CEM BILHÕES DE NEURÔNIOS

Pré-visualização

grande feixe de fibras nervosas que interliga 
os dois hemisférios cerebrais.

D e g e n e r a ç ã o  WALLERIANA: forma de degeneração de 
um axônio quando este é deseonectado do corpo celular, 
descoberta por Augustus Waller ( 1816-1870). O fen ômeno 
progride da região da lesão até as regiões terminais, e é por 
isso chamado também degeneração anterógrada.

EFERENTE: adjetivo que qualifica um elemento que sai de 
um ponto de referência qualquer do sistema nervoso. Ver 
também aferente.

FASCÍCULO: conjunto de fibras nervosas paralelas, menos 
calibroso que um nervo ou feixe.

FILETE: conjunto de fibras nervosas paralelas, menos calibroso 
que um fascícuío.

GÂNGLÍO: agrupamento periférico de neurônios, às vezes en­
capsulado, outras vezes embutido na parede das vísceras, 
com função sensitiva ou motora visceral. Alguns autores 
usam “gânglio” como sinônimo de núcleo.

GIRO: dobradura do córtex cerebral de alguns anim ais, 
delimitada por dois sulcos laterais. Também chamado 
circunvolução.

LOBO: uma das cinco divisões arbitrárias da superfície do 
cérebro: frontal, parietal, têmpora!, occipital e lobo da 
insula.

NERVO: conjunto de fibras nervosas agrupadas em paralelo, 
geralmente situado no sistema nervoso periférico forman­
do longos cordões revestidos de tecido conjuntivo.

NÚCLEO: agrupamento de neurônios do SNC. identificável ao 
microscópio por suas características morfológicas, e que 
geralmente tem uma única função.

SULCO: depressão estreita situada entre dois giros do córtex 
cerebral de alguns animais. Também chamado fissura.

TRATO OU FEIXE: conjunto de fibras nervosas paralelas com­
pactadas como em um nervo, porém embutidas no interior 
do sistema nervoso centra!, sem o revestimento conjuntivo 
típico do nervo.

SO



P r i m e i r o s  C o n c e i t o s  d a  N e u r o c i ê n c i a

SABER MAIS

1 l e it u r a  B á s ic a

Bear MF, Connors BW, Paradiso MA. Neuroscience: Past, 
Present, and Future. Capítulo 1 de Neuroscience: Exploring 
the Brain. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2007 
pp. 3-22. Texto introdutório de conotação histórica sobre o 
sistema nervoso e a disciplina que o estuda.

Herculano-Houzel S. Uma Breve História da Relação entre
o Cérebro e a Mente. Capítulo 1 de Neurociência da Mente 
e do Comportamento ( Lent R, coord.). Rio de Janeiro: 
Guanabara-Koogan 2008, pp. 1-17. Abordagem histórica da
Neurociência.

Lent R, A Estrutura do Sistema Nervoso. Capítulo 2 de Neu- 
rociência da Mente e do Comportamento (Lent R, coord.). Rio 
de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2008, pp. 19-43. Texto conci­
so sobre as bases da neuroanatomia e neuro-histologia.

Bloom FE. Fundamentals of Neuroscience. Capítulo I de 
Fundamental Neuroscience ( Squire LR et at., orgs.). Nova 
York: Academic Press. 2008, pp. 3-14. Texto introdutório 
sobre os objetivos da Neurociência.

Swanson LW. Basic Plan of the Nervous System. Capítulo
2 de Fundamental Neuroscience (Squire LR et al., orgs,), 
Nova York: Academic Press, 2008, pp. 15 a 40. Conceitos 
fundamentais sobre evolução, desenvolvimento e estrutura 
do sistema nervoso.

I  L e it u r a  C o m p l e m e n t a r

Spurzhcim JG. Phrenology, or the Doctrine o f the Mind . 
Londres: Knight, (3a ed.), 1825.

Lashley KS. Brain Mechanisms and Intelligence: A Quanti­
tative Study o f Injuries to the Brain. Chicago: University of 
Chicago Press, 1929.

Sherrington C. The Integrative Action of the Nervous System 
(2” ed.). Cambridge: Cambridge University Press, 1947.

Shepherd GM. Foundations o f the Neuron Doctrine. Oxford: 
Oxford University Press, 1991.

Churchland PM. The Engine o f Reason, the Seat o f the Soul. 
A Philosophical Journey into the Brain. Cambridge: MIT 
Press, 1995.

Rose S. The future o f the brain. Biologist 2000; 47:96-99.

Kandel ER e Squire LR. Neuroscience: breaking down 
scientific barriers to the study of brain and mind. Science 
2000; 290:1113-1120.

Albright TD, Jessell TM, Kandel ER, Posner MI. Neural 
science: a century of progress and the mysteries that remain. 
Neuron 2000; 25 Suppi: S1-S5.

