A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
77 pág.
Apicultura - Perguntas e Respostas

Pré-visualização | Página 1 de 27

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE APICULTURA
1.         A Abelha
1.19       Como podem os zangões nascer de ovos não fertilizados?
Trata-se de um fenômeno conhecido como partenogênese, comum também em vespas e formigas. O indivíduo resultante não tem pai e é haplóide, isto é, possui metade dos cromossomos de sua mãe - apenas 16. Essa situação curiosa determina que a rainha que gerou um zangão seja o "pai genético" das filhas desse zangão.
1.22       Zangões são sempre “puros”? [1]
Talvez em razão de os zangões serem haplóides, espalhou-se a crença de que eles são sempre de raça pura. O filho de uma rainha pura também será puro (embora possa ter características diferentes da sua mãe), e o filho de uma rainha mestiça poderá ser mestiço e, havendo coincidência, também poderá até ser puro (veja item 1.23). 
1.23       Os zangões irmãos são idênticos? [1]
Não necessariamente. Pode haver zangões irmãos idênticos, mas isso é apenas uma coincidência. Ocorre que uma célula comum da rainha possui 32 cromossomos ligados dois a dois (16 pares) e os óvulos produzidos possuem apenas 16 cromossomos, nenhum ligado a outro. Estes 16 cromossomos resultam da combinação aleatória de um dos cromossomos do par 1, mais um dos cromossomos do par 2, e assim por diante. Como em cada par de cromossomos a carga genética varia de um cromossomo para outro, cada óvulo produzido – e cada zangão, por conseqüência - carregará uma carga genética particular. Posto em números, uma rainha pode gerar 216 = 65.536 óvulos (zangões) diferentes, considerando-se apenas o agrupamento randômico dos cromossomos durante a meiose. Na verdade, este número pode ser muito maior, pois há um segundo fenômeno de variabilidade genética importante, conhecido por crossing over [ARM01].
 
Pela mesma razão, zangões não são idênticos à sua mãe. Uma característica qualquer (determinada por gene recessivo) que não se manifeste na rainha pode estar presente no zangão, se ele ficar com o cromossomo que carrega este gene.
1.35       Qual é a relação entre a idade das abelhas e as tarefas executadas?
Há uma grande variação na relação entre idade e atividades executadas. Há períodos de vida preferenciais para as abelhas executarem determinadas tarefas, mas eles podem mudar completamente em caso de necessidade. Além disso, a abelha pode executar diversas tarefas diferentes durante um dia. Uma relação comum, em situação normal da colméia é a seguinte [WIN03]:
 
 
	Tarefa
	Idade (dias)
	Limpeza de alvéolos
	0 a 8
	Operculação de cria
	2 a 9
	Atendimento de cria
	5 a 15
	Atendimento da rainha
	3 a 14
	Recebimento de néctar
	8 a 16
	Remoção de detritos
	7 a 21
	Compactação de pólen
	8 a 19
	Construção de favos
	11 a 22
	Ventilação da colméia
	13 a 22
	Guarda da colméia
	14 a 27
	Primeiro forrageamento
	18 a 28
1.37       Quantas abelhas vivem numa colméia?
O número real é extremamente variável, a cada época do ano, de colméia para colméia. No pico da safra, por exemplo, considere as seguintes hipóteses:
 
         Postura diária de 2 mil ovos
         Tempo de desenvolvimento ovo-adulto de 20 dias
         Viabilidade de 100% da cria
         Ciclo de vida de 38 dias para as operárias
 
Nesse caso, teoricamente, a colônia poderia crescer até chegar à população abaixo, permanecendo em equilíbrio enquanto a postura se mantivesse.
 
