A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Resumo - 2ª prova MICOLOGIA

Pré-visualização | Página 3 de 6

desses micro-organismos, portanto, constitui-se na principal fonte 
de contaminação. A maioria desse organismos são sapróbios. 
 
FORMAS DE INFECÇÃO 
Ocorre após a inoculação dos esporos fúngicos ou bacterianos através de furadas acidentais ou 
feridas pré-existentes. Sendo a princípio aguda e tornando-se crônica com o tempo. 
 
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 
COLETA DO MATERIAL 
Obtenção da secreção é feita através de punção no local da lesão, drenagem expontânea de 
secreções contendo ou não grãos, raspagem ou fragmentos de tecido obtidos através de 
biópsia. 
 
PROCEDIMENTO 
 A Lavagem da secreção purulenta é feita em 03 a 05 mL de solução salina ou água 
destilada até o clareamento da mistura.(Utiliza centrifugação 2.500 rpm por 03 a 05 
vezes). Caso não haja uma centrífuga, a lavagem é feita de modo manual. Observar se 
há ou não presença de grãos. Se não, faz-se alguns esfregaços dessa mistura, fixa-se 
pelo calor ou em álcool absoluto e cora-se pelo Giemsas, Ziehl-Nielsen, PAS, HE ou 
Gram. 
 A cultura é feita em meio de Sabouraud com antibiótico para eumicetoma e em 
meios para bactérias ou actinomicetos nos casos de Botriomicose, Actinomicetoma e 
Nocardiose. 
PS: O exame direto pode definir presuntivamente, a etiologia do Micetoma e orientar o clínico 
para estabelecer um tratamento adequado e específico. 
 
Madurella mycetomatis 
CARACTERÍSTICAS MACRO E MICROSCÓPICAS DO GRÃO 
Grão negro, grande, sem clavas, visível a olho nu, composto de elementos micelianos 
septados, de dupla parede, com clamidosporos abundantes. No interior do grão, observa-se 
formações arredondadas, correspondendo à superfície de corte dos filamentos micelianos, 
embebidas em cimento cor de chocolate. 
 
CARACTERÍSTICAS DA CULTURA 
Aspectos macroscópicos: 
 Coloração – amarela, ocre-marrom 
 Textura – coriácea 
 Relevo – sulcos e dobras 
 Reverso – amarronzado 
 Velocidade de crescimento – lenta 
 
 
 
Micologia – Resumo – 2ª Prova 
11 
Alberto Galdino - Biomedicina 
Aspectos microscópicos: 
Hifas moniliformes e clamidosporos bem diferenciados; aleuriosporos piriformes que nascem 
de conidióforos simples ou ramificados e, conídios globosos produzidos em fiálides. 
 
Pseudallescheria boydii ( Eumicetoma ) 
CARACTERÍSTICAS MACRO E MICROSCÓPICAS DO GRÃO 
Grão branco, esférico ou lobulado, centro desabitado e periferia formada por trama de hifas e 
elementos esféricos. 
 
CARACTERÍSTICAS DA CULTURA 
Aspectos macroscópicos: 
Colônia algodonosa inicialmente branca, tornando-se de cor cinza ao envelhecer, crescimento 
rápido, reverso de coloração acinzentada a preta. 
 
Aspectos microscópicos: 
Hifas septadas, hialinas, conidióforos longos portando um único conídio em forma de limão ou 
vários conídios piriformes em aglomerados. 
 
Nocardia brasiliensis (Actinomicetoma) 
CARACTERÍSTICAS MACRO E MICROSCÓPICAS DO GRÃO 
O grão é pequeno, tem coloração branco-amarelada, apresenta-se ovalado, arredondado ou 
com formato irregular; tem consistência mole; é composto por filamentos finos com clavas na 
periferia e com o interior homogêneo. 
 
CARACTERÍSTICAS DA CULTURA 
Aspectos macroscópicos: 
 Coloração – branco-amarelada, vermelho-alaranja 
 Textura – glabrosa 
 Relevo – elevada, sulcada e cerebriforme 
 Reverso – amarronzado 
 Velocidade de crescimento – rápida 
Obs. Odor de terra molhada. 
 
Aspectos microscópicos: 
Filamentos bacterianos ramificados que se fragmentam em formas bacilares e cocóides, Gram-
positivos. 
 
Actinomyces israelii (Actinomicetoma ) 
CARACTERÍSTICAS MACRO E MICROSCÓPICAS DO GRÃO 
Grão branco, anaeróbio, endógeno, composto por entrelaçado de filamentos finos, com clavas 
na periferia, sem estrutura interna. 
 
CARACTERÍSTICAS DA CULTURA 
Aspectos macroscópicos: 
(Em ágar-sangue infusão de cérebro e coração, após 24-48h de incubação, em anaerobiose e 
 
 
Aspectos microscópicos: 
Filamentos bacterianos ramificados que se fragmentam em formas bacilares e cocóides, Gram-
positivos. 
 
