Resumo Prova de Direitos Humanos
2 pág.

Resumo Prova de Direitos Humanos

Disciplina:Psicologia e Direitos Humanos16 materiais155 seguidores
Pré-visualização3 páginas
PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS – PROFA. CARLA FABIANE

DIREITOS HUMANOS E RESPONSABILIDADE ÉTICA NO EXERCÍCIO DA PSICOLOGIA - Ferrero
A ética é importante em todo o tipo de intervenção
Bom desempenho do psi = conhecimento + ética = instrumentalização do conhecimento
DH = suporte para a ética profissional = toda prática deve respeitar! Psicologia = elevado nível de compromisso e de responsabilidade social.
Declarações historicamente representativas: DUDH (1948), Declaração Americana dos direitos e deveres do homem (1948), Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (1966), Convenção Americana sobre Direitos Humanos (1969), Declaração de Viena (2003) - cada uma com suas particularidades, mas todas referem-se a defesa da dignidade das pessoas - direito à saúde, ao processo social e a uma vida digna.
Direitos fundamentais: incluem a saúde física e mental!
No âmbito da saúde - Direitos de 2ª geração = direitos sociais, econômicos e culturais. Saúde mental: Declaração de direitos de pessoas com atraso mental (1971), Declaração de direitos de pessoas deficientes (1975), Princípios para a Proteção de Pessoas Acometidas de Transtorno Mental e a Melhoria da Assistência à Saúde Mental (1991), Declaração de Quito (2003). Todas estas declarações foram progressivamente ocupando diversos aspectos da vida. Todos os documentos citados constituem direitos iniludíveis - deveres e obrigações em nível pessoal e social!
Direitos de 3ª geração: anteriormente não eram considerados, como o direito à paz ou à solidariedade dos povos
Direitos de 4ª geração: Novas tecnologias, como o campo da investigação biomédica e da comunicação.
Psicologia: tem deveres de maior relevância - exercício da profissão tem impacto direto na saúde da comunidade
Código de Nuremberg (1947): experimentos realizados com vítimas do nazismo – violação de todo tipo de direitos em prol da investigação biomédica = defesa dos direitos dos sujeitos participantes. A partir desta declaração - diversos tipos de regulamentos: Informe Belmont: Princípios éticos e guia para a proteção de sujeitos humanos de investigação (1979), Pautas Éticas Internacionais para a Investigação e Experimentação Biomédica em Seres Humanos (2002), Guia para a conduta em investigação que envolve sujeitos humanos (1995), Declaração Universal sobre Bioética e DH (2006) e a
Declaração de Helsinki - Princípios éticos para as investigações médicas em seres humanos (2004): ampliada e modificada. Atualmente é a principal regulação ética
Todas elas têm um objetivo comum = preservar o bem-estar físico, psicológico e social dos indivíduos e das comunidades que participam de investigação biomédica.
Bem-estar: princípios básico da bioética e da beneficência (e não maleficiência), autonomia e justiça: 1) decisão de participar ou não; 2) deixar de participar quando quiserem; 3) nenhum dano, maltrato ou desvalorização; 4) jamais colocar a finalidade da investigação sobre o bem-estar dos participantes. Adota a noção de indivíduo autônomo e ao mesmo tempo parte de uma comunidade.
Códigos deontológicos = códigos de ética profissional: limites do exercício da profissão, princípios fundamentais de DH e bioéticos.
Exercício da psicologia = todas as leis relativas ao exercício profissional apoiam que os direitos humanos
Os códigos de ética profissional da Psicologia + importantes: American Psychological Association, European Federation of Psychologist‘s Associations e
Protocolo de Acordo Marco de Princípios Éticos para o Exercício Profissional dos Psicólogos no Mercosul e Países Associados: a) Presença dos DH - “Respeito pelos direitos e a dignidade das pessoas” = comprometimento dos próprios os princípios com os estabelecidos pela DUDH; b) Não às práticas discriminatórias = “Se empenharão em ser prudentes frente às noções que degeneram em rotulações desvalorativas ou discriminatórias”; c) Direito à privacidade, à confidencialidade, autodeterminação e autonomia; d) Competências para atuar na assistência, ensino e/ou estudos de grupos humanos, respeitando a diversidade; e) Responsabilidade social: compromisso social, promovendo PPs que contribuam para o bem-estar do desenvolvimento do indivíduo e da comunidade
Códigos nacionais: princípios gerais o respeito pelos direitos e a dignidade das pessoas, seja de forma explícita ou implícita - são praticamente idênticos: a) Respeitar o sigilo = direito de privacidade; b) Consentimento informado = princípio de autonomia; c) Responsabilidade com a comunidade = não-discriminação em função de nacionalidade, religião, raça, ideologia ou preferências sexuais, e) Respeito à publicidade = direito à informação veraz
Uma portanto prática profissional e científica ética deverá estar sempre socialmente situada, devendo ser destinadas a defender os direitos dos sujeitos e da comunidade = em qualquer campo da Psicologia = desenvolvimento científico e técnico + compromisso ético (respeito irrestrito aos DH).