         1 rainha
         algumas centenas de zangões
         38 mil crias (ovos, larvas, pupas)
         44 mil operárias domésticas/campeiras (até 23 dias)
         32 mil campeiras
1.38       Quando as abelhas pilham as colméias vizinhas?
Geralmente quando a produção de néctar é baixa, e uma colméia vizinha tem mel em estoque e está desprotegida por falta de operárias. Esse comportamento freqüentemente é ativado pelo próprio apicultor que, durante o manejo, expõe o estoque de mel das colméias à investigação das vizinhas ou fornece alimentação artificial com xarope de forma descuidada ou em alimentadores deficientes (veja capítulo 6).
1.39       Como as abelhas se comunicam?
Principalmente, por meio de interações químicas. Essas interações se processam pela produção de feromônios, substâncias secretadas por diversas glândulas que são percebidas pelo olfato. Os feromônios são o principal meio de estimulação e coordenação de quase todas as atividades das abelhas. Os feromônios produzidos pela rainha, por exemplo, inibem a construção de realeiras pelas operárias, inibem o crescimento dos ovários das operárias, atraem zangões nos vôos nupciais, atraem as operárias em geral e particularmente as nutrizes, que alimentam a rainha com geléia real.
 
Feromônios de operárias estão muito ligados à defesa da colméia. A ferroada libera um feromônio que induz outras abelhas a atacarem. Por esta razão, é comum a ocorrência de várias ferroadas no mesmo local. Também por isso, é conveniente a limpeza freqüente das roupas de proteção. 
 
Um outro feromônio de operária é o de localização, usado para atrair ou orientar outras abelhas em direção ao alvado, água ou fonte de alimento. A liberação desse feromônio se dá numa posição bastante familiar aos apicultores: a abelha ergue o seu abdômen, expõe a glândula de Nasanov, localizada próximo à extremidade, e bate as asas para dispersar a substância.
 
As crias também produzem feromônios que estimulam as operárias a atendê-las e ajudam a inibir o desenvolvimento dos ovários das operárias.
1.40       E a dança das abelhas?
Feromônios são o principal, mas não único meio de comunicação. Interações táteis e sonoras, como o roçar de antenas ou as danças também são muito usadas. As danças são padrões de movimento, vibração, ruído e direção utilizados com diferentes propósitos, dos quais o mais conhecido é a passagem de informações sobre uma fonte de alimento. Nessa dança, por exemplo, a abelha percorre um trecho reto do favo "requebrando-se" e depois volta ao início desse trecho num trajeto de semicírculo. Em seguida, percorre de novo o mesmo trecho reto e volta em outro semicírculo, mas desta vez pelo lado oposto.
 
Para saber a qualidade e a distância dessa fonte, as abelhas levam em conta o entusiasmo da dançarina, o tempo gasto no trecho reto e o número de vezes em que os passos foram executados. Já a direção da fonte é passada como um ângulo, formado entre o trecho reto da dança e uma linha vertical. Este ângulo corresponde ao formado pelos pontos sol-colméia-fonte (a colméia no vértice).
 
Assim como o achado de alimento, o de novas casas no momento da enxameação também é comunicado por danças. Além disso, elas também estimulam determinadas atividades, como o forrageamento e a enxameação [WIN03].
1.41       Como elas fazem quando o sol não está visível?
O sol pode não estar visível para nós, mas estar para as abelhas. Ocorre que elas enxergam um espectro de luz diferente dos humanos, que não inclui as freqüências mais baixas (próximas do vermelho), mas inclui as mais altas, já na faixa ultravioleta. E as freqüências ultravioletas atravessam camadas finas de nuvens, de forma que o sol permanece visível para as abelhas mesmo em muitos dias nublados.
 
Mas é possível que a visualização do sol não seja tão importante. Acontece que as abelhas são capazes de se orientar após o pôr-do-sol e, eventualmente, até de forragear à noite. Para isso, elas consideram a posição exata do sol no momento, como se pudessem enxergá-lo através da Terra ou estimar a sua posição.
1.42       Como elas informam uma posição atrás de um obstáculo?
A direção é informada como se ele não existisse. Por exemplo, uma florada atrás de um morro é indicada na dança como se as abelhas tivessem de atravessá-lo para chegar lá. A distância informada, porém, corresponde ao gasto de energia necessário para alcançar o objetivo e ela, nesse caso, é maior do que seria se não houvesse morro. Na busca, as campeiras que assistiram a dança fazem as voltas que forem necessárias para alcançar o destino.
1.43       A que velocidade voa