A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
288 pág.
apos_topo

Pré-visualização | Página 24 de 44

129 
 
 
 
Figura 8.7 - Representação do azimute da direção 2-3. 
 
 Para obter-se o azimute da direção 2-3 no 2º quadrante, extrai-
se o arco-tangente do módulo do quociente (∆X/∆Y), obtendo-se um 
arco no 1º. quadrante: 
 
A 2-3 = 16º 38’ 46’’ (1º. quadrante) 
 
 A seguir, faz-se a redução ao 2º quadrante: 
 
A 2-3 (2º Quadrante) = 180º - [arco (1º quadrante)] 
A 2-3 (2º Quadrante) = 180º - 16º 38’ 46’’ 
A 2-3 (2º Quadrante) = 163º 21’ 14’’ 
 
3) Calcular o azimute da direção 3-4 sendo: 
 
X3 = 459,234m Y3 = 233,786 m 
X4 = 285,550 m Y4 = 99,459 m 
 
Y (N) 
X (E) 
S 
W 
2 
3 
A 2-3 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
130 
 
Fazendo ∆X = X4 - X3 tem-se ∆X = - 173,684 m 
 ∆Y = Y4 - Y3 tem-se ∆Y = - 134,327 m 
 
Como ∆X e ∆Y são negativos o azimute da direção 3-4 está no 
3º quadrante, entre 180º e 270º, conforme ilustra a Figura 8.8. 
 
 
 
Figura 8.8 - Representação do azimute da direção 3-4. 
 
A 3-4 = 52º 16’ 54’’ (1º quadrante) 
 
 Reduzindo ao 3º quadrante: 
 
A 3-4 (3º Quadrante) = 180º + [arco (1º quadrante)] 
A 3-4 (3º Quadrante) = 180º + 52º 16’ 54’’ 
A 3-4 (3º Quadrante) = 232º 16’ 54’’ 
 
 
 
Y (N) 
X (E) 
S 
W 
3 
A3-4 
4 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
131 
 
4) Calcular o azimute da direção 4-5 sendo: 
X4 = 459,234m Y4 = 233,786 m 
X5 = 301,459 m Y5 = 502,591 m 
 
Neste caso, ∆X é negativo e ∆Y é positivo e o azimute da 
direção 4-5 está no 4º quadrante, entre 270º e 360º, conforme ilustra a 
Figura 8.9. 
 
 
Figura 8.9 - Representação do azimute da direção 4-5. 
 
A 4-5 = 30º 24’ 39’’ (1º quadrante) 
 
 Fazendo-se a redução ao 4º quadrante: 
 
A 4-5 (4º Quadrante) = 360º - [arco (1º quadrante)] 
A 4-5 (4º Quadrante) = 360º - 30º 24’ 39’’ 
A 4-5 (4º Quadrante) = 329º 35’ 21’’ 
 
Y (N) 
X (E) 
S 
W 4 
5 
A4-5 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
132 
 
 
9 - TÉCNICAS DE LEVANTAMENTO PLANIMÉTRICO 
 
 
A poligonação é um dos métodos mais empregados para a 
determinação de coordenadas de pontos em Topografia, principalmente 
para a definição de pontos de apoio planimétricos. Uma poligonal 
consiste em uma série de linhas consecutivas onde são conhecidos os 
comprimentos e direções, obtidos através de medições em campo. 
 
O levantamento de uma poligonal é realizado através do 
método de caminhamento, percorrendo-se o contorno de um itinerário 
definido por uma série de pontos, medindo-se todos os ângulos, lados e 
uma orientação inicial (figura 9.1). A partir destes dados e de uma 
coordenada de partida, é possível calcular as coordenadas de todos os 
pontos que formam esta poligonal. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.1 - Levantamento de uma poligonal. 
 
Utilizando-se uma poligonal é possível definir uma série de 
pontos de apoio ao levantamento topográfico, a partir dos quais serão 
determinadas coordenadas de outros pontos, utilizando, por exemplo, o 
método de irradiação a ser visto posteriormente. 
 
