A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
325 pág.
STF   Temas Penais

Pré-visualização | Página 39 de 50

de quadrilha (CP, art. 288), por
parte dos membros do 'núcleo político' (...). Consignou que o extenso material probatório demonstrara existência de
associação, estável e organizada, formada pelos denunciados, com divisão de tarefas para o cometimento de crimes
contra a administração pública e o sistema financeiro nacional, além de lavagem de dinheiro. Nesse sentido, rememorou
as condutas já explicitadas nos capítulos anteriormente julgados. Refutou tese da defesa no sentido de que os fatos
trazidos pela acusação caracterizar-se-iam, no máximo, como coautoria nos crimes descritos, e não como quadrilha.
Asseverou que a associação formada pelos réus enquadrar-se-ia, perfeitamente, na descrição de quadrilha, ou seja, na
reunião estável para fim de perpetração de série indeterminada de crimes." [AP 470, rel. min. Joaquim Barbosa,
julgamento em 15, 17 e 18-10-2012, Plenário, Informativo 684.] "O min. Luiz Fux relembrou que quadrilha caracterizar-se-
ia pela consecução de projeto deliquencial, a requerer decurso de tempo para ser alcançado e que, no caso, necessitara
da união dos três núcleos. Destacou a dificuldade de se demonstrar a existência de quadrilha antes de seu efetivo
funcionamento. No caso dos autos, a quadrilha durara quase três anos e tivera como termo ad quem a eclosão de
escândalo, a revelar a habitualidade e o caráter de permanência. Considerou inexistir exemplo doutrinário de crimes
praticados em coautoria ânua, bienal ou trienal, e que o tipo formação de quadrilha exigiria estabilidade e permanência, a
distingui-lo da coautoria. Concluiu que abalar a normalidade e a paz do parlamento, mediante votações viciadas,
caracterizaria significativa perturbação à paz pública, outrora classificado como crime de segurança nacional. Para o min.
Gilmar Mendes, o crime de quadrilha ou bando seria de concurso necessário e, a despeito da pluralidade de participantes
na prática delituosa e da existência de vínculo psicológico entre os autores, não se confundiria com o concurso de
pessoas (eventual e temporário). Inferiu que a descrição típica do art. 288 do CP não se restringiria a abarcar
estereótipos sociais voltados à delinquência contra a vida e o patrimônio e, tampouco, exigiria exclusividade no sentido de
ser a quadrilha o próprio meio de vida do indivíduo. Destacou que a gravidade dos fatos, sua complexidade e dimensão
atentariam contra a paz pública na sua concepção político-social. O min. Celso de Mello observou que, na quadrilha, a
configuração típica resultaria da conjugação de três elementos: a) concurso necessário de pelo menos quatro pessoas; b)
finalidade específica dos agentes, voltada ao cometimento de número indeterminado de delitos; e c) exigência de
estabilidade e de permanência da associação criminosa." (AP 470, rel. min. Joaquim Barbosa, julgamento em 22 a
25-10-2012, Plenário, Informativo 685.)
"Crime de quadrilha. Configuração típica. Requisitos. Para a configuração do crime de associação criminosa do art. 288
do CP brasileiro, exige-se a associação de mais de três pessoas 'para a prática de crimes', não sendo suficiente o
vínculo para a prática de um único ato criminoso. É o que distingue, principalmente, o tipo de associação criminosa da
figura delitiva assemelhada do crime de conspiracy do direito anglo-saxão que se satisfaz com o planejamento da prática
de um único crime. Se, dos fatos tidos como provados pelas instâncias ordinárias, não se depreende elemento que
autorize conclusão de que os acusados pretenderam formar ou se vincular a uma associação criminosa para a prática de
mais de um crime, é possível o emprego do habeas corpus para invalidar a condenação por esse delito, sem prejuízo dos
demais." (HC 103.412, rel. min. Rosa Weber, julgamento em 19-6-2012, Primeira Turma, DJE de 23-8-2012.)
