A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Avaliação nutricional do paciente hospitalizado - Profª Mariana

Pré-visualização | Página 1 de 3

Profª Mariana Carrapeiro 1 
 
Fórmulas e parâmetros para avaliação nutricional do paciente hospitalizado 
Prof ª Mariana Carrapeiro 
 
Peso atual: o peso é obtido em uma balança calibrada de plataforma ou eletrônica; o indivíduo 
deve posicionar-se em pé no centro da base da balança, descalço e com roupas leves. Se o 
paciente estiver acamado, calcule o peso estimado utilizando a equação mais completa 
possível. 
Peso usual/habitual: é informado pelo paciente/acompanhante e utilizado como referência 
nas mudanças recentes de peso ou quando não há possibilidade de se medir ou estimar o 
peso atual. 
Peso ideal ou desejável: é utilizado para calcular as necessidades calórico protéicas quando 
o paciente está restrito ao leito e não é possível realizar a estimativa de peso ou ainda quando 
o paciente apresenta peso muito abaixo ou muito acima do ideal. Pode ser determinado pela 
tabela de referência para estatura e compleição física (Anexo 1) ou pelo IMC médio (item 4). 
Também é utilizado para calcular a porcentagem de adequação do peso (item 5). 
Peso ajustado: é o peso ideal corrigido para a determinação da necessidade energética e de 
nutrientes quando a adequação do peso atual for inferior a 95% ou superior a 115% do peso 
ideal. 
 
1. Estimativa da estatura (cm): 
a) Pela altura do joelho (Chumlea e cols., 1988) 
Masculino 64,19 - (0,04 x idade (anos)) + (2,02 x altura do joelho) 
Feminino 84,88 - (0,24 x idade (anos)) + (1,83 x altura do joelho) 
 
b) Pela Extensão dos braços (envergadura): 
Medida pela distância entre as pontas dos dedos médios quando os braços estiverem abertos 
no nível dos ombros. A medida corresponde à estimativa de estatura do indivíduo. 
- Na impossibilidade de medir toda a extensão dos braços, é possível realizar a medida da 
distância entre o esterno e a ponta do dedo médio de uma das mãos (hemi-envergadura), e 
multiplicar o valor obtido por 2. 
 
c) Estatura Recumbente: 
O indivíduo deve estar em posição supina e com leito horizontal completo. Marcar o lençol na 
altura da extremidade da cabeça e da base do pé no lado direito do indivíduo. Medir a distância 
entre as marcas utilizando uma fita métrica flexível. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Profª Mariana Carrapeiro 2 
 
2. Estimativa do peso (kg): 
a) Pela altura do joelho e CB (Chumlea e cols., 1988) 
Masculino 
Negro 
19-59 anos: (AJ x 1,09) + (CB x 3,14) - 83,72 
60-80 anos: (AJ x 0,44) + (CB x 2,86) - 39,21 
Branco 
19-59 anos: (AJ x 1,19) + (CB x 3,14) - 86,82 
60-80 anos: (AJ x 1,10) + (CB x 3,07) - 75,81 
Feminino 
Negro 
19-59 anos: (AJ x 1,24) + (CB x 2,97) - 82,48 
60-80 anos: (AJ x 1,50) + (CB x 2,58) - 84,22 
Branco 
19-59 anos: (AJ x 1,01) + (CB x 2,81) - 66,04 
60-80 anos: (AJ x 1,09) + (CB x 2,68) - 65,51 
 
b) Pela altura do joelho, CB, CP e DCSE (Chumlea e cols., 1987) 
Masculino ( 1,73 x CB) + (0,98 x CP) + (0,37 x DCSE) + (1,16 x AJ) - 81,69 
Feminino (0,98 x CB) + (1,27 x CP) + (0,4 x DCSE) + (0,87 x AJ) – 62,35 
 
Legenda: 
CB = circunferência do braço (cm) / CP = circunferência da panturrilha (cm) DCSE = dobra 
cutânea subescapular (mm) / AJ = altura do joelho (cm) 
 
3. Cálculo e classificação da compleição física (Grant, 1980) 
Compleição física = ______altura (cm)_________ 
 circunferência do punho (cm) 
Compleição Pequena Média Grande 
Homens > 10,4 9,6 – 10,4 < 9,6 
Mulheres > 10,9 9,4 – 10,9 < 9,4 
 
Obs.: A compleição física pode ser utilizada para determinação do peso ideal utilizando a 
tabela de referência do Anexo 1. 
 
