A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
77 pág.
EdwinA.Abbott-PLANOLÂNDIA

Pré-visualização | Página 3 de 27

você irá descobrir que a 
moeda parece ficar cada vez mais oval. E, finalmente, quando seus olhos estiverem 
exatamente na borda da mesa (e você se sentirá, por assim dizer, de fato, um 
planolandês) a moeda não parecerá mais oval e terá se tornado, a seus olhos, uma 
linha reta. A mesma coisa aconteceria se você tratasse da mesma forma um triângulo, 
um quadrado ou qualquer outra figura de cartolina. Assim que você olhar para ela 
com os olhos na altura da borda da mesa, vai descobrir que ela, para você, deixa de 
parecer uma figura, e que ganha à aparência de uma linha reta. Veja, por exemplo, 
um triângulo eqüilátero - que representa entre nós um comerciante da classe média. A 
figura 1 representa o comerciante como você o veria quando estivesse inclinado sobre 
ele; as figuras 2 e 3 representam o comerciante como você o veria com os olhos mais 
próximos do nível da mesa, ou quase ao nível dela; e, se seus olhos estivessem no 
nível da mesa (e é dessa forma que o vemos em Planolândia), tudo o que você veria 
seria uma linha reta. 
 
Quando eu estava em Espaçolândia, ouvi dizer que seus marinheiros têm 
experiências semelhantes quando cruzam os mares e discernem alguma ilha ou costa 
distante no horizonte. A terra distante pode ter baías, cabos, reentrâncias e 
protuberâncias de todos os tamanhos; no entanto, à distância, você não vê nada disso 
(a menos que o sol esteja brilhando bem sobre eles, revelando suas protuberâncias e 
reentrâncias por meio de luz e sombra), mas apenas uma ininterrupta linha cinzenta 
sobre a água. 
Bem, isso é exatamente o que vemos quando um de nossos conhecidos 
triangulares ou outros se aproximam de nós em Planolândia. Como não temos sol, 
nem qualquer outra luz desse tipo que faça sombra, não temos os amparos à visão 
que vocês têm na Espaçolândia. Se nosso amigo se aproxima de nós, vemos sua linha 
ficar maior. Se ele se afasta, fica menor, mas ainda assim ele se parece com uma linha 
reta. Seja ele triângulo, quadrado, pentágono, hexágono, círculo. O que seja, ele 
parece ser uma linha reta e nada além disso. 
Você talvez se pergunte como, nessas circunstâncias desvantajosas, 
conseguimos distinguir nossos amigos uns dos outros, mas a resposta a essa 
pergunta muito natural será dada com mais propriedade e facilidade quando eu 
descrever os habitantes de Planolândia. Por enquanto, deixem-me adiar esse assunto, 
e dizer umas palavras sobre o clima e as casas do nosso país. 
 
