A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
73 pág.
RESUMÃO 1ª PROVA FARMACOLOGIA

Pré-visualização | Página 5 de 20

etanol, por 
exemplo, é metabolizado por uma enzima citoplasmática solúvel, a álcool desidrogenase. Outras exceções são a 
tirosina hidroxilase que hidroxila a tirosina em DOPA e a monoamina oxidase – MAO (ver Cap. 9), importante no 
metabolismo das aminas simpaticomiméticas. 
As reduções de fase I também ocorrem tanto no sistema microssomal quanto não microssomal do metabolismo, 
sendo de ocorrência menos freqüente que as reações de oxidação. Um fármaco metabolizado por redução 
microssomal é o cloranfenicol, e por não microssomal, hidrato de cloral. 
O metabolismo por hidrólise também ocorre em ambos os sistemas microssomal e não microssomal. Como exemplo, 
temos as reações com esterases inespecíficas de fármacos como a acetilcolina (ver Cap. 11). 
obs.: eliminação pré-sistema significa que o farmaco sofre metabolismo de primeira fase. 
Reações de fase II. (conjugação – glicuronidação – add um acido glicuronico ao medicamento) 
 Envolvem a conjugação (glicuronidação – add um ác glicurônico a mol do medicamento), resultando, geralmente, 
em compostos inativos. Com freqüência, as reações de fase I introduzem um grupo relativamente reativo, como uma 
hidroxila, na molécula (funcionalização), que servirá como ponto de ataque para o sistema de conjugação fixar um 
substrato endógeno como, por exemplo, glicuronídio. Como outros exemplos de grupos funcionais de substâncias 
endógenas, temos metila, ácido acético, ácido sulfúrico e aminoácidos. Em geral, ambas as etapas diminuem a 
lipossolubilidade, aumentando, assim, a eliminação renal do fármaco que, caso contrário, poderia ficar 
indefinidamente no organismo. 
 Fármaco 14 
 
Se o metabólito oriundo da fase I for suficientemente polar, será eliminado pelos rins. Entretanto, muitos 
metabólitos são lipofílicos demais para ficarem retidos nos túbulos renais. Uma reação de conjugação subseqüente 
com um substrato endógeno resulta no aparecimento de compostos mais polares. Em geral, mais hidrossolúveis e 
terapeuticamente inativos. A glicuronidação é a reação mais comum e mais importante de conjugação. Os recém-
nascidos são deficientes deste sistema de conjugação, o que os torna particularmente vulneráveis a fármacos como 
o cloranfenicol. Fármacos que já possuem um grupamento OH, HN ou COOH podem passar diretamente ao 
metabolismo de fase II. Os conjugados de fármacos, altamente polares, podem, então, ser eliminados pelos rins. 
A isoniazida (ácido isonicotínico) é uma exceção e sofre uma reação de fase II (acetilação) antes de passar por uma 
reação de fase I, sendo, então, hidrolizada a ácido nicotínico. 
 
Obs.: 
- Se o medicamento é mto hidrossolúvel ele é excretado sem biotransformação 
- existem compostos que msm sofrendo reação de fase I e II vão para a vesícula biliar na região do intestino e são 
eliminado pelas fezes. 
- Se as bactérias intestinais removerem o acido glicuronico a droga pd ser reabsorvida. 
- tolerância ao farmaco aum a biotransformação 
 
INTERAÇÃO FARMACOLÓGICA 
Alguns fármacos agem nas enzimas que os metabolizam, aumentando a atividade ou o número de moléculas de 
enzimas presentes. Isto é denominado “indução metabólica de enzimas” e uma droga que apresenta este efeito é o 
etanol. 
Há fármacos, por exemplo, capazes de induzir aumento nos níveis de citocromo P450, o que provoca aumento da 
velocidade de metabolização do fármaco indutor, bem como de outros fármacos biotransformados pelo sistema 
P450. Por outro lado, muitos fármacos podem inibir o sistema P450 e, assim, potencializar as ações de outros 
fármacos que são metabolizados pelas enzimas do citocromo (p. ex., quinidina). 
 
