A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
62 pág.
Aula_9.pps

Pré-visualização | Página 1 de 3

GEOGRAFIA E RECURSOS 
HÍDRICOS 
2º semestre / 2012 
AULA 9 
Prof. Luiz F P Barros 
IGC – UFMG 
Departamento de Geografia 
Proteção e recuperação de 
ambientes aquáticos 
• Focos de intervenção 
– Qualidade das águas 
– Regime de vazões 
– Regime sedimentológico 
– Morfologia fluvial (padrão fluvial) 
 
ECOHIDROGEOMORFOLOGIA 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
ECOHIDROGEOMORFOLOGIA 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
• Princípio do continuum fluvial 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
• Modelos de gestão mais eficientes e alternativas técnicas 
para a proteção de ambientes hídricos e economia da água 
– Adoção da outorga do uso da água e de instrumentos 
complementares 
– Pagamento por Serviços Ambientais (PSA): proprietários 
rurais recebem recursos para a proteção de nascentes, 
da cobertura vegetal, etc 
– Adoção de técnicas mais eficientes de irrigação 
– Dispositivos de economia de água nos vasos sanitários 
– Benefícios financeiros (redução de preços, preços 
diferenciados) a quem economiza água 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
– Instalação de dispositivos de economia de água, 
detecção e consertos de vazamentos na rede geral 
– Programas educativos visando a utilização racional 
da água e sua economia 
– Fiscalização e aplicação de instrumentos econômicos 
e de comando e controle (legislação) 
– Captação e utilização de águas pluviais 
• utilizadas em usos menos exigentes e não 
potáveis, por exemplo, em descargas domésticas 
• bacias de captação em zonas rurais e urbanas: 
coleta de água e controle de inundações e erosão 
acelerada 
• recarga artificial de aqüíferos 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
• Universalização dos serviços de saneamento 
– coleta e tratamento de esgotos e resíduos sólidos são 
essenciais na redução da poluição das águas, 
assoreamento e combate às doenças de veiculação 
hídrica 
– Para além do saneamento básico (água, esgoto e lixo) 
– Saneamento ambiental: provisão adequada de 
abastecimento de água potável, disposição de resíduos e 
esgotos, coleta de lixo, controle de vetores transmissores 
de doenças, drenagem urbana, habitação salubre, 
suprimento de alimentos, segurança no ambiente de 
trabalho, proteção contra a radiação e produtos químicos 
sintéticos, e proteção contra a degradação social 
Proteção e recuperação de ambientes aquáticos... 
• Saneamento básico é o conjunto de serviços, infra-estruturas e 
instalações operacionais que envolvem (Lei Federal nº 
11.445/2007): 
– abastecimento de água potável - desde a captação até as 
ligações prediais e respectivos instrumentos de medição 
– esgotamento sanitário - coleta, transporte, tratamento e 
disposição final, desde as ligações prediais até o seu 
lançamento final no ambiente 
– limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos - coleta, 
transporte, transbordo, tratamento e destino final do lixo 
doméstico e do lixo originário da varrição e limpeza de 
logradouros e vias públicas 
– drenagem e manejo das águas pluviais urbanas - transporte, 
detenção ou retenção para o amortecimento de vazões de 
cheias, tratamento e disposição final 
• Estabelece diretrizes relacionadas ao saneamento ambiental 
CONCEITOS 
RESTAURAÇÃO de rios (UK Ecological Restoration 
Society) 
– Processo de alteração intencional de um local para 
sua forma natural através de processos e 
intervenções que levem a re-estabilizar a relação de 
sustentabilidade e saúde entre o natural e o cultural 
– A meta é simular a estrutura, função, diversidade e 
dinâmica de um ecossistema específico, de acordo 
com suas características históricas 
– Compensação intencional pelos danos antrópicos à 
biodiversidade e dinâmica do ecossistema original 
CONCEITOS... 
RENATURALIZAÇÃO de rios 
• Recuperação de rios por meio de manejo regular, 
evitando os usos antrópicos que inviabilizam as suas 
funções de modo a regenerar o ecossistema, buscando 
o restabelecimento da sua biota o mais próximo possível 
do natural, bem como a conservação das áreas naturais 
de inundação (Binder, 2001) 
 