2. DO CLIMA E DAS CASAS EM PLANOLÂNDIA 
 
Como no seu caso, também temos quatro pontos cardeais: norte, sul, leste, 
oeste. 
Como não há um sol nem outros corpos celestes, é impossível determinarmos 
o norte da maneira costumeira, mas temos um método próprio. Segundo uma Lei da 
nossa Natureza, há uma atração constante para o sul, e, embora nos climas 
temperados ela seja muito fraca - tanto que até uma mulher razoavelmente saudável 
pode percorrer várias centenas de metros na direção norte sem muita dificuldade -, o 
efeito restritivo dessa atração é suficiente para servir de bússola na maioria dos 
lugares da nossa terra. Além disso, a chuva (que cai a intervalos fixos), que sempre 
vem do norte, é uma ajuda adicional, e nas cidades temos a orientação das casas, que 
obviamente têm as paredes laterais em sua maior parte na direção norte-sul, de modo 
que os telhados as protejam da chuva que vem do norte. No campo, onde não há 
casas, os troncos das árvores servem também como guia. De modo geral, não temos 
tanta dificuldade como seria de se esperar para determinar nossa localização. 
No entanto, em nossas regiões mais temperadas, nas quais a atração mal é 
sentida, caminhando algumas vezes por uma planície erma onde não há casas nem 
árvores para me guiar, fui ocasionalmente compelido a ficar parado por horas a fio, 
esperando que a chuva chegasse antes de continuar minha jornada. Sobre os fracos e 
idosos, e especialmente sobre as delicadas fêmeas, a força de atração se faz sentir 
muito mais pesadamente do que sobre os membros robustos do sexo masculino, então 
é uma questão de boa educação sempre dar passagem a uma senhora pelo lado norte 
do caminho - uma coisa nada fácil de se fazer de uma hora para a outra, quando você 
está em perfeita saúde e em um clima no qual é difícil discernir o norte do sul. 
Não há janelas em nossas casas, já que a luz nos atinge igualmente dentro ou 
fora delas, de dia e de noite, igualmente a toda hora e em todos os lugares, vinda não 
sabemos de onde. Antigamente, uma questão interessante e muito investigada por 
nossos eruditos era: "Qual é a origem da luz?", e a resposta foi repetidamente 
buscada, tendo como único resultado a lotação de nossos manicômios com os 
candidatos a descobridores. Em conseqüência, depois de tentativas infrutíferas de 
reprimir tais investigações indiretamente, tornando-as sujeitas a pesado imposto, o 
Legislativo, em uma época comparativamente recente, proibiu-as totalmente. Eu - ai 
de mim, somente eu em Planolândia - sei hoje muitíssimo bem a verdadeira solução 
desse misterioso problema, mas meu conhecimento não pode ser tornado inteligível 
para nenhum de meus compatriotas. Zombam de mim - eu, o único detentor das 
verdades do espaço e da teoria da introdução da luz vinda do mundo de três 
dimensões - como se eu fosse o mais louco dos loucos! Mas permitam uma trégua 
dessas divagações dolorosas: deixe-me voltar para nossas casas. 
A forma mais comum de construção de casas é a de cinco lados ou 
pentagonal, como na figura abaixo. Os dois lados voltados para o norte, RO e OF, 
formam o telhado, que em sua maioria não tem portas. No lado leste há uma pequena 
porta para as mulheres; no lado oeste, uma porta bem maior para os homens; o lado 
sul ou chão em geral não tem porta. 
 
 
 
Não são permitidas casas quadradas e triangulares pelo seguinte motivo: 
como os ângulos de um quadrado (e ainda mais os ângulos de um triângulo 
eqüilátero) são muito mais pontudos do que os de um pentágono, e como as linhas 
dos objetos inanimados (tais como casas) são mais indistintas do que as linhas dos 
homens e das mulheres, segue-se que o perigo de que as pontas de uma casa 
quadrada ou triangular possam ferir seriamente um viajante desatencioso ou talvez 
distraído que vá de encontro a elas não é pequeno. E, já no século onze de nossa era, 
casas triangulares eram universalmente proibidas por lei, sendo as únicas exceções 
fortificações, paióis de pólvora, quartéis e outros prédios públicos, dos quais a 
população em geral não deve se aproximar sem circunspeção. 
Nessa época, casas quadradas ainda eram permitidas, embora 
desencorajadas por um imposto específico. Mas, uns três séculos depois, a justiça 
decidiu que em todas as cidades com população superior a 10 mil, o ângulo do 
pentágono seria o menor ângulo permitido nas casas consistentemente com a 
segurança pública. O bom senso da comunidade apoiou os esforços do Legislativo, e 
hoje, mesmo no campo, a construção pentagonal suplantou todas as outras. 
Atualmente, só em algum distrito agrícola distante e atrasado é que um antiquário 
poderá ainda descobrir uma casa quadrada. 
 
3. SOBRE OS HABITANTES DE PLANOLÂNDIA 
 
 A maior extensão ou largura de um habitante adulto de Planolândia pode ser 
estimada em cerca de 28 dos seus centímetros. Trinta centímetros e meio pode ser 
considerada a extensão máxima. 
Nossas mulheres são linhas retas. 
Nossos soldados e as classes mais baixas de trabalhadores são triângulos 
com dois lados iguais, de uns 28 centímetros de extensão, e uma base ou terceiro lado 
tão curto (freqüentemente não excede um centímetro e meio) que eles formam nos 
vértices um ângulo muito agudo e perigoso. Na verdade, quando suas bases são do 
tipo mais degradado (não passando de alguns milímetros de tamanho), eles mal 
podem ser distinguidos das linhas retas, ou mulheres, de tão pontudos que são seus 
vértices. Entre nós, como entre vocês, esses triângulos