 
FATORES QUE AFETAM O METABOLISMO 
1. Genéticos; 
2. Idade (efeitos tóxicos mais comuns em muito jovens e idosos); 
3. Diferenças individuais (há variações de até 30 vezes no metabolismo de uma droga); 
4. Fatores ambientais (p. ex., fumo); 
5. Propriedades químicas dos fármacos; 
6. Via de administração; 
7. Dosagem; 
8. Sexo; 
9. Doença (p. ex., hepatite crônica, cirrose, câncer hepático); 
10. Interações entre fármacos durante o metabolismo (barbitúricos podem ocasionar a necessidade de doses 
maiores de cumarínicos para manter o tempo de protrombina elevado). 
 
FATORES QUE INFLUENCIAM A BIOTRANSFORMAÇÃO 
- indutores enzimáticos 
- doenças hepáticas 
- idade 
-grave desnutrição 
 
 Fármaco 15 
 
MEIA-VIDA 
É o tempo necessário para a concentração de determinado fármaco no corpo ser reduzida pela metade. Meia-vida (t½) é um 
parâmetro derivado da depuração e do volume de distribuição e varia em função deles 
O tempo de meia vida para um dado medicamento independe da concentração desse medicamento, a meia vida esta relacionada 
com a cinética de excreção e de acordo com as propriedades físico químicas das drogas. 
Dose de ataque – adm de uma dose mto alta qdo o paciente esta debilitado 
 
Excreção 
(livro) 
 
INTRODUÇÃO 
Os fármacos podem ser eliminados inalterados ou convertidos em metabólitos. Os órgãos excretórios (com exceção dos 
pulmões) eliminam substâncias polares com mais facilidade. 
A via excretória mais importante é a renal, por meio da urina. Outras vias excretórias incluem a bile, o intestino, os 
pulmões, o leite etc. 
 
ELIMINAÇÃO RENAL DE FÁRMACOS (só para saber) 
 
Filtração glomerular. Os fármacos penetram nos rins pelas artérias renais, as quais se dividem para formar o plexo capilar 
glomerular. Os fármacos livres (não ligados a proteínas) atravessam a rede capilar para o espaço de Bowman como 
parte do filtrado glomerular. Os capilares glomerulares permitem a difusão de moléculas de fármacos com peso 
molecular inferior a 20.000 (moléculas pequenas) no filtrado glomerular. Raros fármacos, como a heparina, são retidos. 
Como a albumina não atravessa livremente a barreira, quando um fármaco se liga consideravelmente à albumina 
plasmática, sua concentração no filtrado é menor que a concentração plasmática. Um fármaco como a Varfarina liga-se 
em 98% à albumina e só 2% permanecem no filtrado. Portanto, a depuração por filtração será muito reduzida. 
 
Secreção e reabsorção tubulares. Até 20% do fluxo plasmático renal são filtrados através do glomérulo, de modo que, pelo 
menos 80% do fármaco podem passar para os capilares peritubulares do túbulo proximal. Neste local, os fármacos são 
transferidos para a luz tubular mediante dois sistemas transportadores independentes e relativamente não seletivos. 
Um deles transporta ácidos e, o outro, bases orgânicas. Esses sistemas podem reduzir a concentração plasmática do 
fármaco a quase zero, transportando-o contra um gradiente químico. Como, pelo menos, 80% do fármaco que chega ao 
rim é apresentado ao transportador, a secreção tubular representa o mecanismo mais eficaz para eliminação de 
fármacos pelos rins. 
A probenecida compete pelo mesmo sistema de transporte que a penicilina, diminuindo, dessa forma, sua eliminação. 
 
Difusão pelo filtrado. À medida que o filtrado glomerular atravessa o túbulo, a água é reabsorvida, sendo que o volume 
que emerge como urina é apenas 1% daquele filtrado. Se o túbulo fosse livremente permeável a moléculas de fármacos, 
99% do fármaco seriam reabsorvidos passivamente. De forma que fármacos com alta lipossolubilidade e, portanto, 
elevada permeabilidade tubular, são excretados lentamente. Ou seja, fármacos lipossolúveis são mais reabsorvidos por 
atravessarem mais facilmente as membranas das células tubulares. 
Se, por outro lado, o fármaco for polar, o mesmo permanecerá no túbulo e sua concentração aumentará até ficar cerca 
de 100 vezes mais alta na urina que no plasma (p. ex., digoxina e antibióticos aminoglicosídeos). Muitos fármacos, por 
serem ácidos fracos ou bases fracas, alteram sua ionização com o pH, o que afeta sua excreção renal. O efeito 
de