REVITALIZAÇÃO de rios 
• Preservação, conservação e recuperação ambiental dos 
rios, por meio de ações integradas que proporcionem a 
melhoria da qualidade da água para os usos múltiplos, 
bem como a melhoria das condições ambientais e o uso 
dos recursos naturais (MMA, 2005) 
CONCEITOS... 
REMEDIAÇÃO de rios 
• Ocorre quando os impactos ambientais constatados 
foram muito intensos, sendo, dessa forma, inviável o 
retorno às suas condições originais – a recuperação 
ocorre por meio da formação de um novo ambiente 
modificado (Findlay e Taylor, 2006) 
 
REABILITAÇÃO de rios 
• Ações que permitem o retorno parcial das condições 
biológicas e físicas do rio à sua condição original, 
podendo restituir as suas funções ecossistêmicas 
(Findlay e Taylor, 2006) 
Os valores dos 
elementos de 
qualidade biológica 
alcançam os valores de 
referência 
As condições físico-
químicas alcançam 
um estado muito bom 
As condições 
hidromorfológicas 
alcançam um 
estado muito bom 
Estado 
MUITO 
BOM 
Os valores dos 
elementos de qualidade 
biológica se desviam 
ligeiramente dos valores 
de referência 
As condições físico-químicas 
asseguram o funcionamento 
do ecossistema e cumprem o 
limites de contaminantes 
específicos 
Estado 
BOM 
Classificação baseada 
no desvio dos valores 
dos elementos de 
qualidade biológica em 
relação aos valores de 
referência 
Desvio moderado Estado 
MODERADO 
Desvio grande Estado 
DEFICIENTE 
Estado RUIM 
MAIOR 
SIM 
NÃO 
SIM SIM 
NÃO 
SIM 
SIM 
SIM 
SIM 
NÃO NÃO 
NÃO 
SIM 
Níveis de intervenção 
• Não intervenção 
– quando a simples eliminação das causas de degradação 
são suficientes para se conseguir uma rápida 
recuperação das condições originais do ambiente fluvial; 
quando uma maior intervenção no leito pode ser 
inclusive negativa para e evolução do sistema 
• Intervenção parcial 
– como assistência à recuperação das funções e estrutura 
do sistema – casos em que o próprio sistema mostra 
sinais de recuperação; forma de acelerar o processo 
• Manejo completo do sistema 
– quando a capacidade de auto-recuperação do 
ecossistema não é suficiente para alcançar a estrutura e 
dinâmica naturais 
Restauração de cursos d’água 
• Questiona a tradicional abordagem de intervenções de 
cursos d’água com base em obras exclusivamente 
estruturais, como a canalização 
• Projetos baseados em ações com fundamentos 
ecológicos e socioambientais (não separar os cursos 
d’água da população) que priorizam as técnicas de 
“engenharia leve” 
– recriar condições mais próximas das naturais a 
partir de materiais de baixo custo e facilmente 
disponíveis, como madeira e sedimentos aluviais 
Restauração de cursos d’água... 
• Dotar o meio das condições necessárias para que ele 
mesmo alcance e mantenha condições de equilíbrio 
 
• Objetivos mais comuns 
– melhorar a qualidade da água e do solo (eliminação 
de contaminantes) 
– gerenciar as zonas ripárias 
– aumentar os habitats dentro do rio – aumento da 
biodiversidade 
– propiciar a passagem de peixes 
– estabilizar as margens – reduzir processos erosivos 
– melhoria da qualidade paisagística 
Restauração de cursos d’água... 
• Consideração das 4 dimensões da morfologia de um rio 
– Vista lateral ou perfil longitudinal 
– Visão em planta 
– Seção transversal ou geometria hidráulica do leito 
– Formas