Nicolelis MA e Ribeiro S. Multielectrode recordings: the next 
steps. Current Opinion in Neurobiology 2002; 12:602-606.

Toga AW. Imaging databases and neuroscience. Neuroscien­
tist 2002; 8:423-436.

Kosik KS. Beyond phrenology, at last. Nature Reviews Neu­
roscience 2003; 4:234-239.

Fuchs T. Ethical issues in neuroscience. Current Opinion in 
Psychiatry 2006; 19:600-607.

Herculano-Houzel S, MotaB, Lent R. O How to build a bigger 
brain: Cellular scaling rules in rodent brains. In: Evolution 
o f Nervous Systems: A Comprehensive Reference, vol. 4 (J. 
Kaas, Ed.), Oxford: Elsevier, 2007, pp. 156-166.,.

Herculano-Houzel S, Collins C£, Wong P, Kaas JH, Lent R. 
The basic non-uniformity of the cerebral cortex. Proceed­
ings o f the National Academy o f Sciences o f the USA, 2008; 
105:12593-12598.

Velliste M, Perel S, SpaldingMC, Whitford AS, Schwartz AB. 
Cortical control of a prosthetic arm for self-feeding. Nature 
2008; 453:1098-1101.

Azevedo FAC, Carvalho LRB, Grinberg LT, Farfel JM, 
Ferretti R, Lent R, Leite R, Jacob Filho W. R, Lent e S. Her­
culano-Houzel. Eighty-five billion neurons and an equivalent 
number of gliai cells make the human brain an isometrically 
$caled-up primate brain. Journal o f Comparative Neurology, 
2009; 513:532-541.

31



Y  j  y ' N A y ^ n j

Nascimento, Vida e 
Morte do Sistema 

Nervoso
Desenvolvimento Embrionário, 

Maturação Pós-natal, 
Envelhecimento e Morte do 

Sistema Nervoso



■ -  ■ j i J L
•• 1 /  a \I tÍ v ^T

Sa b e r  o P r in c ip a l

Resumo
O sistema nervoso transforma-se com o tempo. Por isso, o desenvolvimento 

embrionário, a maturidade, o envelhecimento e a morte são fenômenos sequenciais 
da sua existência.

A morfogênese do sistema nervoso representa a série de transformações 
morfológicas que ocorrem durante o desenvolvimento embrionário. O sistema 
nervoso surge muito cedo no embrião, como uma placa de células ectodérmícas 
que proliferam e se transformam em um tubo cilíndrico. Este cresce, contorce-se 
e se transforma em uma estrutura composta de vesículas -  protuberâncias que so­
bressaem ao tubo neural -  que são as precursoras das grandes regiões do sistema 
nervoso.

O desenvolvimento neural segue uma sucessão de etapas que conduzem à 
gradativa especialização dos neurônios juvenis, à sua agregação e à formação 
dos circuitos neurais entre eles. As células nervosas se dividem várias vezes, mas 
em um certo momento interrompem o ciclo celular, migram para seus locais de 
destino, adquirem suas características morfológicas, funcionais e químicas, emi­
tem axônios que crescem até locais distantes do corpo e lá estabelecem sinapses. 
A finalização do desenvolvimento consiste na eliminação seletiva de neurônios, 
axônios e sinapses excedentes, e finalmente na mielinização dos feixes. As células 
da neuroglia desenvolvem-se mais prolongadamente ao longo do tempo.

Em paralelo com essa sequência biológica de eventos, estabelecem-se gra- 
dativamente as funções do sistema nervoso humano: ainda dentro do útero, o 
feto começa a se mover e a indicar que capta informações sensoriais; depois, ao 
nascimento, alguns reflexos simples são logo associados e se tomam mais e mais 
complexos. Algumas capacidades cognitivas aparecem, e logo a linguagem permite 
um grande avanço psicológico da criança, que se estende em uma série intensiva 
de aquisições mentais.

O envelhecimento representa uma cadeia de etapas degenerativas que ine­
vitavelmente resultam na morte do sistema nervoso e do indivíduo. O cérebro 
envelhece por uma crescente dificuldade em sintetizar substâncias essenciais ao 
metabolismo e à função neuronal, e pela síntese de substâncias anômalas que 
agridem os neurônios e se depositam no tecido. Como consequência, o indivíduo 
apresenta sintomas cada
Gislaine Ilibio fez um comentário
  • Maravilhoso!
    • 0 aprovações
    Danielle Melo fez um comentário
  • Material de extrema utilidade! Obrigada por compartilhar. =)
    • 0 aprovações
    Juliana Lemos fez um comentário
  • Muito bom! Ainda bem que tem aqui disponível.
    • 0 aprovações
    Amanda Pasti Pacheco fez um comentário
  • Muito grata por tê-lo compartilhado, Laís! Esse livro é fundamental!
    • 0 aprovações
    Raquel Elisabeth fez um comentário
  • muito bom, obrigada!
    • 0 aprovações
    Carregar mais