4. Cálculo do peso ideal por IMC médio (FAO, 1985) 
PI = Altura (m) X IMC médio 
IMC médio para adultos = 22 kg/m2 
IMC médio para idosos = 24,5 kg/m2 
 
 
Profª Mariana Carrapeiro 3 
 
5. Cálculo do peso ajustado 
Peso ajustado = (peso ideal – peso atual) x 0,25 + peso atual 
 
6. Correção de Peso para Pacientes Amputados (Nieman e Lee, 1995) 
O peso estimado do segmento amputado deverá ser subtraído do peso estabelecido (seja 
atual, estimado ou ideal). 
Segmento Corporal % média do peso total 
Mão 0,8 
Antebraço 2,3 
Braço até ombro 6,6 
Pé 1,7 
Perna (abaixo do joelho) 7 
Perna (acima do joelho) 11 
Perna inteira 18,6 
 
 
7. Estimativa de Peso Hídrico em Pacientes com Edema (Martins, 2000) 
Edema Peso Hídrico 
+ tornozelo 1Kg 
++ joelho 3 a 4kg 
+++ raiz da coxa 5 a 6kg 
++++ anasarca 10 a 12kg 
 
 
8. Cálculo e classificação de adequação de peso 
Adequação de peso (%) = peso atual x 100 
 peso ideal 
Adequação do peso (%) Estado nutricional 
70 Desnutrição grave 
70,1 – 80 Desnutrição moderada 
80,1 – 90 Desnutrição leve 
90,1 – 110 Eutrofia 
110,1 – 120 Sobrepeso 
> 120 Obesidade 
 
 
 
 
Profª Mariana Carrapeiro 4 
 
9. Cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) 
IMC (kg/m2) = Peso atual (kg)_ 
 Altura2 (m) 
 
10. Classificação do IMC para adultos (WHO, 1997) 
IMC (kg/m2) Classificação 
< 16 Magreza grau III 
16,0 – 16,9 Magreza grau II 
17,0 – 18,4 Magreza grau I 
18,5 – 24,9 Eutrofia 
25,0 – 29,9 Pré-obeso 
30 – 34,9 Obesidade grau I 
35,0 – 39,9 Obesidade grau II 
≥ 40 Obesidade grau III 
 
11. Classificação do IMC para idosos (Lipischitz, 1994) 
IMC (kg/m2) Classificação 
<22 Magreza 
22 – 27 Eutrofia 
> 27 Sobrepeso 
 
 
12. Cálculo da porcentagem de perda de peso e classificação de gravidade em relação ao 
tempo (Blackburn et al., 1977): 
Perda de peso (%) = (peso usual – peso atual) x 100 
 peso usual 
 
Tempo Perda de peso significativa (%) Perda de peso grave (%) 
1 semana 1 – 2 2 
1 mês 5 5 
3 meses 7,5 > 7,5 
6 meses 10 > 10 
 
 
13. Cálculo da circunferência muscular do braço (CMB) (Frisancho e Jelliffe, 1973) 
 
CMB (cm) = CB (cm) - (0,314 x DCT (mm)) 
 
 
14. Cálculo da porcentagem de adequação e classificação da circunferência do braço 
(CB), dobra cutânea triciptal (DCT) e circunferência muscular do braço (CMB) (Jelliffe, 
1966) 
 
Adequação da CB, DCT ou CMB (%) = medida atual x 100 
 percentil 50 
Profª Mariana Carrapeiro 5 
 
Classificação % de adequação 
Desnutrição Grave < 70 
Desnutrição Moderada 70 - 80 
Desnutrição Leve 80 - 90 
Eutrofia 90 - 100 
Sobrepeso 100 - 120 
Obesidade > 120 
 
Obs.: Os valores do percentil 50 de cada medida antropométrica de acordo com sexo e 
idade podem ser encontrados nos anexos 2 e 3. 
 
 
15. Cálculo do gasto energético basal (GEB), segundo Harris Benedict, 1919 
 
Masculino 66,47 + (13,75 x peso (kg)) + (5,00 x altura (cm)) – (6,75 x idade (anos)) 
Feminino 655,09 + (9,56 x peso (kg)) + (1,84 x altura (cm)) – (4,67 x idade (anos)) 
 
 
16. Cálculo do gasto energético total (GET) 
 
GET = GEB x fator atividade (FA) x fator injúria (FI) x fator térmico (FT) 
 
16.1 Fator atividade 
 
Acamado 1,2 
Acamado e móvel 1,25 
Deambulando 1,3 
 
16.2 Fator injúria (diversos estados clínicos e patologias) 
 
PATOLOGIA FI PATOLOGIA FI 
Paciente não complicado 1,00 DM 1,10 
P.O. leve 1,00 –1,05 DPOC 1,20 
P.O. médio 1,05 – 1,10 Fratura 1,20 
P.O. grande 1,10 – 1,25 SIDA 1,45 
Peritonite 1,40 Sepse 1,30 – 1,55 
Cirurgia cardíaca 1,20 Hepatopatias 1,20 
Renais em hemodiálise 1,20 Neurológicos / coma 1,15 – 1,20 
Transplante 1,40 TCE 1,40 
Queimados (< 20% SQC) 1,50 Trauma de tecidos moles 1,14 – 1,37 
Queimados (20 – 40% SQC) 1,60 Crohn em atividade 1,30 
Queimados (> 40% SQC) 1,70 SIC 1,45 
Multitrauma 1,50 Retocolite