"É irrelevante para o reconhecimento do crime de quadrilha que não haja o concurso direto de todos os integrantes do
bando na prática de todas as infrações, bastando que o fim almejado seja o cometimento de crimes pelo grupo, como
mencionado na denúncia, ainda que igualmente unidos por laços outros de afetividade ou parentesco. A descrição
empreendida é perfeitamente típica." (RHC 104.261, rel. min. Dias Toffoli, julgamento em 15-3-2012, Plenário, DJE
de 7-8-2012.)
"Crime de quadrilha ou bando. Pessoa jurídica de direito privado. Coincidências fáticas. Irrelevância. Descabe potencializar
coincidências fáticas, das quais são exemplos controle acionário de empresas, localização, idênticos prestadores de
serviços, a ponto de assentar a constituição de pessoa jurídica visando o cometimento de crimes." (HC 92.499, rel. p/ o
ac. min. Marco Aurélio, julgamento em 18-10-2011, Primeira Turma, DJE de 18-4-2012.)
"Ação penal. Deputado federal. Crime de prática de esterilização cirúrgica irregular (art. 15 da Lei 9.263/1996). (...) A
materialidade do delito foi parcialmente comprovada nos autos por meio de exame de corpo de delito indireto
(documentos anexados a processo administrativo), corroborado pelos depoimentos das testemunhas. Não havendo
Publicações Temáticas - Versão Integral :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/publicacaoTematica/verTema.asp?lei=1024[07/02/2013 10:11:20]
comprovação de materialidade em relação a todas as cirurgias ilícitas que se alega realizadas nas demais pacientes, nem
a efetiva realização de prova pericial que constate esses fatos ou o necessário subsídio, sob o devido contraditório,
fundado nas declarações das pacientes, não há possibilidade de reconhecimento da efetiva ocorrência do crime em
apreço em relação a todas as infrações descritas na denúncia. Participação do réu na prática do delito inferida dos
elementos de prova coligidos na instrução processual. Intervenções realizadas sem a observância das formalidades
previstas no art. 10 da Lei 9.263/1996, em hospital não credenciado. Impossibilidade de cogitação de eventual
desconhecimento das irregularidades em que incidiram os médicos ao realizar as 'laqueaduras', não só em razão das
restrições que a própria lei impõe àqueles que pretendem submeter-se a procedimento de esterilização, mas,
especialmente, em razão de, exatamente por isso, a oferta eleitoreira tornar-se mais atrativa, não sendo, ademais,
escusável que um advogado e deputado federal pudesse desconhecer a exigência daqueles requisitos específicos para
esse procedimento. (...) Crime de formação de quadrilha ou bando (art. 288 do CP). Associação de mais de três pessoas
para o fim de cometimento de corrupção eleitoral, de crime de prática de esterilização cirúrgica irregular e de estelionato.
(...) No crime de quadrilha ou bando pouco importa que os seus componentes não se conheçam reciprocamente, que haja
um chefe ou líder, que todos participem de cada ação delituosa ou que cada um desempenhe uma tarefa específica,
bastando que o fim almejado seja o cometimento de crimes pelo grupo." (AP 481, rel. min. Dias Toffoli, julgamento
em 8-9-2011, Plenário, DJE de 29-6-2012.)
"Não se exige, para a configuração do exercício ilegal da medicina, a prescrição de substância tida como droga para os
fins da Lei 11.343/2006, o que afasta a alegação de absorção do crime de tráfico pelo primeiro delito citado." (HC
104.382, rel. min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 17-8-2010, Primeira Turma, DJE de 9-11-2010.)
"A conduta do paciente amolda-se perfeitamente ao tipo penal previsto no art. 184, § 2º, do CP. Não ilide a incidência da
norma incriminadora a circunstância de que a sociedade alegadamente aceita e até estimula a prática do delito ao
adquirir os produtos objeto originados de contrafação. Não se pode considerar socialmente tolerável uma conduta que
causa enormes prejuízos ao fisco pela burla do pagamento de impostos, à indústria fonográfica nacional e aos
comerciantes regularmente estabelecidos." (HC 98.898, rel. min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 20-4-2010,
Primeira Turma, DJE de 21-5-2010.)
"A diferença entre