A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
Trabalho de Superestrutura Viária

Pré-visualização | Página 1 de 4

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
INSTITUTO POLITÉCNICO - IPUC
PERGUNTAS SOBRE OS TEMAS PROPOSTOS
Ana Luisa de Macedo Gatto 
Henrique Cesar Martins Barbosa 
Carla Rodrigues Ribeiro
Thiago Haueisen da Mata
Belo Horizonte
2016
QUESTÃO 1
O que é um pavimento? 
Pavimento conforme definição do DNIT (1994) é: “Estrutura construída após a terraplenagem, destinada a resistir e distribuir ao subleito os esforços verticais oriundos dos veículos, a melhorar as condições de rolamento quanto ao conforto e segurança e a resistir aos esforços horizontais tornando mais durável a superfície e rolamento”.
QUESTÃO 2
Qual a contribuição de Tresaguet e MacAdam na pavimentação? 
Tresaguet (1764) propôs o método construtivo das estradas, reconheceu a interferência da umidade na capacidade de suporte do subleito (importância da drenagem) e propôs pavimentos mais delgados. Ele é amplamente creditado pela primeira abordagem científica para a construção de estradas. Entre suas inovações foi o uso de uma camada de base de grandes pedras coberta com uma fina camada de pedra menor. A vantagem desta configuração de duas camadas foi a de que, quando forçada pelo tráfego, as pedras encravadas umas nas outras formam uma superfície resistente ao desgaste.
MacAdam (1815) propôs o uso de pedra marroada e pedra britada em camadas, com diâmetros variados e progressivamente menores, com um ligante na camada final para resistir à abrasão exercida pelo tráfego. Definiu a importância da compactação e da estabilização granulométrica para a construção de estradas.
QUESTÃO 3
Defina:
Pavimento flexível 
A definição de pavimento flexível segundo o DNIT é: “Pavimento que consiste em uma camada de rolamento asfáltica e de base, constituída de uma ou mais camadas, que se apoia sobre o leito da estrada sendo que a camada de rolamento pode-se adaptar-se à deformação da base quando solicitada.”
Pavimento rígido
Para pavimento rígido o mesmo órgão define como: “Pavimento cujo revestimento é constituído de concreto de cimento.”
Pavimento semi-rígido 
Para pavimento semirrígido a definição dada pelo DNIT é: “Pavimento que tem uma deformabilidade maior que o rígido e menor que o flexível constituído de uma base semiflexível (solocal, solo-cimento, solo alcaltroado, etc.) e de camada superficial flexível (concreto asfáltico, tratamento superficial betuminoso).”
Pavimento invertido 
Caracterizam-se por serem constituídos de revestimento, base granular não tratada de brita graduada simples e sub-base de material granular tratado com cimento.
Solo cimento 
Mistura íntima compactada de solo, cimento e água, utilizada na infraestrutura dos solos. Solo estabilizado por adição de cimento, cuja resistência a compressão, aos 7 dias, deve ser superior a 21kgf/cm². 
Macadame hidráulico
Camada de agregado graúdo, cujos vazios são cheios de agregados miúdos, com intervenção de água sob pressão.
CAP
Cimento asfáltico de petróleo.
Qual a função das frações do CAP: Saturados, Aromáticos, Resinas e Asfaltenos.
- Saturados: são cadeias retas e ramificadas de hidrocarbonetos, sendo óleos viscosos não-polares transparentes, compondo de 5 a 20% dos asfaltos.
- Aromáticos: são de baixa massa molar e em maior proporção no asfalto, sendo o meio de dispersão e peptização dos asfaltenos. Esses componentes formam um líquido viscoso amarelo polar, com cadeias não-saturadas de carbono, constituindo de 40 a 65% do total do asfalto.
- Resinas: as proporções de resina e asfaltenos governam o comportamento como solução ou como gelatina do CAP.
- Asfaltenos: quanto maior o percentual de asfaltenos, mais duro e viscoso será o ligante asfáltico. Em geral, os asfaltenos constituem de 5 a 25% do CAP.
