtenção de RECEITAS DERIVADAS, o Estado, agindo como tal, utiliza-se de suas prerrogativas de direito público, edita uma lei obrigando o particular que pratique determinados atos ou se ponha em certas situações a entregar valores aos cofres públicos, independentemente de sua vontade. Ex. Aquele que auferiu renda será devedor do IR. 
	
RECEITAS PÚBLICAS
	ORIGINÁRIAS
	DERIVADAS
	Originam-se do patrimônio do Estado.
	Originam-se do patrimônio do particular. 
	Predominantemente de direito privado.
	Predominantemente de direito público.
	O Estado explora seu próprio patrimônio.
	O Estado usa seu poder de império e obriga o particular a contribuir.
	Alugueis e receitas de empresas públicas e sociedades de economia mista.
	Tributos, multas e repartições de guerra. 
IMPORTANTE!!! Existem tributos cuja finalidade principal é FISCAL, ou seja, arrecadar, carrear recursos para os cofres públicos. Há tributos, contudo, que tem por finalidade precípua intervir numa situação social ou econômica. É a FINALIDADE EXTRAFISCAL. Já a FINALIDADE PARAFISCAL se caracteriza no fato de a lei tributária nomear sujeito ativo diverso da pessoa que a expediu, atribuindo-lhe a disponibilidade dos recursos arrecadados para o implemento de seus objetivos. 
Obs. É possível concluir, portanto, que, na parafiscalidade, o objetivo da cobrança do tributo é arrecadar, mas o produto da arrecadação é destinado a ente diverso daquele que institui a exação. É possível se afirmar que, atualmente, o fenômeno da parafiscalidade somente se caracteriza pelo DESTINO DO PRODUTO DA ARRECADAÇÃO a pessoa diversa da competente para a criação do tributo. 
IMPORTANTE!!! Em concursos públicos tem se adotado o entendimento clássico, considerando correta as afirmativas que incluem como elemento do conceito de parafiscalidade a delegação da capacidade tributária ativa. Quando a DELEGAÇÃO (capacidade tributária ativa) está presente existe a parafiscalidade. 	
1.3 CONCEITO DE TRIBUTO
Está previsto no art. 3º, do CTN:
Art. 3º - Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.
A gente tem que analisar esse dispositivo, dividindo essas afirmações, para entender direitinho o que é tributo e quais são as espécies tributárias.
a) \u201cPrestação pecuniária, em moeda ou cujo o valor nela se possa exprimir\u201d
	O CTN permite a quitação de créditos tributários mediante a entrega de outras utilidades que possam ser expressas em moedas, desde que tais hipóteses estejam previstas no próprio texto do código, que no seu art. 141 afirma que o crédito tributário somente se extingue nas hipóteses nele previstas. 
Obs. Apesar de ter sido acrescentado o inciso XI no art. 156 do CTN, permitindo a DAÇÃO em pagamento de bens IMóveis como forma de extinção do crédito tributário, não se pode tomar a autorização como uma derrogação da definição de tributo no ponto em que se exige que a prestação seja em moeda, pois o próprio dispositivo oferece a alternativa \u201cou cujo o valor nela (na moeda) se possa exprimir\u201d. 
	O STF, por maioria dos votos (em 2006), afirmou ser possível a criação de novas hipóteses de extinção do crédito tributário na via de lei ordinária local. Os principais fundamentos para o julgado foram os seguintes:
O pacto federativo, que permite ao ente estipular a possibilidade de receber algo de seu interesse para quitar o crédito de que é titular;
A diretriz interpretativa segundo a qual \u201cquem pode o mais pode o menos\u201d, uma vez que se o ente pode até perdoar o que lhe é devido, mediante a edição de lei concessiva de remissão (o mais), pode, também, autorizar que a extinção do crédito seja feita de uma forma não prevista no CTN (o menos). 
Obs. Em 2007, o STF reafirmou seu entendimento relativo a INCONSTITUCIONALIDADE da previsão, em lei local, de extinção do crédito tributário mediante dação em pagamento de bens móveis, só que desta vez o motivo foi a reserva de Lei federal para estipular regras gerais de licitação (se um ente recebe em pagamento um bem, está, na pratica, adquirindo tal bem sem licitação). 
Obs. A dação em pagamento de bens Imóveis somente é possível porque está prevista em Lei nacional CTN. 
NO CONCURSO!!! Nas provas de concurso público deve-se manter o entendimento de que o crédito tributário NÃO pode ser extinto mediante dação em pagamento de bens Móveis (mediante lei local) tendo em vista a reserva de Lei Nacional para dispor sobre regras gerais de licitação. 
	Há discussões também sobre a possibilidade de \u201cpagamento\u201d de tributo com títulos da dívida pública. Tal hipótese de extinção configura, a rigor, compensação tributária prevista no art. 156 II do CTN. Da caracterização da hipótese como compensação, decorre a necessidade de LEI AUTORIZATIVA para a utilização dos títulos da dívida pública na extinção do crédito tributário. 
b) \u201cTributo é toda prestação pecuniária compulsória\u201d 
Significa que o tributo é uma prestação que se reverte em dinheiro, por isso é uma prestação pecuniária. Eu tenho que entregar dinheiro ao Estado e eu faço isso de forma compulsória e, portanto, de forma não voluntária. Essa prestação pecuniária é dada ao Estado de forma compulsória. Isso significa que, diante de um tributo, ficam de fora as considerações relativas à autonomia da vontade, porque no caso do tributo, estou em uma relação de subordinação com o Estado, e não em uma relação de coordenação. 
O dever de pagar o tributo é imposto pela lei, sendo irrelevante a vontade das partes. Somente a lei pode obrigar alguém a fazer ou deixar de fazer alguma coisa (Art. 5º II, CF). 
Em se tratando de obrigação tributária, a lei é fonte direta e imediata, de forma que seu nascimento independe da vontade e até do conhecimento do sujeito passivo. A regra, (sem exceção) é a compulsoriedade e não a voluntariedade. 
c) \u201cQue não constitua sanção por ato ilícito\u201d
É exatamente neste ponto que reside a diferença entre tributo e multa. Apesar de ambos serem receitas derivadas, a multa é, por definição,
Sheylla
Sheylla fez um comentário
alguem pode me enviar: sheyllaviana@hotmail.com, agradeço imensamente a solidariedade..
0 aprovações
Angela
Angela fez um comentário
boa noite, tbm gostaria deste material via e-mail babatista61@gmail.com
0 aprovações
Carolina
Carolina fez um comentário
Boa Noite! Preciso muito desse material. Alguém me envia po email. Por favor? jambeiro.carolina@gmail.com
0 aprovações
Carregar mais