A NBR 13133 (ABNT, 1994) classifica as poligonais em 
principal, secundária e auxiliar: 
 
• Poligonal principal: poligonal que determina os pontos de 
apoio topográfico de primeira ordem; 
 
• Poligonal secundária: aquela que, apoiada nos vértice da 
poligonal principal determina os pontos de apoio topográfico 
de segunda ordem; 
OPP 
P1 
P2 
P3 d1 d2 d3 
α1 
α2 
Az 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
133 
 
• Poligonal auxiliar: poligonal que, baseada nos pontos de apoio 
topográfico planimétrico, tem seus vértices distribuídos na área 
ou faixa a ser levantada, de tal forma que seja possível coletar, 
direta ou indiretamente, por irradiação, interseção ou ordenadas 
sobre uma linha de base, os pontos de detalhes julgados 
importantes, que devem ser estabelecidos pela escala ou nível 
de detalhamento do levantamento. 
 
As poligonais levantadas em campo poderão ser fechadas, 
enquadradas ou abertas. 
 
• Poligonal fechada: parte de um ponto com coordenadas 
conhecidas e retorna ao mesmo ponto (figura 9.2). Sua 
principal vantagem é permitir a verificação de erro de 
fechamento angular e linear. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.2 - Poligonal fechada. 
 
• Poligonal enquadrada: parte de dois pontos com coordenadas 
conhecidas e acaba em outros dois pontos com coordenadas 
conhecidas (figura 9.3). Permite a verificação do erro de 
fechamento angular e linear. 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.3 - Poligonal enquadrada. 
A1 
P1 
P2 
A3 
A2 
A4 
OPP 
P1 
P2 
P3 
P4 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
134 
 
• Poligonal aberta: parte de um ponto com coordenadas 
conhecidas e acaba em um ponto cujas coordenadas deseja-se 
determinar (figura 9.4). Não é possível determinar erros de 
fechamento, portanto devem-se tomar todos os cuidados 
necessários durante o levantamento de campo para evitá-los. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.4 - Poligonal aberta. 
 
 
Como visto anteriormente, para o levantamento de uma 
poligonal é necessário ter no mínimo um ponto com coordenadas 
conhecidas e uma orientação. Segundo a NBR 13133 (ABNT, 1994 p.7), 
na hipótese do apoio topográfico vincular-se à rede geodésica (Sistema 
Geodésico Brasileiro - SGB), a situação ideal é que pelo menos dois 
pontos de coordenadas conhecidas sejam comuns (figura 9.5). Neste 
caso é possível, a partir dos dois pontos determinar um azimute de 
partida para o levantamento da poligonal. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.5 - Dois pontos com coordenadas conhecidas e vinculadas 
ao SGB comuns a poligonal. 
 
 
OPP P1 
P2 
P3 
P1 
P2 
P3 
M01 
M02 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
135 
 
Estes dois pontos não necessitam ser os primeiros de uma 
poligonal, conforme é ilustrado na figura 9.6. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.6 - Pontos com coordenadas conhecidas entre pontos da 
poligonal. 
 
 
Outros casos podem ocorrer: 
 
• Um vértice do apoio topográfico coincide com um dos vértices 
da poligonal e é possível observar outro ponto para a obtenção 
do azimute de partida (figura 9.7). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.7 - Um vértice de apoio pertencente a poligonal e 
observação a um segundo vértice. 
 
 
 
P3 
P4 
M01 
P1 
P2 M02 
P3 
P4 
M01 
M02 
P1 
P2 
Az 
FUNDAMENTOS DE TOPOGRAFIA 
 
Luis A. K. Veiga/Maria A. Z. Zanetti/Pedro L. Faggion 
 
136 
 
• Um vértice, sem ser possível observar outro ponto. Determina-
se o Norte geográfico com precisão compatível à precisão do 
levantamento (figura 9.8). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 9.8 - Norte Geográfico e um ponto com coordenadas 
conhecidas. 
 
 
• Nenhum ponto referenciado ao SGB faz parte da poligonal, 
porém existem pontos próximos a poligonal de trabalho (figura 
9.9). Neste caso efetua-se o transporte de coordenadas através 
de uma poligonal de apoio. 
 
 
 
 
Figura 9.9 - Transporte de coordenadas utilizando uma poligonal de 
apoio. 
 
• Nenhum ponto referenciado ao SGB faz parte da poligonal, 
porém existem alguns pontos próximos a poligonal de trabalho 
permitindo que, através do problema de Pothénot, sejam 
M02