Solo Melhorado com Cimento 
Base de solo melhorado com cimento é uma camada resultante de uma mistura de solo, cimento e água, em proporções determinadas por ensaios prévios de laboratório, compactada e submetida a processo eficiente de cura. A incorporação de cimento tem por objetivo a melhoria do solo, modificando os seus limites de consistência, a sua sensibilidade à água e a sua resistência ao cisalhamento.
Solo-Cal
Mistura de solo, cal e água e ás vezes de cinza volante, utilizada em bases e sub-bases estabilizadas.
QUESTÃO 4
Como é realizado o controle tecnológico na pavimentação? 
Nos serviços de Pavimentação asfáltica, são coletadas amostras de materiais constituintes e de misturas, antes da aplicação na pista, que serão submetidas aos ensaios em laboratório. Durante a produção da mistura na Usina, verifica-se o material resultante produzido, verificando a temperatura da massa asfáltica e também realiza a coleta de materiais para análise. Em campo, são acompanhados o controle da temperatura da mistura, tanto na chegada do caminhão quanto logo após o lançamento do mesmo na pista, assim como a espessura aplicada conforme especificação de projeto.
O pavimento rígido (pavimento de concreto) tem as características do material demonstradas por meio do controle tecnológico de concreto, que além do estudo do traço e de seus materiais constituintes tem a inclusão dos ensaios de tração na flexão e ensaios para a verificação de desgaste superficial, entre outros. No campo são acompanhadas as especificações de concreto, como por exemplo, a distância entre juntas, espessura, corte de juntas, temperatura de lançamento, cura, etc.
QUESTÃO 5
Em relação as camadas do pavimento, defina: 
Leito
Superfície obtida pela terraplanagem ou obra-de-arte em conformidade com o greide e as seções transversais do projeto, é onde se assenta o pavimento de uma estrada.
Subleito
Maciço teoricamente infinito que serve de fundação para um pavimento.
Reforço de subleito
Camada em geral de 20cm de espessura, constituída de materiais granulares grosseiros, compactada, que se aplica no caso do subleito de estradas de terra ter baixa capacidade de suporte, antes da aplicação do revestimento primário ou para criar condições para a execução de agulhamento.
Regularização de subleito
Operação que consiste em dar forma à superfície do subleito, segundo um perfil determinado e com material apropriado, compreendendo cortes ou aterros até 20 cm de espessura.
Sub-base
Camada complementar à base, com as mesmas funções desta, e executada quando, por razões de ordem econômica, for conveniente reduzir a espessura de base.
 Base
Camada destinada a resistir aos esforços verticais oriundos dos veículos, distribuindo-os ao subleito e sobre a qual se constrói o revestimento. Esta camada pode ser constituída de brita fina, cascalho, pedra marroada material estabilizado, concreto asfáltico ou de cimento Portland.
Pista de rolamento
Faixas da plataforma destinadas à circulação de veículos.
Acostamento
Parte da rodovia, contígua à pista de rolamento, destinada ao suporte lateral do pavimento e proteção aos efeitos da erosão e, eventualmente, em caso de emergência, parada ou trânsito de veículos.
QUESTÃO 6
A composição do pavimento rígido não possui as mesmas camadas que os pavimentos flexíveis. Quais as camadas dos pavimentos rígidos e porque são diferentes? 
QUESTÃO 7
Defina: 
Agregados
Material natural ou artificialmente dividido em fragmentos ou partículas de material especialmente fabricado, resistentes, de forma e tamanho estáveis, cuja função específica é atuar como matéria inerte em misturas aglutinantes.
Agregados graúdos
Agregado mineral usado em pavimento flexível, inerte em relação aos demais componentes, que fica retido entre a peneira nº 2 e a nº 10.
Agregados miúdos
Agregado mineral usado em pavimento flexível, inerte em relação aos demais componentes, que fica retido entre a peneira nº 10 e a nº 200.
Agregados de enchimento (filer)
Material mineral inerte, não plástico, passando pelo menos 65% na peneira 0,075mm de abertura de malha, para misturas betuminosas de tipo superior.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.