O COMPROMISSO SOCIAL DA PSICOLOGIA: CONTRIBUIÇÕES DA PERSPECTIVA SÓCIO-HISTÓRICA –BOCK
Projeto de modernização = necessidade de saber técnico e instrumental para a produção de riqueza = tecnologia para todas as práticas sociais = gestão da vida e da sociedade = PSICOLOGIA!
Anos 50 e 60: início do projeto de modernização: a) Importação de teorias para escolas = maior rendimento e indústrias = maior produtividade. Testes – instrumentos objetivos da Psicologia; b) Psicologia no BR = atender interesses da elite! “Éramos da elite!” c) Lei 4119 : 1º país no mundo = recebeu uma certidão de nascimento antes de ter nascido. Nem foi reivindicada. Não havia corporação interessada e mobilizada. A sociedade brasileira desconhecia saber e práticas.
Somente à elite interessava instalar e desenvolver a Psicologia = sua tecnologia – os testes: 1) Previsão e o controle dos comportamentos = colocar o homem certo no lugar certo; 2) Facilitar a aprendizagem; Adaptar as pessoas; 3) Facilitar a percepção de cada um sobre si mesmo; 4) Diferenciar/Selecionar os sujeitos (alunos ou trabalhadores).
As condições para sermos efetivamente uma profissão não estavam dadas! Faltava corporação, ideologia, modelos, lastro. = foi preciso “inventar” a profissão.
Anos 70, 80 e 90: Falta de um projeto para a profissão = Necessidade de construí-lo = Quem somos? Quem queremos ser? Novas práticas, campos e espaços sendo ocupados = profissão de interesse social.
A ditadura militar acabou impedindo que o projeto corporativista acontecesse – Bock considera um bom terreno para escaparmos da aliança com as elites, sem contradições. Nas Universidades, havia militância pelos direitos sociais e debates progressistas = questões éticas e políticas fermentaram.
O compromisso com as elites se tornou incômodo - novos cursos de formação – entrada das camadas médias nas universidades = nova composição da categoria profissional = novo projeto de compromisso social. A Psicologia que antes se colocava de costas para a realidade social (explicar o humano sem considerar sua realidade econômica, cultural e social).
Surgiu a Psicologia Comunitária e a houve a inserção dos psicólogos na saúde pública = importantes do novo projeto de compromisso
Início do século XXI: novo compromisso com a sociedade brasileira. PPs = compromisso com a maioria da população e suas urgências.
Ética e seus desafios na sociedade moderna e DH
Novo projeto de profissão = rompimento com a tradição e a construção de um novo lugar para a Psicologia = acessível a todos
Psicologia Sócio-Histórica = crítica as perspectivas naturalizantes
fenômeno psicológico = “verdadeiro eu” - negociação feita pelo sujeito com o mundo social, para dar conta dos interesses e desejos = perspectiva naturalizante
Os psis devem reencaminhar para o “seu trilho” quando algo provoca um desvio = conserta o que a natureza planejou e o que a sociedade desviou. Realidade social = algo externo ao sujeito. O homem se desenvolve pela sua natureza. A sociedade ajuda ou atrapalha. Explicar todas as questões sociais a partir