Micologia – Resumo – 2ª Prova 
12 
Alberto Galdino - Biomedicina 
MICOSES SISTÊMICAS 
- Fungos dimórficos e filamentosos 
- Fungos de Patogenicidade: Conhecida e Discutida 
 
 PARACOCCIDIOIDOMICOSE 
 BLASTOMICOSE 
 HISTOPLASMOSE 
 COCCIDIOIDOMICOSE 
 
PARACOCCIDIOIDOMICOSE 
 Micose profunda, geralmente com sintomatologia cutânea importante, grave, que, na 
forma crônica, é conhecida como “tipo adulto” e, na forma aguda ou subaguda, como 
“tipo juvenil”. 
 A primeira (tipo adulto) caracteriza-se por comprometimento pulmonar, lesões 
ulceradas de pele, mucosas (oral, nasal, gastrointestinal), linfoadenopatia; na forma 
disseminada, pode acometer todas as vísceras, sendo freqüentemente afetada a 
supra-renal. 
 A segunda (tipo juvenil) é rara e, quando ocorre, compromete o sistema fagocítico-
mononuclear e leva à disfunção da medula óssea. Na cavidade oral, evidencia-se uma 
estomatite, com pontilhado hemorrágico fino, conhecida como “estomatite moriforme 
de Aguiar-Pupo”. 
 
- Primoinfecção 
- Doença granulomatosa 
- Habitat natural permanece desconhecido 
- TERMODIMÓRFICO (ou seja, tem aspecto morfologico duplo) 
 forma leveduriforme (37°C) - INFECÇÃO 
 forma filamentosa (25°C) – PARASITISMO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Interação Fungo-Hospedeiro 
 Virulência 
- Composição da parede celular 
- Adaptação a temperatura corporal 
- Complexo enzimático 
- Produção de Toxina 
- IMPEDINAS 
- ADESINAS 
- Virulência da cultura 
- Quantidade e tamanhos de propágulos 
 
 
 
Micologia – Resumo – 2ª Prova 
13 
Alberto Galdino - Biomedicina 
 Hospedeiro 
- Sexo: prevalência do sexo masculino (15:1) 
- Idade: 30-50 anos 
- Alcoolismo 
- Desnutrição 
- Mecanismo de defesa do hospedeiro 
- Tabagismo 
 
 Resposta do Sistema Imune 
 
 
 
 
 
 
 
Atuação das células do Sistema Imune: Sinergismo e Antagonismo 
 
 Fontes de Infecção 
 Solo 
 Vegetais 
 
 Vias de Infecção 
 Inalatória – Respiratória 
 Tegumentar – Traumatismo 
 Digestiva – rara 
 
*Proteção do Estrógeno: protege contra a termoconversão 
*Profissão: Agricultura 
 
Imunógeno Citocinas CD4 + T-Helper 
Th1 
Th2 
GRANULOMATOSA 
DOENÇA 
Micologia – Resumo – 2ª Prova 
14 
Alberto Galdino - Biomedicina 
 Formas Clínicas 
Reação positiva à paracoccidioidina 
 Aguda/Subaguda (juvenil) 
- Infecção Tegumentar (PRINCIPAL) 
- Envolvimento disseminado de órgãos e sistema linfoide 
- Forma mais grave e Pior prognostico 
- Evolução rápida (manifestação em 4 a 12 semanas) 
- Febre, perda ponderal e adinamia 
- Lesões mucosas e pulmonares são raras 
 
*PRINCIPAIS SINTOMAS 
- Ascite - Linfadenomegalia - Lesões ósteo-articulares - Alargamento do mediastino 
- Hepatoesplenomegalia - Massas Abdominais - Lesões cutâneas 
 
Formas Crônicas (adulto) 
- 90% dos casos 
- Unifocal ou Multifocal 
- Pode levar meses a anos para se tornar aparente 
- Acometimento pulmonar em 90% dos casos 
- Critérios de gravidade: leve, moderado e grave 
- 30 a 60 anos, predominantemente no sexo masculino 
 
 Sintomas Pulmonares (Tosse, expectoração e dispinéia) 
 Acometimento das mucosas (oral, orofaringe e laringe) - dolorosos 
 Acometimento cutâneo (pápulaulcera ou vegetação) 
 Doença polimórfica: adrenal, trato digestivo, ossos e articulações, tireóide, SNC, trato 
urogenital 
 
*IMPEDINAS – medicamento quebra a capsula para aparecimento de 
anticorpos para destruir o fungo. 
*Principal problema é o diagnóstico tardio 
*A implantação do PB-micose é tegumentar 
*Lesão muriforme (PB-micose na gengiva) 
*RAIO-X PULMONAR – forma de borboleta (no estado inicial) 
 
 Diagnóstico Diferencial 
 Tuberculose 
 Sífilis 
 Neoplasia 
 
 Métodos de Coleta 
 Escarificação 
 Debridação (retirada de